Demian Maia – Faminto para voltar a finalizar

Eu sou muito melhor grappler do que striker, por isso demora um pouco mais para a trocação, mas ela está melhorando". - Demian Maia
Demian Maia não está mais assustado. Na verdade, o mago das finalizações abordou suas primeiras lutas no UFC com um único propósito: levar para o chão e finalizar antes do adversário ou o árbitro voltar a luta em pé. Nada mais, nada menos.
     
"Nas primeiras lutas, eu estava tão nervoso quando levava para baixo, que fazia de tudo e gastava toda a minha energia para finalizar, porque eu tinha medo de re-começar a luta em pé", disse ele.  
    
Logo no início, funcionou como um encanto. Cinco lutas, sendo cinco vitórias, cinco finalizações sobre Ryan Jensen, Ed Herman, Jason MacDonald, Nate Quarry e Chael Sonnen. Como diz o ditado, não se mexe em time que está ganhando.    
  
Mas então veio Nate Marquardt, nocauteando Demian em meros 21 segundos no UFC 102 em agosto de 2009. Foi a primeira derrota do paulista, e mesmo treinando outros aspectos do MMA, agora ele sabia que precisava intensificar ainda mais.
     
"Meu plano desde que comecei no UFC foi ser campeão um dia, e sei que para ser um campeão, você precisa desenvolver tudo o que pode", disse ele. "Mas quando eu comecei no UFC, eu estava muito cru na trocação e meu jogo era basicamente o Jiu-jitsu. Eu quase não tinha boxe - tinha três meses de treinamento. Mas eu sabia que era algo que precisava treinar mais, porque sabia que um dia eu iria precisar. Então eu comecei na época e continuei aumentando o ritmo".
     
Em sua próxima luta, seis meses depois, contra o duro atleta de New Jersey,  Dan Miller, Demian mostrou os primeiros estágios de sua evolução com uma vitória por decisão unânime. O destino iria agir mais tarde, quando a lesão de Vitor Belfort abriu a porta para a Demian entrar e desafiar o compatriota Anderson Silva pelo título dos médios no UFC 112, em abril de 2010.
     
Se ele não tivesse aprendido as lições na trocação, teria sido uma noite curta, mas em vez disso, Demian lutou por 25 minutos com o rei pound-for-pound antes de perder uma decisão unânime. Passou longe de ser uma luta memorável por causa da polêmica exibições de Anderson, mas se você olhar bem, principalmente nos dois últimos rounds, Demian deixou a estratégia de lado e tentou de tudo em pé na tentativa de reverter a luta.    
  
"Eu acho que foi a luta mais importante da minha vida", disse Demian. "No início, tínhamos uma estratégia para a luta, eu e meus treinadores. Esperar que ele vir, e depois tentar um double leg ou um single, ou clinchar tentando a queda. Mas o problema foi durante os três primeiros rounds, especialmente no segundo, ele estava me controlando muito bem com jabs e chutes, sem dar sequências. Então foi muito difícil para mim, porque ele sabe como usar a envergadura e a distância. Mas em um ponto minha estratégia não estava funcionando e não estava conseguindo clinchar, então eu disse 'ok, se eu vou perder, vamos tentar o meu melhor'".  
    
Em termos de carreira, foi uma virada de jogo.  
    
"Nessa luta, eu aprendi que às vezes você tem uma estratégia, mas quando você sente que não está funcionando, você tem que mudar, e você não pode ficar nela. E depois disso fiquei bastante confiante que estava lutando contra o melhor lutador do mundo, mas eu sabia que se pudesse ter mudado a minha estratégia um pouco, poderia ter sido muito melhor".
      
Apesar da agressividade nos dois últimos rounds, as conotações negativas ligadas à luta não lhe renderam os créditos que merecia. Mas, em sua mente, fazer cinco rouds com Anderson não foi um grande problema.    
 
"Se eu fosse um corredor, seria um corredor de longa distância, não um corredor de 100 metros", disse ele. "Então, para mim, não havia nenhum problema nos cinco rounds. Eu acho que cresço durante uma luta, e foi uma boa experiência, especialmente com o melhor lutador do mundo".      
Assim, começou o caminho de volta, e, desde então, ele ganhou duas seguidas, batendo Mario Miranda e Kendall Grove. Sábado à noite em Vancouver, ele busca a terceira vitória diante do adversário mais difícil desde que enfrentou Anderson, Mark Munoz.
     
"Ele é um wrestler duro e um atleta experiente", disse Demian sobre o 'Phillipino Wrecking Machine'. "Ele não tem muitas lutas de MMA, mas tem várias de wrestling, então eu acho que ele é um concorrente muito experiente. Ele também tem mãos muito pesadas".  
    
É um clássico jogo de estilos e uma das lutas mais aguardadas no card do UFC 131. Será que Demian sente o peso das expectativas sobre seus ombros?  
    
"No UFC, existe sempre uma grande pressão, não importa com quem você lute", disse ele. "Quando você luta no maior evento do mundo, com a maior torcida, é sempre uma grande pressão, mas sei como lidar com isso. Não é um problema. Para mim, é só estar preparado e pronto para a luta. Eu sei como lidar com o restante".      

E agora ele pode dizer que além de poder lidar com atletas oriundos do Jiu-jitsu e do wrestling, pode encarar strikers também. É a evolução do faixa preta de Jiu-jitsu, que admite estar gostando dessa viagem - partindo de lutador de chão para um completo atleta de MMA.
      
"Eu adoro treinar, não acho que exista nenhuma parte complicada", disse ele. "É apenas uma questão de tempo. Eu sou muito melhor grappler do que striker, por isso demora um pouco mais para a trocação, mas ela está melhorando. Eu amo este esporte. Eu amo boxe, eu amo wrestling, eu amo grappling, então para mim não existem coisas difíceis".
     
E ele diz, com um sorriso, que está muito ansioso para voltar a vencer por finalização, coisa que não acontece desde sua luta com Sonnen em fevereiro de 2009. Mais de dois longos anos, e ele está se sentindo bem para voltar a finalizar.
     
"Isso (ganhar por finalização) é o que eu quero fazer e isso é algo que estou buscando", disse ele. "Nesse tempo eu estive desenvolvendo o meu jogo em pé e acho que aconteceu algo na minha mente. Agora estou muito mais relaxado quando vou para o chão, porque se a luta voltar em pé, serei capaz de lutar em pé. Mas sei cque onseguirei o equilíbrio novamente e voltarei a finalizar os meus adversários".    


Watch Past Fights

Sábado, Outubro 25
23h
BRT
Rio de Janeiro, Brazil

Midia

Recente
A Contagem Regressiva mostra as preparações e as vidas de José Aldo, Chad Mendes, Glover Teixeira, Phil Davis, Diego Ferreira e Beneil Dariush antes de suas lutas no UFC 179, em 25 de outubro.
18/10/2014
Norte-americano diz que melhorou muito desde a última vez que eles se encontraram, em 2012. “Se você acha que será como da primeira vez, terá um choque brutal”. *Garanta seu ingressos em - on.ufc.com/ufcingressoscrio
20/10/2014
Norte-americano acredita que seu companheiro de treino vencerá José Aldo com um ground and pound nos últimos rounds. *Garanta seu ingressos em - on.ufc.com/ufcingressoscrio
Lembra dessa? Em junho de 2009, no WEC 41, José Aldo acertou uma joelhada voadora dupla no americano Cub Swanson e nocauteou o adversário em apenas oito segundos. UFC 179: ingressos à venda em - on.ufc.com/ufcingressoscrio
20/10/2014