Para Evans, Tudo é pelo Título

"Ele cai para dentro, e você tem que respeitar isso. E isso é uma coisa que sempre gosto de ver, esses caras que na hora de lutar, eles chegam e estão prontos para a batalha." - Rashad Evans
UFC light heavyweight Rashad Evans
Não seria correto dizer que Rashad Evans é peixe pequeno quando falamos de seu legado nas lutas, mas o ex-campeão meio- pesado do UFC é rápido em apontar que, quando você começa a falar sobre essas coisas, é porque você está prestes a deixar o esporte, e "Suga" não está pronto para sair ainda.  
    
"O título ainda é o foco para mim", disse ele. "Quando se trata dele, meu currículo fala por si, mas agora só quero focar em subir a escada mais uma vez, tendo a chance de lutar pelo cinturão, e usá-lo novamente. Tenho apenas 33 anos, ainda sou jovem e tenho meus melhores anos à frente, então não sinto que há uma necessidade de começar a buscar meu legado e o que fiz porque uma vez que você faz isso, é como você se estivesse acabado como lutador, e não estou pronto para isso ainda. Não quero começar a ler a meu respeito nos recortes de jornal até que tudo esteja devidamente em seu lugar, e eu possa sentar com meus filhos ou meus netos e dizer, 'Veja tudo o que eu fiz.' Mas agora não é o momento para isso."  
      
Muito justo, mas, antes de seguir em frente, vendo o currículo no UFC do ex-wrestler da Universidade do Estado de Michigan, você afirma que isso está em ordem. E é mais do que impressionante. Vencedor da temporada dois do The Ultimate Fighter (como peso pesado), um título meio-pesado, derrotar membros do Hall da Fama (Tito Ortiz e Chuck Liddell), e vitórias sobre ex-campeões (Rampage Jackson e Forrest Griffin), e despachar competidores de elite (Michael Bisping, Stephan Bonnar) e promissores atletas (Phil Davis).  
      
Mas depois de uma derrota por decisão unânime para o atual campeão Jon Jones em abril passado, a busca de Evans para recuperar seu título precisava de uma pausa. Então ele teve uma.
  
"Ter um intervalo me deu tempo para lidar com algumas questões pessoais, bem como deixar meu corpo se curar", disse Evans, profissional ha nove anos. "Lutei com Phil Davis e Jon Jones seguidamente (ambas de cinco rounds), e a luta contra Jones exigiu muito de mim mentalmente e fisicamente, então precisava de uma pausa para meio que me recalibrar."  
      
Observando Evans contra Jones na aguardada disputa de título cercada de rivalidade, estava claro que ele não era o Rashad Evans de costume. Talvez fosse o estilo pouco ortodoxo de Jones, ou Evans tivesse sido apenas incapaz de puxar o gatilho contra o seu ex-parceiro de treinos, mas o resultado foi que a velocidade, poder, wrestling e striking do nativo das Cataratas do Niagara simplesmente não estavam presentes naquela noite em Atlanta.  
      
"Apenas não lutei da maneira que poderia", disse Evans. "Meu treinamento não foi o que deveria ser, nos dois primeiros me senti muito bem, mas depois comecei a ficar um pouco cansado. Não tive Tyrone Spong no meu camp, porque ele teve problemas de visto, o que me deixou um pouco perdido, mas às vezes você tem apenas uma noite daquelas. Jon Jones é um grande competidor e fica ainda mais complicado se você não está tendo uma noite boa."  
      
Dez meses depois, Evans está de volta, contra Rogério "Minotouro" Nogueira na co-luta principal do UFC 156, em Las Vegas neste sábado. Não é a luta que vai lhe dar uma revanche com Jones se ganhar, mas é uma luta que vai impulsioná-lo para a parte da frente e manter seu sonho vivo. Porém, ele não está buscando as coisas dessa maneira. Em sua mente, para subir a montanha mais uma vez, ele tem que se aproximar da coisa de forma diferente.  

"Isto faz a escalada da montanha ficar difícil", disse ele. "Você tem de se reinventar e voltar diferente da última vez, e isso leva um pouco de tempo. É uma espécie de frustração também. Você sobe a montanha e acha que conseguiu, e depois quando você chega lá, você não está onde precisava estar ou queria. Então, da próxima vez, acho que não vou me preocupar tanto em obter uma luta pelo título, irei apenas lutar. Acho que muito do meu foco estava tentando se preocupar com, 'Tudo bem, esta é a luta que me dará uma disputa pelo título', em vez de apenas lutar."  
  
É uma boa abordagem e se será conveniente no fim de semana, porque, no mínimo, Minotouro irá para cima com tudo.  
    
"Uma coisa que você reconhece e que você sabe, o cara esta sempre disposto para a guerra", disse Evans de seu adversário. "Ele cai para dentro, e você tem que respeitar isso. E isso é uma coisa que sempre gosto de ver, esses caras que na hora de lutar, eles chegam e estão prontos para a batalha."  



Watch Past Fights

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014