Pular para o conteúdo principal

Daniel Cormier quer ser lembrado como o melhor lutador de MMA do mundo

Campeão dos meio-pesados falou sobre importância de deixar um legado no MMA


2015 foi um ano intenso para Daniel Cormier. Em janeiro, ele enfrentou e foi derrotado por Jon Jones, um dos campeões mais dominantes da história do UFC. Em maio, finalizou Anthony Johnson no terceiro round e conquistou o cinturão vago dos meio-pesados. Em outubro, protagonizou um dos melhores combates da história contra Alexander Gustafsson, defendendo o título pela primeira vez.

Leia mais: 'DC' ficou dois dias sem dormir após vitória no UFC 192Campeão relembra knockdown

Depois de enfrentar os três melhores atletas da categoria em tão pouco tempo, ‘DC’ vai tirar férias mais do que merecidas para descansar. Aos 36 anos, e com uma extensa carreira no wrestling antes da migração para o MMA, Cormier sabe que pode não ter muito mais tempo competindo no nível mais alto do esporte

“Eu penso no meu legado. Eu vou continuar a lutar, mas digamos que se eu perder uma ou duas vezes, eu vou encerrar”, disse ao podcast Anik and Florian. “Meu currículo, minha carreira e meu legado neste esporte significam mais do que receber alguns cheques. Eu vou lutar até não conseguir acompanhar o nível da competição, e quando eu não conseguir mais vencer no nível em que estou vencendo agora, vou embora. Porque sim, me importo com o legado, e quero deixar um bom legado no MMA”.

Para completar sua história, Cormier não esconde a vontade de encarar Jon Jones novamente.

“Eu quero ser lembrado como o melhor do mundo, e eu quero enfrentar o melhor do mundo. Quando o Jones voltar, quero ser o cara que entrará no octógono com ele”, afirmou.

Assine o Canal Combate
Ingressos à venda para o UFC São Paulo
Visite a UFC Store
Baixe o aplicativo do UFC