Renan Barão - Todos os sacrifícios valeram a pena

"Meu foco foi em aprimorar as minhas habilidades, evoluir o que a minha equipe achou que eu deveria melhorar. E isso me fez sentir mais completo para o combate.”  - Renan Barão
UFC bantamweight Renan Barao
nan Barão se prepara para o passo mais importante de uma caminhada sofrida. Depois de uma infância pobre em Natal, cidade do Rio Grande do Norte, no Nordeste do Brasil, um filme passa na cabeça do lutador, que busca o cinturão interino do UFC, neste sábado, contra Urijah Faber. 

“Lembro de tudo o que já passei na minha vida, das muitas vezes que, lá em Natal, eu ia para a academia a pé. Depois as coisas foram melhorando e comprei uma bicicleta. Quando ganhei o meu primeiro grand prix no MMA, comprei uma moto pequena. Graças a Deus, as coisas estão melhorando e pude comprar uma casinha para minha mãe. Isso me deixou muito feliz!”, comenta Barão. 

Renan nunca teve vida fácil. Para evoluir no MMA, além dos treinos na Kimura, em Natal, viajava para o Rio de Janeiro para se preparar na Nova União. Quase sem dinheiro, dormia em alojamentos improvisados e aguardava ansioso os horários das poucas refeições que fazia por dia. Para esquecer a fome, o cansaço, a dor, só com muito treino. Renan Barão foi forjado pela vida e, após 32 lutas, com 30 triunfos, um no contest e apenas um revés, veio a maior oportunidade da vida. 

“Estou muito bem para este desafio. Comecei o meu camp em Natal e aí fui para o Rio, onde passei mais de três meses só focando e me preparando para representar bem o nosso Brasil e a minha equipe”, diz. 

Nos treinamentos, contou com a ajuda do atual campeão peso pena do UFC, José Aldo. Um trunfo para a dura missão do brasileiro. Aldo sabe os caminhos para bater Faber, pois já o venceu, quando defendeu seu cinturão do WEC, em 2010. 

“O Zé Aldo é um grande campeão e ajudou muito nos treinos e nos planos para esta luta. Estou muito confiante, a galera me ajudou muito e não faltaram sparrings de alto nível no meu camp. Na Nova União, nos pesos leves, só tem casca-grossa!”, comenta. 

Neste sábado, Barão terá de bater não apenas um oponente que já deteve o cinturão de três organizações diferentes. Faber (26-5-0) é um lutador completo, com nocautes e finalizações no cartel. 

“Ele tem pontos fortes como todos no UFC, mas pode ter certeza que estudamos muito bem o jogo dele. Prefiro não falar dos pontos fortes dele, pois meu foco foi em aprimorar as minhas habilidades, evoluir o que a minha equipe achou que eu deveria melhorar. E isso me fez sentir mais completo para o combate.” 

Faber tem experiência, já fez algumas lutas de cinco rounds e acha que isso pode ser uma vantagem. No entanto, apesar de nunca ter feito uma luta de 25min, Renan possui algo no currículo que pode derrubar as expectativas do oponente. 

“Talvez ele não saiba que já lutei alguns GPs, e, quando se luta em um GP, muitas vezes a gente tem que fazer até mais do que cinco rounds em uma noite”, rebate Barão. 

Na noite deste sábado saberemos quem está certo, quando será conhecido mais um campeão inédito do UFC. Os dados já foram jogados...
 

 

Watch Past Fights

Midia

Recente
Não foi apenas um saldo positivo para os lutadores brasileiros no UFC 177, mas também atuações sólidas, com Diego Ferreira e Bethe Pitbull aplicando dois nocautes. Amanda Salvato conversou com os dois após as grandes vitórias no card principal.
30/08/2014
Ouça Danny Castillo e Tony Ferguson após a batalha no UFC 177 que terminou com uma decisão dividida.
30/08/2014
O campeão peso galo T.J. Dillashaw e o desafiante Joe Soto comentam seus desempenhos na luta principal do UFC 177 com o comentarista Joe Rogan.
30/08/2014
T.J. Dillashaw fala de sua primeira defesa de cinturão UFC, Bethe Correia expressa seu desejo de lutar pelo título, e o que Dana achou de Joe Soto.
30/08/2014