Demian Maia dá o próximo passo como um meio-médio

"Vou dar meu melhor e realmente espero que seja uma luta que agrade os fãs, e o começo para uma nova caminhada, passo a passo.” - Demian Maia
UFC middleweight Demian Maia
Seria injusto chamar de pressão, mas depois de ter perdido três vezes, alguns comentaram que Demian Maia deveria baixar de categoria, e ele decidiu pensar um pouco mais a respeito. E após a derrota para Chris Weidman, aqueles pensamentos se tornaram realidade.

“É estranho, mas acho que altura e envergadura não fazem tanta diferença assim”, disse Demian que tem 1,82 de altura sobre a mudança de categoria. “Nunca me achei baixo demais para os médios, mas também não me acho alto para os meio-médios também. Quer dizer, existem meio-médios que são baixos, mas meu oponente no UFC 148 (Don Hyun Kim) é mais alto que eu. Então mostra que as coisas são similares nesta área, mas acho que estarei bem parelho em termos de força.”

No treinamento para a luta contra Kim, Demian está sentindo a diferença fisicamente, fazendo com que se lembre de suas primeiras lutas no UFC, onde finalizou em sequência: Ryan Jensen, Ed Herman, Jason McDonald, Nate Quarry, e Chael Sonnen.
 
“É engraçado porque no começo da minha carreira, como peso médio no UFC, eu geralmente andava com 85 kgs ou algo assim, e lutava com 83.9 kgs. Agora voltando aos 85 kgs, ter que baixar para 77kgs, e me fez lembrar, que o peso extra não significa necessariamente mais força para mim. Eu me sinto mais rápido, e não sinto nenhum problema quanto a minha força, então acredito que mesmo sendo difícil perder peso, foi a coisa certa a fazer.”
 
Uma vitória enfática sobre Kim cofirmaria esta escolha como sendo a escolha certa, mas o subestimado destaque de Busan, Coréia do Sul não é um presente de boas vindas para Demian, nem de longe.

“Como qualquer lutador bom, ele apresenta vários desafios e dificuldades”, disse o brasileiro sobre Kim, que tem somente uma derrota (para Carlos Condit) em 18 lutas profissionais. “Eu acho que Kim é um competidor sólido, e para alguém estar no nível que ele estava como judoka, certamente mostra o comprometimento e disciplina que ele tem. Acho que ele é um cara completo, agressivo e com uma boa base. É uma luta importante para nós dois e é uma luta que irá erguer quem quer que vença.
 
Ir para a divisão dos meio-médios é uma benção e “uma maldição” – uma benção porque todo atleta quer chegar ao topo do esporte, e uma maldição porque qualquer lutador com 77 kgs vai ter que andar pelo fogo na forma de Carlos Condit, Rory McDonald, Martin Kampmann, Johny Hendricks, Jake Ellenberguer, Josh Koscheck, entre outros para conseguir uma chance contra George St-Pierre. Demian, que nunca recusou nenhum desafio durante os cinco anos de sua carreira no UFC, e não vai começar a fazer isso agora.
 
“Acho que no UFC não existem divisões fáceis, com vários atletas tops em todas as categorias”, ele disse. “A divisão dos 77 kgs é muito dura, com wrestlers muitos bons e alguns strikers sólidos também.

“Estou trabalhando duro com minha equipe para esta luta, eu sei o que ela significa, e estou muito feliz em fazer parte do UFC 148. Vou dar meu melhor e realmente espero que seja uma luta que agrade os fãs, e o começo para uma nova caminhada, passo a passo.”
 


Watch Past Fights

Midia

Recente
Mark Hunt se tornou o primeiro lutador a nocautear Roy Nelson no Octógono. O atleta neozelandês analisa a luta e diz que espera lutar em quatro semanas no card em Sidney, Australia. Ative as legendas clicando em "cc".
20/09/2014
Miesha Tate derrotou a até então invicta japonesa Rin Nakai, por decisão unânime, e falou na entrevista pós-lutas que sua estratégia era usar a envergadura e ser agressiva. Ative as legendas clicando em "cc".
20/09/2014
Melhores momentos da coletiva de imprensa pós-lutas do Fight Night Japão.
20/09/2014
Assista à coletiva de imprensa pós-lutas ao vivo na sequência do evento.
15/09/2014