Gunnar Nelson não luta por pontos; ele quer liquidar suas lutas

“Vou entrar lá para acabar com a luta, como sempre”, disse, “Seja como for - não vou lá para vencer por pontos; vou para acabar com a luta”.

Gunnar Nelson é comedido e metódico em tudo o que faz. Da maneira como fala às suas performances no Octógono, o meio-médio islandês nunca tem pressa, e prefere escolher suas palavras e movimentos com cuidado, focando em se expressar de uma maneira que julga verdadeira e natural.

Desde sua estreia no UFC, há pouco mais de seis anos, existe um desejo entre os fãs de ver Nelson, agora com 30 anos, escalando rumo ao topo da divisão até 77 quilos. Entretanto, embora ele tenha conquistado um lugar no Top 15, e vencido sete de suas primeiras 10 lutas na organização, sua ascensão não tem sido tão direta ou rápida como muitos previam.

Mais UFC 231O expresso "Blessed" está de voltaMelhores momentos da coletiva de imprensa | Marreta incansável | Olho Neles | Os brasileiros em Toronto | Card completo

Um dos fatores que contribuíram para isso foi a quantidade de talentos presentes no ranking dos meio-médios, já que as três derrotas de Nelson foram contra adversários experientes e perigosos.

Outro fator é o faixa-preta de jiu-jítsu e karatê estar constantemente sendo atrapalhado por lesões e mudanças de oponente, com quatro lutas sendo canceladas ou remarcadas durante sua trajetória no UFC.

E apesar de alcançar o topo da divisão ser o objetivo final, Nelson não olha para o título da mesma maneira que muitos de seus contemporâneos. Ao invés disso, ele está sempre focando no objetivo que está em mãos e tentando desvendar o quebra-cabeças à sua frente, enquanto deixa todo o resto se desenrolar.

Mas enquanto se prepara para competir pela primeira vez em 17 meses neste final de semana no UFC 231, Nelson está pronto para iniciar uma campanha rumo ao título, começando com o duelo contra Alex Cowboy em Toronto.

“Esse é o objetivo - embalar”, disse o atleta, “Estou focando nesta luta agora, mas a longo prazo, e acho que a curto prazo também, é continuar a caminhada e conseguir uma boa sequência e pegar aquele cinturão”.

Nelson vinha de duas vitórias consecutivas, ambas premiadas com bônus de Performance da Noite, até seu último embate - uma luta principal contra Santiago Ponzinibbio em julho de 2017 na Escócia - e parecia pronto para se juntar à elite da divisão, mas acabou sendo nocauteado pelo argentino e tendo seus planos desacelerados.

Quando dava os toques finais para voltar à ação contra Neil Magny em Liverpool, na Inglaterra, em maio, Nelson sofreu uma lesão no joelho e foi obrigado a passar por uma cirurgia.

“É uma pena, mas faz parte do jogo”, disse, “A recuperação foi muito bem. Meu joelho está perfeito, não sinto nada em relação ao joelho há algum tempo”.

Ele também não se sente tão forte e fisicamente preparado como agora há muito tempo, graças ao programa de condicionamento físico montado por seu compatriota Unnar Helgason.

“Estávamos apenas fazendo nossas coisas, fazendo a preparação física por nossa conta”, disse, “Mas isso torna tudo mais fácil e divertido e leva a um outro nível quando se fala de treinos e resultados”.

“Muito mudou porque estamos fazendo essas sessões três vezes por semana com ele há três, talvez quatro meses”, continuou, “Isso foi bom para mim, porque nunca havia feito nada parecido, então estou muito empolgado porque me sinto em uma forma fantástica”.

Apesar de a divisão ter passado por uma série de mudanças desde a última vez que Nelson pisou no Octógono, ele se manteve no Top 15 com a 14º colocação, uma atrás do seu adversário deste final de semana.

Após transitar entre o peso-leve e o meio-médio no início de sua trajetória no UFC, uma falha em bater o peso para encarar Will Brooks fez com que Alex Oliveira mudasse permanentemente para os 77 quilos, onde rapidamente se estabeleceu como uma ameaça.

Vindo de duas vitórias seguidas, incluindo um nocaute em 39 segundos sobre Carlo Pedersoli em setembro, o brasileiro nunca esteve melhor, e é por isso que Gunnar está empolgado para dividir o Octógono com ele neste sábado.

“Acho que ele é um ótimo confronto e um bom oponente”, disse o islandês, “Eu sempre gostei de vê-lo lutar. Ele tem um estilo bacana, é agressivo e atlético e está bem ranqueado. Ele está em boa fase e estou empolgado por essa luta; é um bom desafio”.

E apesar de sua abordagem sobre buscar o título da divisão ter mudado ao longo das 73 semanas em que esteve parado, uma coisa se manteve constante: os fãs podem esperar Nelson em busca da vitória desde o início neste sábado.

“Podem esperar que eu esteja em forma e entre lá buscando acabar a luta, como sempre”, disse, “Seja como for - não vou lá para vencer por pontos; vou para acabar com a luta”.

Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube

Watch Past Fights

Sábado, Dezembro 29
Las Vegas, Nevada

Midia

Recente
A maneira como Ronda Rousey foi dominante no UFC cativou o público muito além do mundo do esporte, e abriu o caminho para todas as outras lutadoras.
10/12/2018
O campeão Max Holloway enfrenta o poderoso desafiante Brian Ortega no UFC 231, neste sábado (8). Relembra os principais momentos das estrelas da luta principal do UFC 231, no Canadá.
06/12/2018
A Joanna Jedrzejczyk conquistou o título peso-palha nocauteando Carla Esparza. Neste sábado (8), ela enfrenta Valentinha Shevchenko para tentar ser campeã peso-mosca.
05/12/2018
Relembre quando Max Holloway venceu José Aldo e tornou-se campeão do Ultimate. Ele enfrenta o invicto Brian Ortega no UFC 231, neste sábado (8).
05/12/2018