Junior Cigano - O homem paciente se mantém firme

Eu ando para a frente e procuro o nocaute em cada luta. Okay, isso não significa que eu vou derrubar todos os caras, como o que aconteceu na luta diante do Nelson, mas meu objetivo é mandar todos para a lona".- Cigano
Alguns dos gestos que fazemos com nossas mãos ou braços falam por si, sem necessidade explicações verbais. Você sabe o que um polegar para cima ou para baixo significa, e mãos altas, com punhos cerrados, normalmente querem dizer que você está pronto para cair dentro de um duelo mano-a-mano. Mas outros movimentos mostram muito mais do que podemos ver ou compreender.  
  
O nocautedor peso-pesado Junior 'Cigano' dos Santos, que enfrenta Shane Carwin na luta principal deste fim de semana no UFC 131 em Vancouver, executa com alguns sinais interessantes antes e após suas lutas.  
  
Observando Cigano desde a sua primeira aparição no UFC - contra Fabricio Werdum na edição 90, em outubro de 2008 - quando seu nome é anunciado por Bruce Buffer, ele caminha para o centro do octógono, olha para o seu inimigo e, em seguida, aponta para o chão. Vindo de um cara como ele, isso significa que 'você vai cair', já que a máquina de nocautes 'enviou' nove adversários para baixo. Mas se você prestar mais atenção a este competidor pesado, verá que depois de suas vitórias, ele cruza os braços na frente de seu peito em um movimento misterioso, até ele explicar que significa que sua missão está 'completamente completada'.  
  
"Isso vem da Bahia, de um menino chamado 'Buguinha', ele tem uns 15 anos, treina desde mais novo com o professor [Luiz] Dorea e luta boxe amador", disse Cigano. "Ele tem as mãos rápidas e letais, e toda vez que vence uma luta, cruza um braço na frente do peito, dizendo: 'Eu cortei ele'. Isso significa que ele espancou seu adversário, se tornou sua marca registrada. Comecei a usá-lo e ninguém entendia isso, então cruzar os dois braços significa que você cortou cada pedaço de seu oponente". (Risos)  
  
Se você não viu tal movimento, não se preocupe, talvez você tenha escolhido a luta errada. Cigano não fez isso por várias razões. Se não aconteceu após o embate com Werdum devid a felicidade de sua primeira vitória dentro do cage ou depois do TKO sobre o lendário Mirko Cro Cop, pelo término incomum do combate, em uma luta em particular ele não pôde fazer isso. E foi justamente depois de sua última contra o Roy 'Big Country' Nelson.  
  
Pela primeira vez, Cigano não conseguiu vencer por finalização ou nocaute, era como se a barriga de Nelson absorvesse todas os joelhedas e socos, enquanto o queixo do vencedor do TUF 10 se encarregasse do resto. Mas a vitória não foi um passo atrás para o brasileiro - que buscou o nocaute desde o primeiro minuto da luta, até o décimo quinto.  
  
"Eu confio muito no meu boxe. O Fabio Maldonado me disse uma vez, e foi bom ouvir de um pugilista profissional, que se eu mantiver um foco de olho-no-olho com o meu adversário, ele não pode não me tocar ", disse ele. "E eu acredito nisso. Eu ando para a frente e procuro o nocaute em cada luta. Okay, isso não significa que eu vou derrubar todos os caras, como o que aconteceu na luta diante do Nelson, mas meu objetivo é mandar todos para a lona".  
  
Se Cigano não pôde imitar os sinais de 'Buguinha' indicando missão completa após o UFC 117, a comemoração pela vitória - com uma luta pelo cinturão embutida - era uma certeza. Ser o desafiante foi o que ele buscou desde a sua primeira luta no UFC, há dois anos, e em agosto passado, Cigano sabia que sua próxima entrada no cage teria o desejado cinturão pesado em jogo contra o campeão Cain Velasquez.  
  
No entanto, em dezembro passado, foi anunciado que uma lesão manteria Velasquez afastado por cerca de seis meses, colocando o brasileiro em modo de espera por algum tempo. Foi o momento de processar as coisas e manter o foco após a notícia inesperada, já que não ia lutar pelo título tão cedo.  
  
"Eu sempre mantive o foco, foi que eu aprendi a fazer", disse ele. "O Dorea me ensinou que precisamos estar preparados para tudo, porque não sabemos o que pode acontecer. É claro que fiquei decepcionado; qualifiquei-me para ser um desafiante, cheguei ao lugar onde todos os pesados querem e eu vou esperar um pouco mais agora. Vou fazer outro tipo de luta e a motivação é diferente, mas ainda é grande, porque não competi nos últimos 10 meses. Minha preparação foi boa e agora estou perto de minha próxima luta, desta vez contra Shane Carwin. E eu acho que a minha motivação será o elemento-chave dentro do octógono".  
  
E quando uma porta se fecha, outra se abre - e enquanto Cigano não tinha um novo adversário, uma vaga como treinador no TUF 13 surgiu, e o contendor teria o ex-campeão Brock Lesnar como o técnico adversário. Esta oportunidade apazigou um pouco a decepção de não lutar pelo cinturão imediatamente, e ajudou também a melhorar a imagem de Cigano, dando aos fãs a chance de conhecer e saber mais sobre ele.  
  
"Foi uma excelente situação, porque [ser treinador] era um tipo diferente de desafio. Desde que eu comecei a lutar tive coisas assim me surpreendendo o tempo todo no mundo das lutas", disse Cigano. "Essa participação no TUF foi fantástica, o meu inglês não estava 100%, mas o UFC confiou no meu potencial e eu encarei, graças a Deus. Como todos os desafios, eu não me arrependo deles,cai dentro e acho que mandei bem!".  
  
Porém, mais uma mudança aconteceria, Lesnar foi acometido por outro ataque de diverticulite, ficando incapaz de lutar no dia 11 de junho. Então o ex-morador de Caçador, SC enfrentará o ex-campeão interino dos pesados, Shane Carwin. Cigano não se abalou com a mudança.  
  
"Eu não vejo isso como uma grande mudança, porque luta é luta e precisamos estar preparados para tudo", disse ele. "A modificação aqui é na adaptação para o Carwin e sua mão pesada, mas eu acho que é só isso. Estou preparado para ele. As pessoas vão testemunhar o quanto foi bom o meu treinamento nos último meses".  
  
A mudança pode ter sido sorte para alguns, e falta dela para outros. Carwin enfrentaria Jon-Olav Einemo no card principal do UFC 131, e Lesnar e Cigano fariam a luta principal. Mas o mundo da voltas, o ex-campeão saiu do card e Carwin tem 'apenas' tem Cigano entre ele e uma disputa pelo título. Conspiração do destino? Cigano não acredita nisso, dizendo que tudo acontece por uma razão.  
  
"Carwin é um excelente atleta, ele merece respeito e eu respeito ele. Tenho sorte na minha carreira também. Desde o início eu estava entre os tops. Eu acho que sou um cara com sorte grande e isso tudo me dá uma boa experiência, me preparando para lutar contra grandes nomes ", disse Cigano. "Então, eu estou ganhando experiência, meu corpo está se adaptando e estou mais inteligente e mais confortável para lutar no octógono. Eu acho que no momento que consgeuir minha luta pelo título novamente, se Deus permitir este ano ainda, vou estar muito preparado. E mais uma vez vou estar treinando duro para dar o meu melhor, trazendo o cinturão aqui para o Brasil".    

**Paula Sack contribuiu para esse artigo

Watch Past Fights

Midia

Recente
Melhores momentos da coletiva de imprensa pós-lutas do Fight Night Japão.
20/09/2014
Assista à coletiva de imprensa pós-lutas ao vivo na sequência do evento.
15/09/2014
UFC Fight Night Japão no Saitama Arena, no dia 20 de setembro, 2014 em Saitama. (Fotos de Mitch Viquez/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
20/09/2014
Pesagem do UFC Fight Night no dia 19 de setembro, 2014 em Saitama, Japão. (Fotos de Mitch Viquez/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
19/09/2014