Com bom humor, Nelson comenta opção de finalizar Jouban: "Ele é modelo"

Islandês venceu na luta co-principal do UFC Londres, no último sábado

Exercendo seu favoritismo, o islandês Gunnar Nelson passou por Alan Jouban na luta co-principal do UFC Londres, no último sábado, conquistando sua segunda vitória consecutiva no octógono e se firmando no Top 10 da divisão dos meio-médios.

O desfecho do combate, no entanto, foi o que chamou a atenção. Após atordoar Jouban com dois duros golpes, Nelson optou por buscar uma finalização, mesmo quando parecia que mais um ou dois golpes já seriam suficientes para a interrupção do árbitro.

Mais UFC Londres: Pickett lamenta derrota em despedida | Pontos de discussão | "Está na hora do cinturão", diz Manuwa | Manuwa vence Anderson no 1º round | Confira os resultados | Bodão agradece apoio | Qual foi a melhor luta do UFC Londres?

Em entrevista coletiva após o evento, o islandês falou com bom humor sobre a preferência pela luta agarrada ao invés de continuar desferindo socos no rosto do adversário.

“Era a abertura mais óbvia para mim. Eu achei que a forma que se desenrolou foi a mais clínica, na verdade, em vez de correr pra cima dele e jogar um monte de golpes para conseguir o nocaute. Ele já estava acabado. Não havia necessidade de dar mais socos na cara. Ele também é um cara bonito. Ele é modelo. Não precisava bater”, disse Nelson, citando a segunda ocupação do adversário, que, além de lutar, trabalha também como modelo fotográfico.

Watch Past Fights

Midia

Recente
UFC Fight Night event at the Ericsson Globe Arena on May 28, 2017 in Stockholm, Sweden. (Photos by Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
28/05/2017
Acompanhe a cerimônia de pesagem do UFC Estocolmo neste sábado (27), a partir das 10h (horário de Brasília).
27/05/2017
Confira as principais encaradas do Media Day do UFC Estocolmo, que reuniu as principais estrelas do evento que acontece nesse domingo (28).
26/05/2017
Próximo de enfrentar Max Holloway na luta principal do UFC 212, o campeão José Aldo relembra fantasmas do passado, fala sobre o duelo pela unificação dos cinturões dos penas e, claro, o retorno ao Rio de Janeiro no dia 3 de junho.
24/05/2017