Pular para o conteúdo principal
/themes/custom/ufc/assets/img/default-hero.jpg

Contagem regressiva para o UFC 200: os melhores strikers

Saiba quem são os 15 melhores da história da organização na luta em pé

Assim como escolher os melhores nocautes do ano pode ser uma tarefa ingrata, com um número muito maior de candidatos do que vagas, escolher os 15 melhores strikers da história do UFC é uma tarefa que deverá gerar mais debate do que qualquer outra.

A dificuldade é óbvia: qual o melhor critério para colocar alguém na lista? Você colocaria caras como Mirko Cro Cop e Wanderlei Silva, que, apesar de serem dois dos melhores de todos os tempos, tiveram seus auges fora do UFC? Você vai apenas pelos resultados, ou escolhe atletas que têm estilos empolgantes, mas não são os mais vitoriosos? Para fazer parte do clube é preciso ter mais força ou técnica?

Ou você também pode simplesmente escolher pelos seus instintos… esses são os meus escolhidos para os 15 melhores strikers da história do UFC (em ordem alfabética pelo sobrenome).

José Aldo

Velocidade, potência e técnica. José Aldo tem tudo, mas, talvez, o mais notável seja os chutes baixos que ele usou para mudar o rumo das lutas desde a época de WEC, onde se tornou notável após castigar Urijah Faber por cinco rounds em 2010. Isso, somado ao nocaute em oito segundos sobre Cub Swanson em 2009, e Aldo já tem melhores momentos suficientes de sua trocação de primeiro nível.

Edson Barboza

Falando em chutes baixos, o atual mestre desta técnica é o também brasileiro Edson Barboza, o único lutador na história do UFC a vencer duas lutas com chutes nas pernas. Mas isso não é tudo com que você precisa se preocupar nesse mestre do muay thai, já que seus chutes altos também são responsáveis por pesadelos: seu nocaute com chute rodado sobre Terry Etim é um dos mais bonitos de todos os tempos.

Vitor Belfort

Suas mãos destruidoras derrubaram diversos oponentes enquanto o adolescente Vitor Belfort começava um caminho no UFC que dura até hoje. Apesar de seu boxe ter estampado as manchetes na época, ele adicionou chutes ao seu arsenal nos últimos anos, derrubando Michael Bisping, Luke Rockhold e Dan Henderson desta maneira.

Nick Diaz

Conhecido inicialmente por ser um faixa-preta de jiu-jítsu, Nick Diaz se tornou um ótimo striker ao longo dos anos. Se você quiser saber o quão bom ele é em pé, pergunte ao ex-campeão mundial de boxe, Andre Ward: “Trabalhei com Nick e Nate Diaz no passado. Ambos são boxeadores muito bons e têm muita sensibilidade na luta em pé. Aposto no Nick Diaz contra qualquer um no octógono, e também acho que ele poderia competir no ringue de boxe, se quisesse”.

Holly Holm

Mesmo antes de pisar no octógono, Holly Holm deveria ganhar um lugar nesta lista, simplesmente pelo fato de ter sido campeã mundial de boxe em três categorias diferentes, e a número um no ranking peso-por-peso durante muitos anos. Mas foi seu nocaute sobre Ronda Rousey em novembro que assegurou sua vaga entre os melhores strikers que o UFC já viu, e o nocaute foi conseguido com um chute. Imagine o que acontecerá quando virmos ela soltar as mãos.

Mark Hunt

Mestre do nocaute de apenas um soco, o ex-campeão do K-1, Mark Hunt poderia ter encerrado sua carreira no octógono em sua estreia, em 2010, quando foi finalizado por Sean McCorkle em 63 segundos, mas, cerca de seis anos depois, o “Super Samoano” ainda está firme e forte nocauteando as pessoas, com Antônio Pezão e Frank Mir sendo suas mais recentes vítimas. Sim, Hunt já tem 42, o que prova que poder de nocaute é a última coisa que um lutador perde.

Joanna Jedrzejczyk

Ex-campeã mundial de muay thai, a atual dona do cinturão peso-palha do UFC, Joanna Jedrzejczyk está um nível acima quando o assunto é trocação em sua categoria, e parece estar melhorando a cada luta. De qualquer jeito, pouco importa o que ela faça daqui para frente, já será difícil esquecer a performance da polonesa em sua conquista do título contra Carla Esparza em 2015, uma aula de trocação e uma das mais dominantes performances em lutas de cinturão da história.

Anthony Johnson

Para falar em verdadeiro poder de nocaute, ninguém melhor que Anthony “Rumble” Johnson, a prova viva de que nocauteadores são feitos e não simplesmente nascem assim. Por quê? A maioria dos lutadores que começam com 77 quilos e nocauteiam seus oponentes não conseguem manter esse poder após somar 16 quilos e mudar para a divisão dos meio-pesados. Entretanto, desde que retornou ao UFC nesta categoria, Anthony apagou as luzes para Rogério Minotauro, Alexander Gustafsson, Jimi Manuwa e Ryan Bader. Isso é poder.

Cung Le

Ex-campeão do Strikeforce, Cung Le fez apenas quatro lutas no UFC, mas, já que duas delas foram um nocaute devastador em Rich Franklin e uma batalha épica contra Wanderlei Silva, ele merece um lugar na lista, especialmente porque seu estilo não ortodoxo fazia valer a pena assistir cada vez que ele lutava.

Chuck Liddell

“O Homem de Gelo”. Nenhuma lista dessas estaria completa sem a inclusão do ex-campeão meio-pesado, dono de, talvez, a mão direita mais pesada da história do MMA. Se Liddell acertasse você com a direita, era para dar boa noite. Quão bom ele foi? Entre 2004 e 2006, ele venceu sete de sete lutas, contra alguns dos melhores do esporte, como Randy Couture e Tito Ortiz, duas vezes cada, todas elas por nocaute.

Conor McGregor

Embora ainda seja novo em sua carreira no UFC, o campeão peso-pena não conquistou apenas alguns nocautes impressionantes sobre Dustin Poirier, Chad Mendes e José Aldo, mas o fez com uma técnica impecável de trocação, provando ser um mestre de tempo, distância e precisão de seus socos. Será divertido ver o quão longe ele pode elevar sua trocação nos próximos anos.

Alistair Overeem

O título do K-1 já diz suficiente sobre a qualidade de Overeem na trocação, e, embora ele tenha começado devagar no octógono, desde 2014 ele se tornou imparável, com performances sólidas contra Stefan Struve e Roy Nelson, além de nocautes enfáticos sobre os ex-campeões Junior Cigano e Andrei Arlovski. Alguém mais quer ver Miocic contra Overeem pelo título em novembro, no Madison Square Garden?

Junior Cigano

Se você se esqueceu do quão bom Junior Cigano era, a vitória em abril sobre Ben Rothwell deve tê-lo lembrado de que ele é um dos melhores strikers do esporte, e um dos melhores da história da divisão dos pesados no UFC. Nocautes sobre Fabricio Werdum, Cain Velasquez, Mark Hunt e Frank Mir são cartões de visita, mas não se pode esquecer de suas vitórias maiúsculas punindo Shane Carwin e o recém-coroado campeão Stipe Miocic, que mostraram que, caso Cigano não o nocauteie, ele não se incomoda de te bater por 15 ou 25 minutos.

Anderson Silva

Apesar de Anderson, aos 41 anos, não vencer uma luta desde 2012, se você olhar para tudo o que foi construído pelo ex-campeão dos médios, não verá apenas um dos melhores lutadores de todos os tempos, mas um dos melhores strikers. Seja brincando com Forrest Griffin antes de nocauteá-lo, espancando Rich Franklin no clinche, ou com um chute na cara de Vitor Belfort, o arsenal de golpes de Anderson é um dos melhores, e, considerando que ele fez tudo isso no maior palco do esporte, é apenas mais uma prova do quão grande é o Spider.

Stephen Thompson

Se aproximando de uma disputa de título nos meio-médios, Thompson se consolidou como um lutador versátil, mas a trocação sempre será seu objetivo no octógono, e ele tem muitas cartas na manga. O “Wonderboy” parece que nasceu um kickboxer, e pode se tornar o lutador com mais lances nos melhores momentos do UFC até que se aposente, já que começou bem, com nocautes espetaculares sobre Dan Stittgen, Jake Ellenberger e Johny Hendricks.

Menções honrosas: Anthony Pettis, Dominick Cruz, Maurice Smith, Mirko Cro Cop, Pedro Rizzo, Carlos Condit, Wanderlei Silva, Dan Henderson, Robbie Lawler, Frankie Edgar, Shane Carwin e Lyoto Machida.