Jon Jones - Mais um capítulo começa

"Antes, eu estava treinando para ser um campeão, e agora que sou um campeão, acho que levei a minha ética de trabalho para um nível diferente". - Jon Jones
Quantas vezes você já ouvi essa história abaixo no mundo dos esportes?

1) Um atleta talentoso sai do nada com uma nova abordagem, talento, capacidade atlética, e carisma. 2) Em seguida, ele atinge o topo de sua profissão em uma velocidade vertiginosa e é celebrado por ser o novo fenômeno no esporte. 3) Em seguida, a reação começa. De repente, ele é bom demais. 4) Uma vez que isso acontece, os sorrisos maliciosos aparecem e começa uma queda e então uma volta ao topo. 5) Se ele conseguir dar a volta por cima, tudo está bem com o mundo novamente, e ele é celebrado pelo seu retorno corajoso.

A reposta da pergunta será um, "pelo menos uma dúzia de vezes". Mas se você acha que isso não acontece no MMA, reflita. Você está assistindo um pouco disso com o campeão meio-pesado do UFC, Jon Jones, um jovem de 24 anos que já passou por alguns capítulos, e está indo experimentar mais um na luta principal do UFC 135 com Quinton "Rampage" Jackson neste sábado, em Denver.

No entanto, se você perguntar a Jones como a vida mudou desde março, quando se tornou o mais jovem campeão da história do UFC, tirando o cinturão de Mauricio "Shogun" Rua por TKO, ele vai dizer, não muito.

"No começo havia muito mais mídia, muito mais entrevistas e coisas de publicidade, e agora que isso acabou, o treinamento é o mesmo, a química da equipe é a mesma, e a única coisa que mudou é a minha ética de trabalho", disse Jones. "Antes, eu estava treinando para ser um campeão, e agora que sou um campeão, acho que levei a minha ética de trabalho para um nível diferente. Às vezes eu sinto como se estivesse treinando demais. Meus treinadores realmente tem que me incentivar dar uma descansada. Então a única coisa que posso ver que mudou é a quantidade de pessoas que sabem meu nome".
 
Em outras palavras, Jon Jones ainda é Jon Jones. Apesar do que você lê no Twitter ou ouve de alguns lutadores, o garoto do norte de New York não ficou fora de controle em uma missão para dominar o mundo. Mas quando a  ficha caiu sobre ser o campeão mundial e o novo rosto do UFC, ele teve que aprender novas lições.

"O que eu aprendi muito rápido é que preciso controlar minhas emoções, especialmente quando se trata das opiniões de outras pessoas. Eu sou positivo, é minha natureza, então não sou uma pessoa que twitta palavrões ou que tenta propositadamente colocar alguém para baixo ou prejudicá-los. Eu não sou uma pessoa de má. Eu realmente tento compartilhar o conhecimento sobre a auto-confiança, a religião, bem tratar seu vizinho, acreditar em si mesmo, trabalhar duro e amar a sua família. Do fundo do meu coração sei que não estou fazendo a coisa errada, então se estou apenas tentando ajudar, e as pessoas estão interpretando mal, aprendi a não me preocupar com o que não posso mais controlar. E eu acho que a longo prazo, as pessoas que receberam minha mensagem e alcançaram o que estou tentando compartilhar, que nada mais é que positividade, conseguiram apreciar o que estou tentando passar".

Felizmente, o noivo e pai de duas crianças é um homem de família com foco no futuro, assim Jones evitou muitas das armadilhas que sua posição arma. Por isso, enquanto a tendência seria abraçar seu novo status de celebridade por meses e meses, ele fez uma pausa breve (e bem merecida, considerando que treinou seguidamente para enfrenta Shogun e Ryan Bader), e voltou para a academia.

"Não foi difícil voltar ao trabalho", disse Jones. "Eu estava viajando tanto e comendo muita bobagem e estava cansado de estar em aviões às sextas à noite, então estava morrendo de vontade de voltar para a academia. Eu estava começando a receber várias mensagens de fãs dizendo, 'você não acha que todo esse trabalho de relações públicas e viagens vão te tirar dos seus treinos?' E eles estavam absolutamente certos. Então, eu estou compensando o tempo depois da minha luta contra o Shogun. Este tem sido o camp mais longo da minha carreira,  e definitivamente me sinto como se tivesse evoluído e elevado a minha técnica, o meu espírito e minha ética de trabalho".

Quanto ao velho ditado que é mais difícil defender o título do que ganhar, Jones discorda.

"Eu não acho que é mais difícil defender um título do que ganhá-lo", disse ele. "Eu acho que cada luta é uma luta. Uma luta não é necessariamente maior do que a última, ou mesmo a minha primeira, ou minha estréia no UFC. Elas são todas grandes e acho que é realmente importante se concentrar apenas em amar a jornada em vez de focalizar o destino. Ser campeão, eu realmente não sinto como se tivesse atravessado a linha de chegada. Não há linha de chegada, e estou realmente gostando dessa jornada. Rampage é apenas uma parte disso. Então, não acho que há uma diferença entre ganhar o cinturão e mantê-lo. Toda e qualquer luta é uma experiência completamente diferente da outra, e estou apenas curtindo a viagem e trabalhando como se fosse apenas mais uma luta".

Essa é uma boa perspectiva , mas a luta com "Rampage" Jackson não é apenas mais uma, especialmente porque as coisas foram ficando progressivamente aquecidas entre os dois desde o anuncio da luta principal do UFC 135. Jones fez o seu melhor para manter a calma enquanto disparava suas respostas contra o rei das provocações - mas não se engane, Jones não quer que esta parte da viagem seja finalizada com uma derrota para Jackson.

"Antes da luta contra o Forrest Griffin, Rampage disse, 'Forrest Griffin não pode arrebentar uma uva com as mãos'", lembrou Jones. "Ele disse a mesma coisa de mim, que eu não posso arrebentar uma uva com as minhas mãos e que não tenho força nos socos. Então eu acho que ele está deixando de perceber que é MMA, e não boxe, e o jogo não é baseado em torno de ter força na trocação, é baseado em ter sutileza e habilidade, ter disciplina, e ter paixão pelo jogo. Eu acho que estou superando o Rampage quando se trata de todas essas categorias. Ele adoraria ser o campeão novamente, mas não acho que ele realmente vive o estilo de vida para se tornar o campeão mundial de novo. Estou numa fase em minha carreira onde, se me acertarem no treino, vou para casa e fico um pouco deprimido com isso. Eu não gosto de tomar golpes, e agora estamos falando realmente de perder uma luta? Isso simplesmente não está onde mentalmente estou agora. Eu respeito muito o Rampage, ele tem poder de um nocaute incrível, acho que ele está realmente apostando tudo em um soco muito pesado para vencer essa luta. Mas eu vou me certificar em anulá-lo rápido para eliminar seu ponto forte. E eu não poderia me imaginar dando meu cinturão para alguém que não ama o que se precisa fazer para ser campeão".


Watch Past Fights

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014