Pular para o conteúdo principal

A escalada de Renan Barão até o título

Saiba um pouco da história do mais novo campeão brasileiro no UFC

Quem é Renan Barão? Para muitos, é o cara que no último sábado, no Canadá, derrotou Urijah Faber e assegurou o título interino peso galo do UFC, trazendo na bagagem o quarto cinturão da organização para o Brasil. Já o fã que acompanha mais a fundo sabe que se trata de uma das grandes revelações brasileiras nos últimos tempos, um lutador com todas as chances de surpreender Dominick Cruz e assegurar o título definitivo, quando o americano se recuperar de lesão no joelho que o afasta do Octógono. Renan nasceu no dia 27 de fevereiro de 1987. Na academia Kimura, no Rio Grande do Norte, foi forjado no jiu-jitsu pelo mestre Jair Lourenço. Sua estreia no MMA foi pouco depois de completar 18 anos, em abril de 2005, sua única derrota. Depois disso, vieram 31 vitórias e um no contest. O responsável pelo revés foi João Paulo Rodrigues, um casca-grossa que hoje possui 51 lutas no cartel, com 34 triunfos. Perder na estreia poderia ser desanimador, mas não quando se tem fé e persistência. Filho de boxeador, criado com a ajuda dos avós, Barão vem de infância pobre. Uma longa caminhada antecedia seus treinos e o descanso, até que pôde comprar uma bicicleta e depois uma moto, tudo graças à luta. Para se aperfeiçoar no MMA, exaustivas viagens ao Rio de Janeiro foram providenciais. Eram mais de 2,500KM de ônibus, dias de viagem até a cede principal da Nova União. No início, ficava hospedado em alojamentos improvisados e contava as horas para as refeições. Dormia para não sentir fome. Tamanha dedicação foi presenteada pela maior recompensa que um lutador pode ter: o cinturão do UFC. Entre os grandes feitos no cercado, Renan venceu em dois eventos no sistema grand prix. No Garra Fight, no dia 25 de abril de 2007, derrotou Janilson Kevin por decisão unânime e finalizou Carlos Heide com um triângulo. Já no WOCS, em 25 de setembro de 2008, nocauteou Willian Porfírio e finalizou Rogério Paraíba com um mata-leão. Renan também venceu seis vezes no Shooto Brasil, além de ter combatido até sob chuva, no Jungle Fight. A estreia internacional ocorreu logo em seguida, contra Anthony Leone, no WEC 49, quando mostrou a que veio com um justo armlock no terceiro round. Junto disso, um novo desafio: se apresentar no peso galo (61,69kg), categoria inferior à que costumava lutar. Para não correr o risco de enfrentar o companheiro de equipe José Aldo, que já era campeão entre os penas, Renan topou descer de peso. No mesmo ano, em 2010, veio mais uma finalização no WEC, com um mata-leão sobre Chris Cariaso. Com a incorporação das categorias do WEC no UFC, veio a estreia no Octógono, em 28 de maio de 2011, quando Cole Escovedo foi parado por decisão unânime. As vitórias em seguida sobre Brad Pickett com um mata-leão, no UFC 138, e por decisão unânime contra Scott Jorgensen, no UFC 143, deixaram o brasileiro a um passo do título. Foi quando o destino deu uma ajuda. O campeão Dominick Cruz se contundiu e surgiu a oportunidade contra Faber, valendo o cinturão interino. Depois de ser melhor durante cinco rounds, a alegria da conquista. Mas nada disso mudou o jeito de ser do lutador que, através do MMA, proporciona uma vida melhor à família. Uma recepção na Nova União, com os companheiros de treino, foi a grande festa no Brasil ao novo campeão. Será Barão agora capaz de deter o temido Dominick Cruz? Vem mais uma grande luta por aí...