Edgar espera um super desempenho em sua super luta

"Tenho que ir lá, fazer o que quero fazer, e lutar a minha luta porque se ficar pensando no que ele vai fazer o tempo todo, nunca conseguirei começar a lutar." - Frankie Edgar
UFC featherweight Frankie Edgar
Frankie Edgar não lida com 'e se?'. Só existem certezas, e é esta filosofia que o levou de Toms River, New Jersey para o topo do MMA. Então se você está esperando que ele fique indagando sobre o que teria acontecido se ele tivesse vencido aquela luta nos pesos leves contra Ben Henderson no ano passado, ele simplesmente não está jogando este jogo.    
    
"Eu acho que sempre esteve na minha mente descer para os 65.7 kgs, mas realmente não sei se tivesse vencido (contra Henderson) eu teria descido de categoria ou não", ele disse. "Minha equipe está  me fazendo descer para esta luta contra José Aldo há um tempo, então mesmo que tivesse um resultado positivo, acho que eventualmente, esta luta teria acontecido."    
    
'Eventualmente' agora esta luta se materializa, Edgar é a atração principal do UFC 156 neste sábado contra José Aldo. O último campeão do WEC está invicto em suas 14 lutas desde 2006, e apesar de sua faixa preta em jiu-jitsu, ele é conhecido por sua trocação, que mais recentemente foi mostrada quando ele nocauteou Chad Mendes no primeiro round, em janeiro de 2012. Mais especificamente, ele é conhecido por seus chutes debilitantes  nas pernas e no corpo, algo que Edgar está bem ciente.    
    
"Você tem que assimilar", disse o desafiante de 31 anos. "É para isto que estou me preparando, e tenho que fazer ele não querer me chutar, tenho que fazer algo, seja quedas ou vários socos. Tenho que fazer ele não querer me chutar. É algo que estou ciente, mas meu foco não pode ser somente nisto. Tenho que ir lá, fazer o que quero fazer, e lutar a minha luta porque se ficar pensando no que ele vai fazer o tempo todo, nunca conseguirei começar a lutar."    
    
E somente para ter certeza de que ele está pronto para os ataques de Aldo, dois dos companheiros de equipe mais recentes de Edgar, o peso leve Edson Barboza e o peso galo Marlon Moraes, sabem um pouco sobre golpes, muay thai em particular.    
    
"Tem sido enorme", disse Edgar sobre a adição dos dois brasileiros a sua equipe. "Barboza e um dos seus parceiros que agora é nosso parceiro também, Marlon Moraes, são muito, muito bons no thai. (Jose) Aldo se tornou um ótimo lutador de thai, mas não acho que ele seja um lutador natural no thai, e eles sim são oriundos do muay thai, então não podia ter pessoas melhores no quesito chutes. O conhecimento desses caras me ajudou muito e melhorou meu jogo nesta área."    

Não espere um expert em muay thai em Edgar neste fim de semana. Ele vai entrar com o que o trouxe até aqui, que é uma mistura de wrestling, boxe, condicionamento físico e movimentação que é difícil de achar até que seja tarde demais. Nos pesos pena, Edgar insiste que isto não mudará, e ainda aponta que descendo para a categoria, seu condicionamento físico estará melhor e talvez esteja um pouco mais veloz do que o normal.    
    
"Farei o que faço naturalmente", ele disse. "É bom que o ritmo da luta que gosto de lutar será benéfico para mim, já que ele está fora há um ano. Eu quero ir lá e testar sua impetuosidade e ver como ele reage a este longo tempo fora."     




 

Watch Past Fights

Sábado, Outubro 25
23h
BRT
Rio de Janeiro, Brazil

Midia

Recente
Os jornalistas Davi Correia (UFC.com.br), Guilherme Cruz (MMAFighting) , e Ivan Raupp (Combate.com), conversam sobre o card principal do UFC 179, no Rio de Janeiro. O brasileiro é favorito, mas precisa tomar cuidado com o jogo de wrestling de Chad Mendes.
23/10/2014
Fotos da pesagem do UFC 179 no Ginásio do Maracanãzinho em 24 de outubro, 2014 no Rio de Janeiro (Fotos de Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
24/10/2014
Confira os melhores momentos dos lutadores na balança. O campeão José Aldo garantiu que vencerá Chad Mendes, nos penas. "Esse cinturão vai continuar no Brasil.
24/10/2014
Enquanto Aldo e Chad treinavam no Rio para o UFC 179, Conor McGregor desembarcava na cidade com a língua afiada. Na saída do aeroporto, pediu se o motorista não o levaria até a favela do José e mandou dizer que irá tomar o cinturão do brasileiro.
24/10/2014