Existe apenas um Tito Ortiz

Nunca houve hesitação no ritual. Não importava com quem ele estava lutando, não importava o que estava acontecendo em sua vida, Tito Ortiz corria nos bastidores do MGM Grand - aquecendo-se para a batalha que estava por vir. Mas isso não era feito apenas para dar uma esticada em braços e pernas, era um reforço das razões as quais ele estava lá em primeiro lugar, e enquanto corria, ouvia a multidão na arena e também ouvia as pessoas que passavam por ele.           
"Todo mundo estaria torcendo por mim", disse Ortiz.      
      
"Vai lá Tito".      
      
"Você vai matar esse cara".      
      
"Acabe com ele, acabe com ele".      
      
No dia 2 de julho, enquanto esperava a chamada para enfrentar Ryan Bader mais tarde naquela noite, ele começou a sua corrida, como de costume. Mas, desta vez, havia algo diferente.      
      
"Ninguém dizia uma palavra", nos contou Ortiz.      
      
Não havia segredos sobre o que estava em jogo para o ex-campeão meio-pesado. Sem vencer desde 2006, Ortiz sabia que se perdesse para Bader, sua carreira no UFC estaria acabada. Seria um fim severo para um dos astros do esporte, mas é o que geralmente acontece com atletas profissionais no final.      
      
No entanto, Ortiz, finalmente saudável, não estava prestes a ir embora calmamente. "The Huntington Beach Bad Boy" simplesmente decidiu que história não acabaria ali. Ele estava em Las Vegas para ganhar.      
      
"Eu pensei comigo mesmo": 'Agora é hora de provar para todos, e provar para todas as pessoas que me apoiaram que eu estou aqui. É hora do Tito brilhar'".     
      
E brilhou. Em uma das vitórias mais emocionantes da história do esporte, Ortiz, 36, teve um grande desempenho contra o perigoso Bader. Confiante desde o princípio, Ortiz derrubou Bader no primeiro assalto e depois atacou, encaixando uma guilhotina que forçou o vencedor do The Ultimate Fighter a desistir na marca de 1:56. A multidão no MGM Grand entrou em erupção, e a emoção foi evidente em Ortiz também.      
      
Esse não foi o caso algumas semanas antes, quando uma conversa com Ortiz deixava uma impressão diferente, uma em que ele parecia estar sentindo a pressão da luta no UFC 132, era a vitória ou ir para casa.      
      
"Quando nos falamos, era um Tito diferente", disse ele. "Eu estava tendo alguns problemas em casa, várias pessoas estavam sendo muito negativas para mim, e eu não poderia lidar com mais negatividade."    
      
Então, depois de um exame de consciência, bom treinamento, e uma mudança de atitude, ele decidiu mudar as coisas, tanto pessoalmente como profissionalmente.      
      
"A vida é muito curta para ter negatividade e ódio, e isso realmente veio para me reinventar ", disse Ortiz. "Os parceiros de treinos que eu tinha e os treinadores, Mike Giovanni e Jason Parillo, são muito positivos, e eles meio que reestruturaram a minha mentalidade. Eu me desliguei da vida doméstica, eu era muito teimoso e egoísta comigo e com minha carreira de lutador. Estou muito atencioso, tenho me doado muito, e quero ter certeza que todos ao meu redor estão se divertindo. Então mudei como o verdadeiro campeão e lutador que sou.      
      
"Eu deixei de ser negativo, e parei dizer às pessoas quem eu era e o que eu faço e esta é a maneira que deve ser", continua ele. "Eu ignorei as coisas negativas e reforcei as positivas ao meu redor. Isso mudou a minha visão da vida e minha visão de ser um lutador. Eu realmente vejo isso como se eu não fosse mais o 'bad boy'. Eu sou campeão do povo".      
      
Depois da sua vitória salvadora sobre Bader, ninguém duvidava disso e essa era hora de Ortiz curtir seu triunfo. Mas, então, Phil Davis entrou em cena, e quando ele se contundiu e foi forçado a sair da luta principal do UFC 133 contra Rashad Evans, Ortiz recebeu um telefonema do presidente do UFC Dana White, perguntando se estava interessado em fazer a revanche com Evans, com quem ele lutou e empatou em 2007. De primeira, Ortiz recusou a oferta, mas depois que Lyoto Machida recusou a luta, Ortiz foi chamado de volta por White e aceitou. Como ele explica isso para a família?      
      
"Lutar é minha vida, então eu expliquei a eles que nós temos mais três semanas e vamos tirar as nossas férias", ele riu.      
      
É um movimento corajoso, mas Ortiz está se sentindo tão bem após sua vitória, e ainda por cima ileso, e muito ansioso para o dia 6 de agosto na Filadélfia.      
      
"Eu disse a mim mesmo você está saudável, você está bem, você está em forma, e é uma oportunidade para você brilhar", disse Ortiz. "Eu estou vivendo uma história de Cinderela agora, e vejo isso com 36 anos de idade. Chuck Liddell estava em seu auge, Randy Couture e Tito Ortiz também, eu não estava no meu auge com 25, 26. Não. Eu estou no meu auge aos 36 anos de idade. Quando eu tinha 26, eu era um garoto jovem que ainda estava aprendendo e amadurecendo. Agora, eu acho que amadureci muito. Falei com minha mãe recentemente e ela viu coletiva de imprensa após luta e disse 'você cresceu tanto. Você é um homem agora'. Ela ficou surpresa, e eu entendo isso".      
      
E independentemente do que aconteça na noite de sábado, Ortiz voltar a vencer e estar bem depois de três cirurgias dolorosas é a história de 2011. Pergunte para ele se alguma vez pensou que estaria de volta após todos esses obstáculos, e ele é categórico em sua resposta.      
      
"Dois meses depois (da segunda cirurgia) eu sai da cama chorando", disse ele. "Eu estava com uma dor tão forte, eu estava tipo 'o que fiz comigo?'"        
    
Porém, após o terceiro mês, Ortiz começou a acreditar.      
      
"Eu posso fazer isso", disse ele. "E nunca duvidei de mim mesmo, eu tive as lesões que me prejudicaram, e na minha mente, eu ainda sou um cara top cinco do mundo. Eu nunca pensei diferente, mesmo nas derrotas".      
      
Todo mundo adora uma boa história. E este é um grande homem. Mas o que mais você poderia esperar do primeiro e único Tito Ortiz?      
      
"No boxe, eles tinham Muhammad Ali, no Pro Wrestling, tinham Hulk Hogan e no MMA, eles têm Tito Ortiz", disse ele.    


Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014