Munoz e a arte da agressividade controlada

"Com certeza quero que ele use o wrestling comigo, e ele vai querer trocar comigo, então colocamos um jogo em andamento para que eu possa forçar minha vontade contra ele.” - Mark Munoz
Peso médio do UFC - Mark MunozA vitória de Mark Munoz por decisão sobre Tim Boestch, em julho, foi um retorno em grande estilo após uma derrota decepcionante por nocaute para Chris Weidman em 2012, e apesar de anos e nos de competição, ambos no wrestling e no MMA, Munoz com 35 anos está feliz em dizer que ele ainda não decifrou tudo ainda.

“Você está sempre aprendendo coisas novas”, ele disse. “Acho que esta é a chave para se tornar grandioso – ser humilde e saber onde você precisa melhorar e não ser tão orgulhoso a ponto de não querer aprender nada com ninguém. Acho que ser humilde é algo que todo campeão de verdade faz, e é isto que estou tentando fazer o máximo que puder, porque quero ser campeão um dia. Sinto que estou lá, somente preciso capitalizar a oportunidade.”

Para ter esta oportunidade, Munoz precisa primeiro despachar o oponente de sábado, e não o que ele originalmente enfrentaria, quando Michael Bisping foi forçado a sair da competição devido a uma lesão, tendo em seu lugar o ex-campeão dos meio-pesados Lyoto Machida. Não somente isto causou uma confusão no plano de jogo, como também colocou Munoz na posição de lutar com um amigo em “The Dragon’.

“É difícil”, ele admite. “Foi tão repentino e uma surpresa e de repente estou lutando um amigo e parceiro de treino. Eu estava me preparando ara Michael Bisping, ele se lesionou e agora estou lutando contra Lyoto. Não só foi uma surpresa, tive que mudar minha estratégia. Ele vem do caratê e tenho que mudar toda minha estratégia. Não gosto de mudar nada que faço, mas a estratégia muda, e não quero me concentrar somente no que ele faz. O que quero fazer é me concentrar no que faço melhor e impor isto contra ele e fazer de uma forma estratégica.”

E enquanto Bisping é um striker que ainda deixaria uma abertura para quedas, Machida é um quebra cabeças, um que pode fazer você pagar por ser muito agressivo. E todos nós sabemos que Munoz gosta de se agressivo.

“Isto é algo com que tenho que me acostumar”, ele disse. “Tive que assistir alguns vídeos dele para entender e capitalizar as vezes que realmente posso fechar esta brecha, e fazer de um jeito com que não seja contra atacado por ele e seu striking. Não quero ser mais um nocaute em seu cartel. Com certeza quero que ele use o wrestling comigo, e ele vai querer trocar comigo, então colocamos um jogo em andamento para que eu possa forçar minha vontade contra ele e definitivamente vai ser uma agressividade controlada desta vez.”

Se alguém consegue fazer isto, é Munoz, simplesmente porque neste ponto de sua carreira, ele está tão faminto para chegar ao topo que se você dissesse que ele precisa de um armlock voador para vencer, ele provavelmente tentaria. Então quando ele diz que esta é a luta mais importante de sua carreira, ele está falando sério e lutará de acordo.

“Uma vitória sobre Lyoto com certeza vai causar algum barulho na divisão e colocará meu nome nas cabeças”, ele disse. “Eu realmente acredito que estou no topo e quero ser campeão do UFC.”

Watch Past Fights

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014