UFC 158: St-Pierre derrota Nick Diaz sem sustos no Canadá

Johny Hendricks vence Carlos Condit e pede por GSP enquanto o derrotado Diaz acena possível aposentadoria 
A noite em Montreal, neste sábado, foi feliz para o público que lotou o ginásio Bell Centre para conferir de perto o UFC 158. Na principal luta da noite, o ídolo canadense Georges St-Pierre não deu chances ao desafiante Nick Diaz, dos Estados Unidos, e manteve o cinturão meio-médio da organização por decisão unânime. Foi a 11ª vitória seguida de GSP, que segue como um dos melhores do mundo em todos os pesos. No entanto, o lutador já tem um adversário na cola, Johny Hendricks, que bateu Carlos Condit e pediu a chance pelo cinturão. Assim como Georges, Hendricks tem o wrestling afiadíssimo e protagoniza combates com estratégias bem definidas.

O clima que antecedeu a luta principal, com constantes provocações por parte de Diaz, deixou os ânimos quentes. A grande dúvida era se o jogo de palavras de Nick desestabilizaria a frieza habitual de St-Pierre, que praticamente não abre brechas em suas lutas. E dentro do Octógono, prevaleceu a superioridade sobre os demais que GSP vem mostrando, novamente sem erros, sem falhas.

Com uma linha bem definida, GSP se esquivava do perigoso boxe de Diaz e investia nas quedas. Ao chão, tratava de atacar no ground and pound, abusando das cotoveladas. Nick se defendia e, além de arriscar ataques no braço com a chave Kimura, buscava se levantar. No terceiro assalto, o americano conectou bons socos, que causaram sangramento no campeão. Mas a qualquer sinal de perigo, St-Pierre tratava de quedar e, novamente, manter o controle. Ao fim dos cinco rounds, a tática garantiu a vitória por decisão unânime ao canadense, aliás, a sexta vitória por decisão seguida de GSP.

"Não queria ficar no boxe contra ele, porque ele tem um dos melhores do UFC. É MMA e treinei muitas coisas diferentes para esta luta. Diaz é um cara muito duro de se vencer", comentou ST-Pierre, que, após o confronto, fez questão de encerrar os problemas com o oponente. "Diaz promoveu muito bem a luta, ele é um cara legal e não levo nada para o lado pessoal. Ele é lutador há mais tempo que eu e está no UFC antes de mim. É um dos caras que gosto de ver lutar", completou.

Já Diaz, que deu fortes indícios de que agora deve se aposentar, preferiu não dar desculpas para o revés.

"Agradeço a GSP pela luta e não tenho desculpas a dar. Pretendia cansar ele, tentar nocauteá-lo com meu boxe. Mas ele bloqueou tudo que tentei."

Como antecipara Dana White, a co-luta principal poderia definir o futuro desafiante de St-Pierre pelo cinturão. De olho nisso, Johny Hendricks partiu com tudo para cima do ex-campeão interino Carlos Condit. Com características parecidas às de GSP, Hendricks partia para cima com a sua perigosa mão esquerda, responsável por muitos nocautes, e encurtava a distância para derrubar. Embora não tenha sido muito efetivo ao chão, usou as quedas para pontuar a cada round. Condit mostrava muita raça e era perigoso nas joelhadas. No terceiro round, levantou a torcida depois de acertar um forte soco de direita e partir para o tudo ou nada. Mas não foi o suficiente e Hendricks foi melhor por unanimidade.

"Foi uma grande luta. Disse a vocês que viria para dar show. GSP, se você vencer hoje, quero encontrá-lo aqui, daqui a cinco meses. Me dê esta chance, faremos uma grande luta", pediu Hendricks, numa série de seis triunfos no UFC.

Outra luta muito aguardada no card principal trouxe Jake Ellenberger contra o ex-campeão do Strikeforce e veterano no UFC Nate Marquardt. Nos primeiros minutos, Ellenberger desferiu duros socos em Nate, que caiu de quatro apoios, desacordado por alguns instantes. Coube ao árbitro Philippe Chartier intervir. Também no card principal, Chris Camozzi usou a trocação e bateu Nick Ring em decisão dividida. Já o participante do TUF 16 Mike Ricci freou o notório Colin Fletcher “Feakshow”, do TUF Smashes, por unanimidade.

O card preliminar também foi cheio de emoções, com destaque para a vitória do canadense Patrick Cote sobre Bobby Voelker, na sua estreia entre os meio-médios, e nocautes no primeiro round de Darren Elkins contra Antonio Carvalho; Jordan Mein contra Dan Miller; Rick Story contra Quinn Mulhern; e TJ Dillashaw em Issei Tamura.

Confira todos os resultados:
 Georges St-Pierre venceu Nick Diaz por decisão unânime
Johny Hendricks venceu Carlos Condit por decisão unânime
Jake Ellenberger venceu Nate Marquardt por KO aos 3min do R1
Chris Camozzi venceu Nick Ring por decisão dividida
Mike Ricci venceu Colin Fletcher por decisão unânime

CARD PRELIMINAR
Patrick Cote venceu Bobby Voelker por decisão unânime
Darren Elkins venceu Antonio Carvalho por TKO aos 3mi6s do R1
Jordan Mein venceu Dan Miller por TKO aos 4min42s do R1
John Makdessi venceu Daron Cruickshank por decisão unânime
Rick Story venceu Quinn Mulhern por TKO aos 3min5s do R1
TJ Dillashaw venceu Issei Tamura por KO aos 26s do R1
George Roop venceu Reuben Duran por decisão unânime

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014