Dongi Yang - "The Ox" luta para finalizar

"De modo geral, em nossa equipe não lutamos para [vencer por] decisões, estamos sempre buscando acabar com as lutas e isso é só o que estou esperando fazer contra McGee". - Dongi Yang
Quando você considera os milhões que vivem na Coréia do Sul, talvez duas pessoas não sejam a amostra significativa para  uma dedução científica, mas se Dongi Yang e seu parceiro de treinos da Korean Top Team, Chan Sung Jung, representam os melhores combatentes sul-coreanos, então o futuro parece brilhante para os fãs de MMA que não querem ver apenas técnica sólida, mas também querem ser entretidos.    
    
Veja Jung, "The Korean Zombie", por exemplo. O estilo guerreiro que ele mostrou em seu clássico no WEC com Leonard Garcia em 2010 foi superado apenas na revanche deste ano, quando ele finalizou com o primeiro "Twister" (torção) na história do UFC. E ele fez tudo isso com um sorriso sempre presente e uma acessibilidade que atravessa todas as barreiras de idioma.    
    
O médio Yang fez a mesma coisa, embora em menor grau, em suas duas lutas no UFC, primeiro uma derrota por decisão (dividida) diante de Chris Camozzi no UFC 121, e em seguida com um TKO sobre Rob Kimmons em março. E quando se trata de personalidade, é só perguntar ao "The Ox" quais as mudanças ele fez para mudar a sorte entre as duas lutas, e sua primeira resposta (através do manager / tradutor Brian Rhee) é: "Eu mudei um pouco meu penteado", antes de acrescentar: "Além disso, eu estava mais motivado para ganhar, já que não queria ser cortado do UFC".   
    
É esse tipo de sinceridade que faz bem e enquanto Yang tem noção que a dificuldade no idioma pode ser um problema para as pessoas conhecerem melhor sua personalidade e humor, ele não vai parar de tentar.    
    
"Meu inglês é realmente limitado, por isso é difícil", disse ele. "Estou treinando meu inglês, por isso está ficando melhor... lentamente. Ter um intérprete ajuda".    
    
E fazer lutas empolgantes em rede nacional nos Estados Unidos faz maravilhas, e ele terá a sua maior oportunidade até agora neste sábado, em Nova Orleans, quando enfrenta o vencedor do TUF 11, Court McGee na co-luta principal na Spike TV.    
    
"Com certeza vai dar um impulso na minha carreira se eu conseguir uma vitória contra McGee", disse Yang, 10-1. "O nome dele nos colocou no card principal do "Battle on the Bayou" e isso é um grande passo para mim. Aumentando muito as proporções na Coréia do Sul também".   
    
Nos últimos anos, os combatentes sul-coreanos começaram a aparecer, com Jung, Yang, e o meio-médio Dong Hyun Kim sendo os nomes notáveis. E enquanto isso é uma coisa boa para os combatentes e para cena de luta na Coréia do Sul, o fator pode exercer uma grande pressão para os pioneiros que estão abrindo as portas para aqueles que vêm depois deles. Yang não está incomodado com essa responsabilidade.  
    
"Eu realmente não sinto a pressão", disse ele. "Existe uma infinidade de lutadores mais jovens que entram em contato comigo através de sites de redes sociais e tento dar alguns conselhos quando posso, e é uma honra representar o MMA sul-coreano".    
    
E através do sucesso de Yang e Jung, a cena em seu país de origem está ficando maior a cada dia.
    
"Depois da minha vitória contra o Rob Kimmons, e o "Twister" do "The Korean Zombie" contra Leonard Garcia no mesmo mês, foi um bom março de 2011para a Korean Top Team", disse Yang. "O MMA tem tido audiência na Coréia do Sul, principalmente por causa das promoções japonesas, mas agora os coreanos estão realmente no UFC e a cena de MMA está crescendo bastante".    
     
Não que seja fácil para lutadores como Yang fazer as coisas aqui em nos EUA. Despesas de viagem e os treinos são um problema, para não falar do "bom e velho efeito do fuso horário".    
    
"A diferença do fuso horário é o maior problema", admite o atleta de 26 anos, morador de Seul. "A Coréia do Sul tem 14 horas à frente dos EUA na Costa Leste, não é fácil. Também, financeiramente, é difícil porque nos custa muito mais do que para os lutadores americanos. Nós gostamos de vir para os EUA pelo menos 10 dias antes e costumo trazer um parceiro de treinos. Então, pagar por hotéis, passagens aéreas e alimentação, tudo isso inflaciona nosso orçamento. Felizmente, nosso empresário tem amigos e família em várias cidades de todo os EUA, por isso às vezes ficamos com eles".    
    
Desta vez, Yang e sua equipe se estabeleceram em Nashville, na Mixed Martial Arts Academy, em Tennessee para terminar os preparativos para o importante embate com McGee.    
    
"Ele é casca-grossa, um lutador físico, por isso nos preparamos para uma luta difícil", disse Yang de seu oponente. "Sua resistência é uma preocupação para qualquer adversário. Eu vi alguns dos episódios do TUF que ele participou, mas não acompanhei tudo".    
    
Então, se tudo correr bem no sábado à noite, muitos fãs e lutadores estarão acompanhando a carreira de Dongi Yang, e é com isso que ele está contando.    
     
"Eu gostaria que os fãs dos EUA vissem o que o Korean Zombie já demonstrou, os lutadores da Korean Top Team são resistentes e fazem lutas emocionantes", disse Yang. "De modo geral, em nossa equipe não lutamos para [vencer por] decisões, estamos sempre buscando acabar com as lutas e isso é só o que estou esperando fazer contra McGee".  


 

Watch Past Fights

Midia

Recente
UFC Fight Night weigh-in event on September 19, 2014 in Saitama, Japan. (Photos by Mitch Viquez/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
19/09/2014
Em entrevista ao UFC, lutadora americana afirma querer ser a primeira pessoa a derrotar a japonesa Rin Nakai e colocar a marca 'Miesha Tate' na rival. Veja o vídeo.
19/09/2014
Assista à pesagem oficial do UFC Fight Night: Hunt vs. Nelson ao vivo na sexta, dia 19 de setembro, às 4 da madrugada.
15/09/2014
Em entrevista exclusiva para o UFC, a campeã afirma que adoraria enfrentar Bethe Correia no Brasil e diz não ter medo das vaias. 'Já fui vaiada em mais de 30 diferentes línguas. Não sei como se organizam para isso'. Confira a entrevista
18/10/2014