Não restam dúvidas para Ryan Bader

"  para mim, perder e voltar, com certeza será muito mais doce quando eu atingir meu objetivo principal, que é o título." - Ryan Bader
UFC light heavyweight Ryan BaderAinda novo em sua carreira no UFC, com 9 lutas no Octógono desde da conquista do TUF em 2008, Ryan Bader que enfrenta Lyoto Machida no sábado, na co-luta principal do UFC: Shogun vs. Vera - teve pouca dificuldade em manter intacto seu cartel invicto no começo, vencendo nomes como “Red” Schafer, Keith Jardine e Rogério Minotouro com um ataque baseado basicamente nas origens do seu All American Wrestling e uma estrondosa mão direita.

Mas depois disso, o dinâmico Jon Jones e o veterano Tito Ortiz colocaram tiraram o zero na sua coluna de derrotas.  

E embora o nocaute em 77 segundos contra Brilz em novembro do ano passado fosse uma boa marca para seu cartel, foi sua viagem até o Japão em fevereiro para vencer Rampage Jackson que mostrou do que ele era feito. Aquilo não era somente para ser uma volta triunfante do veterano do PRIDE na terra do sol nascente, mas o ex-campeão do UFC veio para a luta pesando 96 kgs, imediatamente colocando Bader fisicamente em desvantagem.

Mas Bader sacudiu toda negatividade e despachou Jackson. Se haviam duvidas depois da luta com Ortiz, então os críticos tinham muito a engolir.  

“Foi uma grande vitória, ir até lá e bater Rampage, e quero manter esta sequência”, Bader continua. “Muita gente disse, ‘ah ele está machucado’, isso e aquilo, mas fui lá e o venci convincentemente, fiz meu trabalho, e acho que esta luta (contra o Lyoto Machida) vai provar que ‘oh, talvez não fosse o Rampage, talvez fosse o Bader. Talvez ele esteja ficando bom agora.”

As apostas estão altas para isto agora, e Bader sabe disto. Perder uma luta ou duas dificilmente acaba com a carreira de alguém, especialmente uma de um promissor nativo do Arizona, de 29 anos. Mas com o presidente do UFC Dana White dizendo que homem que conseguir a vitória mais impressionante nas duas lutas até 93kg do card deste fim de semana será o próximo na fila por uma chance ao título, é uma oportunidade única na vida de poder controlar seu destino.

“Eu lutei com Rampage que acabou de lutar pelo título, estou lutando com Machida que acabou de lutar pelo título, e se eu vencer Machida, quem é o próximo?” disse Bader. “Você não quer retroceder. E eu sei que parece clichê, mas você tem manter a cabeça baixa e fazer o que te mandaram. Mas sinto que estou chegando lá se continuar nocauteando esses caras. Eles são os melhores do mundo, todos são ex-campeões, e os últimos dois acabaram de lutar pelo título, então sinto que estou lá.”

Não é o papo que você esperaria ter com Bader nesta época do ano. Ele acabou de sair de duas derrotas e estava rodeado de pontos de interrogação. Mas desde então, ele tem respondido as perguntas com uma sonora resposta positiva. Sábado à noite, ele estará entrando lá de novo, com pessoas duvidando e apoiando enquanto todos disputam por uma posição. Porém, surpreendentemente, ele não mudaria nada do que aconteceu.

“Eu precisava sentir o gosto da derrota e ter estas duas derrotas seguidas. Se não tivesse perdido para o Tito, não estaria treinando como estou agora. Eu estaria fazendo a mesma coisa de antes e teria pago o preço no caminho. Então para mim, perder e voltar, com certeza será muito mais doce quando eu atingir meu objetivo principal, que é o título. Acho que isto foi parte de ser um lutador, crescer e aprender. Agora, não restam mais dúvidas.” 


Watch Past Fights

Midia

Recente
Confira como foi o desempenho dos brasileiros no UFC 184 e as notícias mais importantes da última semana, além de responder nosso quiz - quantas disputas de cinturão Ronda Rousey tem no UFC: três, oito ou cinco?
04/03/2015
Matt Parrino e Forrest Griffin analisam o que de melhor aconteceu no UFC 184, e comentam as mudanças nos rankings pós-evento.
O campeão dos leves do Ultimate escapou de uma guilhotina e obrigou seu adversário a dar os três tapinhas com um belíssimo triângulo, no extinto WEC. Pettis colocará seu cinturão em jogo contra o brasileiro Rafael dos Anjos no UFC 185, em 14 de março.
03/03/2015
O iraniano não deu chances ao seu adversário e encaixou uma finalização precisa no UFC Tulsa. Beneil Dariush volta ao octógono em 14 de março, quando mede forças com o norte-americano Daron Cruickshank.
03/03/2015