Conheça Cat Zingano

O palco, o show, os fãs, isto não importa porque sempre irei lutar minha luta. Conheço meu arsenal e amo minhas opções, o lance é ser confiante, aparecer com uma mente boa e impor minha vontade." - Cat Zingano
UFC bantamweight Cat Zingano
Pergunte para Cat Zingano sobre o pote duplo de ouro no fim no arco íris se ela vencer Miesha Tate no TUF 17 Finale no sábado, e ela é uma das raras lutadoras que parece mais empolgada sobre possivelmente ser treinadora do que com a chance ao título.  
  
"Tenho treinado lutadores nos últimos cinco anos, então sei o que tenho a oferecer, sei para onde posso levá-los e sei que tenho o jogo mental e a parte emocional para estes lutadores, e quero muito entrar na cabeça deles", disse Cat, casada com o faixa-preta de Jiu-jitsu e ex-lutador de MMA Maurício Zingano. "Mas isso não acontecerá se eu não vencer a grande luta, e é nisto que tenho que me concentrar agora. Adorei a oportunidade, mal posso acreditar que isto está em minhas mãos agora, possivelmente lutar com Ronda Rousey, sempre quis que isso acontecesse. Então está tudo ótimo. Quero ser campeã mundial, mas tenho que dar todos os passos antes."   
  
Indo para esta luta, Miesha é a favorita e a mais conhecida graças ao título galo no Strikeforce e sua luta com Rousey. Mas Cat (formalmente Cat Albert) não caiu do céu até o Octógono. Profissional desde 2008, a ex-lutadora de wrestling na escola pode não ter o número de lutas que sua oponente tem. Mas ela com certeza tem o alto nível de habilidades e experiência para lutar no maior palco do esporte. É assim quando você é mãe e esposa, as coisas na sua vida profissional nem sempre saem como você planeja.  
  
"Entre as duas últimas lutas que tive, tive que tirar um tempo ser mãe e ter uma vida pessoa vem em primeiro lugar", disse Cat. "Agora que meu filho está ficando um pouquinho mais velho, é mais fácil para treinar e para me concentrar e separar o trabalho da vida. E agora estou de volta, minha raça e vontade estão maiores do que nunca, e esta é a minha hora. Estou pronta para colocar tudo que tenho nisto e posso cuidar da minha família ao mesmo tempo. Então sempre estive pronta para tudo isso. Estou aqui há um tempo, mas ainda não pude me dedicar plenamente a conseguir tantas lutas como queria. Quando comecei, queria lutar a cada duas semanas porque achava tão divertido. (Risadas) Mas quando chega a hora, não é assim tão simples."  
  
   
7-0 com três vitórias por nocaute e três por finalização, com 30 anos, do Colorado, ela é uma finalizadora, algo que deixará os fãs que ainda não a viram lutar bem felizes. E se eles não viram ou ouviram sobre Cat, tudo bem para ela, que vai procura fazer de sábado à noite, uma oportunidade de uma primeira impressão memorável.   
  
"Esta é a parte legal porque posso fazer as pessoas falarem wow," ela disse. "É um bom sentimento. Sou muito intensa gosto de entrar lá e ser explosiva e começar rápido a lutar, e acho que meu estilo de luta é algo que as pessoas sempre gostam logo de cara, então ser zebra é uma boa. Se eles não sabem quem eu sou, tudo bem, não tenho problemas em me provar e estou empolgada com a oportunidade."  
  
Sobre pegar a veterana Miesha, ex-campeã do Strikeforce, Cat está confiante que quando o gongo soar, ela irá dizer onde a luta acontecerá.  
  
"Vou continuar fazendo o que eu faço", disse Cat, que tem vitória por nocaute em cima de Carina Damm e Takayo Hashi. "Eu não assisto vídeos, não estudo meus oponentes; somente vou lá e luto a minha luta. E me sinto tão confortável lá que já tenho bastante controle de ringue. Quando vai para o chão, é porque eu quis que fosse, quando a luta está em pé, é porque decidi ficar em pé. Quando eles quiserem ir pro grappling, eu vou bater, quando eles quiserem bater, eu vou pro grappling, e este é meu plano de luta. Eu vivo para o momento e lido com o que me foi dado. Sempre dou um jeito, e pretendo continuar a ter esta habilidade ao longo de tudo isto. O palco, o show, os fãs, isto não importa porque sempre irei lutar minha luta. Conheço meu arsenal e amo minhas opções, o lance é ser confiante, aparecer com uma mente boa e impor minha vontade."   



Watch Past Fights

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
UFC 177 no Sleep Train Arena em 30 de agosto, 2014 em Sacramento, Califórnia. (Foto de Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
30/08/2014
Com ausência de Renan Barão, Bethe Correia e Diego Ferreira foram os brasileiros na pesagem. 'Estou muito confiante', garantiu Bethe. Já Ferreira acredita em vitória por causa dos treinamentos, feitos em Manaus e nos EUA.
29/08/2014
Pesagem do UFC 177 na Sleep Train Arena, no dia 29 de agosto, 2014 em Sacramento, Califórnia. (Fotos de Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
29/08/2014