Perfil do lutador: Antônio "Pezão" Silva

Mais um peso pesado chega para fazer barulho no UFC, trata-se de Antônio Silva (16-3-0), o Pezão, um gigante de quase dois metros de altura (1,94cm). Dócil entre os amigos, Silva encarna o espírito de Pé Grande dentro dos cages, feroz e agressivo. O primeiro a sentir sua força no Octógono vai ser o ex-campeão pesado Cain Velasquez  (8-1), no UFC 146, mesmo evento em que Junior "Cigano" dos Santos defende o cinturão de pesados contra o também ex-campeão Frank Mir e o o vencedo do TUF 10, Roy Nelson encara Dave "Pee Wee" Herman, com Stefan Struve contra "Big" LaVar Johnson completando o card principal. Ou seja, a noite do dia 26 de maio, em Las Vegas, promete fortes emoções.    
Brasileiro nascido em Campina Grande, na Paraíba, Antônio "Pezão" Silva teve a luta como grande aliado para enfrentar os problemas na infância. Aos 4 anos de idade, Pezão tinha muita dificuldade de se comunicar e era extremamente hiperativo. Seu pai o levou ao médico, que indicou a prática de esportes para gastar energia e se socializar. Num certo dia, assistiu a uma apresentação de karatê e logo despertou o interesse pelas artes marciais. Pediu ao pai seu primeiro kimono e, ainda aos 4 anos de idade, entrou num caminho sem volta. Pezão seria lutador.  
      
Aos 17 anos, o jiu-jitsu passou a ser a nova paixão. Por conta de toda a história da família Gracie, Silva decidiu experimentar a modalidade de chão. Conheceu o professor Eli Vanderlei e não mais parou. Com dificuldade de participar das grandes competições, centralizadas em cidades como o Rio de Janeiro, Pezão se restringia a torneios na região Nordeste e por lá conquistou muitas medalhas nos tatames. A primeira delas com poucos dias de treino, depois de três combates bem sucedidos.

No entanto, o sonho de ser lutador teria ficado em segundo plano se não fosse a ajuda do professor Eli Vanderlei. Pezão teve filho aos 19 anos. Para sustentar a família, foi auxiliar em vendas de automóveis, segurança de boates e até segurança de carros fortes, segundo ele, um emprego mais tenso que o MMA. Mas o mestre de jiu-jitsu colocou Silva novamente no caminho das artes marciais. Eli tinha convicção de que o aluno seria um grande campeão e organizou um evento para que Pezão fizesse sua estreia, combate que não aparece no cartel oficial do brasileiro. Enfim, o triunfo por nocaute veio e Pezão percebeu que aquele era o seu dom.   
      
Através de Mario "Sukata" Neto, outro expoente do Nordeste do Brasil e veterano do UFC, surgiram as oportunidades internacionais. O dinheiro era curto e, para se preparar dignamente, o brasileiro vendeu seu único bem, o carro, um Fusca. Na Inglaterra, conquistou vitórias importantes em organizações como Cage Rage e Cagewarriors FC. Foi na Inglaterra também que deu início à amizade com Minotauro Nogueira, que o ajudou num momento de dificuldade, sem ao menos o conhecer. Não é por menos que Pezão dedicou a sua maior vitória a Minota, quando nocauteou Fedor Emelianenko no Srikeforce, em fevereiro de 2011.
        
Depois das lutas na Inglaterra, Pezão seguiu com vitórias importantes como a contra o também gigante Tom "Big Cat" Erikson, em 2006, no K-1 Hero's. Logo após isso, conheceu seu primeiro revés no Canadá, pelas mãos de um oponente com sobrenome sugestivo, Eric Pele. Já nos Estados Unidos, passou a ser conhecido através do EliteXC. Depois de três triunfos, inclusive contra o ex-campeão do UFC Ricco Rodriguez, encarou Justin Eilers pelo cinturão peso pesado. O nocaute no dia 26 de julho de 2008 valeu o título.        

Em seguida, acabou testando positivo no exame antidoping. No entanto, o lutador contesta até hoje o resultado. Por um problema chamado acromegalia, um tumor que fica na hipófise e altera o crescimento, Pezão produz GH em quantidade muito maior, chega a ser dez vezes mais que uma pessoa normal. Atualmente, para manter o GH num nível aceitável, necessita de acompanhamento médico e uma injeção por mês para não desregular a produção hormonal.  
       
Pezão conseguiu mais duas vitórias importantes no Japão, no Sengoku, e voltou a se apresentar nos EUA no Strikeforce, onde acumulou derrotas para Fabrício Werdum e Daniel Cormier, mas bateu oponentes poderosos como Andrei Arlovski, Mike Kyle e Fedor Emelianenko.    
    
Com 11 nocautes e três finalizações computadas no cartel, agora Pezão parte para o maior desafio: quer ser campeão peso pesado do UFC. Tarefa dura, mas nada é totalmente impossível para quem saiu da pequena Campina Grande, na Paraíba, e ganhou o mundo através dos punhos. Pezão também quer ser gigante no UFC, e o ex-campeão Velasquez pode pagar caro por isso. Aguardem os próximos capítulos desta saga...    
Sábado, Outubro 25
23h
BRT
Rio de Janeiro, Brazil

Midia

Recente
Os jornalistas Davi Correia (UFC.com.br), Guilherme Cruz (MMAFighting) , e Ivan Raupp (Combate.com), conversam sobre o card principal do UFC 179, no Rio de Janeiro. O brasileiro é favorito, mas precisa tomar cuidado com o jogo de wrestling de Chad Mendes.
23/10/2014
Fotos da pesagem do UFC 179 no Ginásio do Maracanãzinho em 24 de outubro, 2014 no Rio de Janeiro (Fotos de Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
24/10/2014
Confira os melhores momentos dos lutadores na balança. O campeão José Aldo garantiu que vencerá Chad Mendes, nos penas. "Esse cinturão vai continuar no Brasil.
24/10/2014
Enquanto Aldo e Chad treinavam no Rio para o UFC 179, Conor McGregor desembarcava na cidade com a língua afiada. Na saída do aeroporto, pediu se o motorista não o levaria até a favela do José e mandou dizer que irá tomar o cinturão do brasileiro.
24/10/2014