Phil Davis - É uma vida "Maravilhosa"

"Pessoalmente, não me incomoda o quão bom é um cara ou as suas estatísticas ou o quão intimidador um cara parece, porque eu não levarei isso em conta. Na minha cabeça, não é assim".  - Phil Davis
Quando se trata de um espetacular ano de estréia no UFC, você deve começar com Phil Davis, 12 meses no octógono. Quatro lutas, quatro vitórias, duas finalizações e duas decisões, tudo em 2010. Isso levou o campeão de wrestling da NCAA Division I de 2008 do estado de Penn da obscuridade do MMA para o ar rarefeito, onde começou a ser mencionado como um dos maiores nomes da categoria até 93 quilos.  
 
É ainda mais impressionante, o tipo de carisma e personalidade que ele mostrou e que leva alguém de "bom lutador" a "estrela". Mas quando você pergunta sobre a campanha que o colocou no mapa, ele diz que 2009 foi o ano em que a história do 'Mr. Wonderful' realmente começou.  
 
"Não foi exatamente em 2010 ", explica ele. "Foi 2009, quando eu estava sem dinheiro, trabalhando em um emprego, não fazendo nada, mas treinando duas vezes por dia e trabalhando como segurança em um clube de noite. Você se dedica a alguma coisa e estas são as coisas que acontecem. 2010 foi como a festa eu acho".   
 
E que festa. Davis começou sua carreira no UFC em fevereiro de 2010 com uma vitória por decisão sobre Brian Stann. Dois meses depois finalizou Alex Gustafsson, pelo UFC 117 em agosto passado, ele chegou a 3-0 na organização com uma vitória por decisão sobre Rodney Wallace. O quarto triunfo pode ter sido o mais impressionante, quando mostrou seu cada vez melhor  jogo versátil com uma finalização sobre o ultra-resistente Tim Boetsch.  
 
Para seu crédito, não houve tapinhas em suas costas, só mais trabalho. É a marca de um wrestler de destaque, mas Davis nunca se considerou digno desse título até ir para a Penn State. Porém ele sem esteve positivo.  
 
"Eu acho que eu sempre tive uma visão otimista sobre as coisas", disse ele. "Mesmo quando eu era realmente ruim no wrestling, eu sempre tive essa atitude de correr atrás, então eu vou ser bom. Se você tiver uma atitude positiva e as coisas começarem a acontecer, isso faz você querer treinar mais, você fará mais coisas certas, e então você vai ganhar mais lutas".   
 
Então, ele nem sempre foi "Wonderful"?  
 
"Foi uma daquelas coisas onde eu não sabia se era tão bom quanto parecia, e quando eu percebi isso, eu estava um pouco acima da média no wrestling, então talvez eu pudesse fazer isso na faculdade", disse ele. "Wrestling é um daquelas coisas onde os melhores caras estão, você os vê e eles têm super poderes. (Risos) Eles, literalmente, têm super poderes e eu não sabia se algum dia seria capaz de competir com um cara com super poderes. E uma vez que você compete com esses caras, você é fica tipo 'uau', é como Harry Potter quando fez seu truque de mágica pela primeira vez ".   
 
Será que isso significa que Davis possui super poderes agora?  
 
"Ah sim", ele responde. "Não tem segredo sobre isso".   
 
Então, qual é a sua kriptonita?  
 
"Essa é a situação. Eu não revelo. Ele (Superman) revelou seu segredo e disse a todos de onde ele é".   
 
Davis está mantendo a sua criptonita para si mesmo, mas o seu adversário da noite deste sábado na luta principal do UFC Fight Night 24, o veterano Rogério 'Minotouro' Nogueira, espera ter alguns antítodos nos seus bolso quando a campainha tocar, em Seattle. É sem dúvida a luta mais importante da carreira de Davis, mas quando entrou para enfrentar Minotouro depois de Tito Ortiz se machucar e se retirar da luta, ele admite que foi um pouco de ajuste mental devido ao fato de já terem treinado juntos.  
 
"Foi um pouco chato, porque era um cara que eu tinha treinado antes", disse ele. "Eu não treinei muito com ele, eu treinei, então fiquei meio confuso, mas ao mesmo tempo, é negócio, e não é como ele fosse meu principal parceiro de treinos".  
 
E uma vitória sobre a ex-estrela do Pride, poderia enviar Davis, de 26 anos de idade, em ritmo acelerado para o topo da classe de meio-pesado.  
 
"Eu podia ver como a palavra 'acelerado' poderia ser usada, mas tudo que eu sei é que estas são as pessoas que são colocadas diante de mim, e eu estou apenas fazendo meu trabalho", disse Davis, que não se preocupa em colocar seu cartel de 8-0 contra o os 19-4 de Rogério.  
 
"Pessoalmente, não me incomoda o quão bom é um cara ou as suas estatísticas ou o quão intimidador um cara parece, porque eu não levarei isso em conta. Na minha cabeça, não é assim. Para mim, as coisas sempre são relacionadas as habilidades e não a força".   
 
Davis tem ambos, e se você olhar para os lutadores que Minotouro enfrentou recentemente - Jason Brilz e Ryan Bader - ficou evidente que o brasileiro tinha dificuldade em lidar com o wrestling ao longo dos três rounds, ele perdeu uma (Bader) e venceu a outra por decisão controversa (Brilz).  
 
"Estudei suas lutas, e acho que ele definitivamente tem algumas áreas que se ele não mudar, eu definitivamente poderei capitalizar, e eu estou esperando que essa (lidar com o wrestling) seja uma daquelas áreas que ele não melhorou".  

Watch Past Fights

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014