Pular para o conteúdo principal

A história Hollywoodiana de Yoel Romero

 


A noite de 18 de abril deveria ter sido a maior noite da carreira profissional de lutador de Yoel Romero. Porém, ele ficou assistindo, em vez de participar, enquanto três dos pesos-médios do topo da categoria lutavam em Newark, Nova Jérsei.

Romero deveria ter sido o quarto, com uma luta contra o desafiante brasileiro Ronaldo “Jacare” Souza em antecipação da luta principal da noite entre Luke Rockhold e Lyoto Machida. Eram as duas lutas que provavelmente produziriam um desafiante para o campeão até 84 kg, Chris Weidman, dependendo de quem atuasse melhor no Prudential Center, mas Romero ficou sem luta após lesionar o joelho.

“Era difícil de ver porque eu queria estar no cage,” disse Romero sobre o card do UFC Fight Night de alguns meses atrás. “Mas eu acredito que tudo acontece por uma razão então eu vou esperar e ver como tudo acaba.”

Rockhold, que venceu Machida naquela noite em abril, terá a próxima chance contra Weidman. Souza fica na espera após vencer a substituição de Romero, Chris Camozzi, pela segunda vez. Para Romero, ele volta à ativa no sábado em Hollywood, na Flórida contra Machida, e ele acredita que uma grande vitória sobre o ex-campeão meio-pesado pode o colocar de volta na corrida pelo cinturão.
“Eu acredito que com uma performance espetacular em 27 de junho eu posso com certeza fazer o caso por uma chance também,” disse ele. 
(E-D) Yoel Romero soca <a href='../fighter/Tim-Kennedy'>Tim Kennedy</a> em encontro peso-médio durante o evento UFC 178 dentro do MGM Grand Garden Arena no dia 27 de setembro de 2014 em Las Vegas, Nevada. (Foto por Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)Performances espetaculares são ocorrências normais para Romero, de 38 anos, que em cinco lutas com cinco vitórias no UFC possui quatro nocautes, um Nocaute da Noite e dois bônus de Luta da Noite. E pouco de seu trabalho no MMA tem a ver com seu wrestling de primeira que lhe rendeu uma medalha olímpica de prata para Cuba em 2000. Em vez disso, suas mãos têm feito o trabalho, e isso não é uma surpresa, considerando que a trocação está em seu sangue, com seu irmão mais novo Yoan Pablo Hernandez send o atual campeão peso-cruzador de boxe da IBF.

“Eu queria me tornar um lutador de boxe mas meu pai não queria,” lembra Romero. “Então minhas outras opções eram judô e wrestling. Eu acabei no wrestling e o resto é história.”

Boxeadores olímpicos têm o futuro profissional para almejar. Para wrestlers olímpicos, especialmente em Cuba, o próximo passo é duvidoso no quesito atlético. Mesmo com deserção, o que há? Possivelmente ser treinador, ou mais notavelmente, MMA. Então após ficar no wrestling até 2007, Romero permaneceu na Alemanha após um torneio, e dois anos depois ele estava fazendo sua estreia no MMA.

Até 2011, Romero era invicto em quatro lutas na cena européia, mas os Estados Unidos acenaram, e após um breve tempo na Califórnia, ele se mudou para a Flórida. Uma derrota em sua estreia no Strikeforce para Rafael “Feijão” Cavalcante em setembro de 2011 o desacelerou momentaneamente, mas em 2013 ele estava no UFC e passando por todos em seu caminho.

Seu tempo no octógono tem sido impressionante, mas para aqueles que seguem a doce ciência do boxe, o que pode ser mais notável é que diferente dos grandes cubanos amadores que vão para os Estados Unidos, ganham peso e perdem aquilo que os tornavam especiais em seu país natal, Romero manteve sua intensidade e foco em alta enquanto ele busca um título mundial no MMA.

“Eu realmente aprecio o que estou fazendo,” explica ele. “Minha família e time sempre me ajudam a manter o foco. É difícil porque tantas coisas podem acontecer, mas eu tive a sorte de ter uma grande família e amigos em minha volta. Deus tem o controle absoluto de minha vida. Eu espero realizar meu sonho e me tornar campeão.”
 
Yoel Romero faz treino para o público e imprensa na UFC Gym antes de sua luta contra Lyoto Machida no dia 25 de junho de 2015 em Hollywood, Flórida. (Foto por Mike Ehrmann/Zuffa LLC via Getty Images)O maior passo nesta altura é vencer Machida, um veterano com muitas armas que tem um estilo que complica qualquer um, e cujo estilo de contra-ataque pode funcionar muito bem contra o sempre agressivo Romero.

“Machida é um lutador muito talentoso,” disse Romero. “Ele tem um estilo único e já foi campeão antes.”

Mas o “Soldado de Deus” descobriu o enigma de Machida?

“Eu acho que teremos que esperar até 27 de junho para essa resposta,” ele sorri. “Será uma grande luta.”

E geralmente é quando Romero está envolvido, mas o que seria ainda melhor em termos de história, seria se os dois irmãos de Cuba um dia estivessem no topo de seus respectivos esportes como campeões mundiais. Isso tem sido um tópico discutido entre Yoel e Yoan.

“Nós já discutimos isso e seria uma honra ter meu irmão como campeão de boxe e eu como campeão de MMA,” disse ele.
“Esportes de combate estão no sangue de nossa família.”

E no sangue do povo cubano, e com as relações entre os Estados Unidos e Cuba melhor que nunca, será que Romero imagina um evento em seu país natal um dia?O cubano Yoel Romero se pesa durante a pesagem do UFC 178 no MGM Grande Conference Center no dia 26 de setembro de 2014 em Las Vegas, Nevada. (Foto por Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
 
“Isso (a abertura de diálogo entre as duas nações) é algo ótimo para o povo cubano,” disse Romero. “Eu acredito que as relações entre os Estados Unidos e Cuba só irão melhorar daqui e eu espero que o UFC um dia terá um evento em Cuba e eu adoraria fazer parte.”

De um futuro incerto à beira de um título mundial e um possível retorno à Cuba um dia, tem sido uma grande jornada para Yoel Romero, mas a razão pela qual ele está aqui é que ele está focado em um passo de cada vez, e o próximo passo é lutar contra Lyoto Machida.

“Meu tempo aqui tem sido ótimo e eu sou agradecido por tudo,” disse ele. “(Em 27 de junho) Os Fãs devem esperar que eu deixe tudo no octógono.”