Pular para o conteúdo principal

‘De molho’ após cirurgia, Raphael Assunção desabafa e mira revanche com Dillashaw

Peso-galo brasileiro espera retomar treinos em um mês

 
Raphael Assunção detém a marca de ser um dos únicos dois homens a bater o atual campeão peso-galo TJ Dillashaw. Em uma sequência de sete vitórias, o brasileiro mantém sua posição no top 5 da categoria mesmo sem lutar desde outubro do ano passado, mas retornar ao octógono não é exatamente seu foco no momento.

“Voltar a andar agora é até um sonho”, desabafa o lutador.

Há duas semanas, Raphael passou por cirurgia para fixar uma placa de titânio e oito parafusos ao seu tornozelo, e agora curte um período “100% de molho”. Após sofrer uma fratura em janeiro, o atleta foi submetido a diversos tratamentos na tentativa de evitar uma cirurgia. Primeiro, passou seis semanas com uma bota ortopédica, depois ficou mais seis semanas engessado, partiu para uma terapia com um estimulador elétrico para os ossos e ficou mais 42 dias sem encostar o pé no chão, mas nada adiantou e foi preciso passar por uma operação para resolver o problema.

Assine o Combate e não perca nenhum detalhe do UFC

Ao longo destes oito meses tentando se recuperar sem sucesso, o sentimento do recifense é de frustração.

“Fui tentando fazer todos os tratamentos que os doutores mandavam fazer e, no fim das contas, não sarou como deveria. Foi complicado, porque se eu tivesse operado quando quebrei, já estaria praticamente curado em oito semanas. Foram quatro tratamentos de seis semanas (cada). Foi bem frustrante. Os doutores queriam evitar a cirurgia por eu estar praticamente sarado. Eu estava clinicamente curado, andava e treinava normalmente, mas a radiografia ainda mostrava a linha no osso”, afirmou.

Tenho história a resolver com o Dillashaw ainda

Agora, Raphael terá de passar por um período de adaptação e de fisioterapia, e espera voltar a treinar em um mês. Se isso realmente acontecer, o peso-galo mira uma vaga no card do UFC em Orlando, que acontece em 19 de dezembro e será liderado pela luta entre Rafael dos Anjos e Donald Cerrone, mas ainda não tem ideia de qual seria o adversário ideal para seu retorno.

“Há muito tempo que estou debatendo na minha cabeça quem seria um oponente que faria sentido para mim. Pelos meus cálculos, não tem muito oponente que faz sentido, apesar de eu querer a luta pelo cinturão. Acho que uma luta que faria sentido seria a luta pelo cinturão. Tenho história a resolver com o Dillashaw ainda. Quero uma revanche com ele, ainda mais agora que ele é o campeão, mas se não for como planejado, eu luto com qualquer lutador que estiver em uma sequência legal. Tem alguns lutadores que conseguiram uma sequência de vitórias, mas não como a minha. Não tenho preferência”, disse.

Visite a UFC Store
Baixe o aplicativo do UFC
Siga o WhatsAPP UFC e fique por dentro das notícias