Pular para o conteúdo principal
Entrevistas

Jessica Andrade se diz confiante em vitória

Em entrevista exclusiva ao UFC Brasil, desafiante ao título peso-palha fala sobre o confronto com Rose Namajunas no Rio de Janeiro, dia 11 de maio no UFC 237

Primeira colocada no ranking peso-palha do Ultimate, a brasileira Jéssica Bate-Estaca foi oficialmente escalada na última sexta-feira para desafiar a campeã Rose Namajunas pelo título da categoria - e o duelo acontecerá em casa, no Rio de Janeiro, dia 11 de maio no UFC 237.

O Octógono desembarca mais uma vez no Rio de Janeiro. Em 11 de maio, a campeã Rose Namajunas coloca o título peso-palha em jogo contra a brasileira Jessica Andrade, e as lendas José Aldo e Anderson Silva têm presença confirmada no card.


Esta será a segunda a oportunidade da paranaense de 27 anos de conquistar o cinturão do UFC. Em maio de 2017, ela foi derrotada pela campeã à época Joanna Jedrzejczyk em um duelo de cinco rounds; desde então, acumulou triunfos consecutivos sobre três dos melhores nomes da categoria: Claudia Gadelha, Tecia Torres e Karolina Kowalkiewicz.

Saiba tudo sobre o UFC 237 e cadastre-se para a pré-venda de ingressos

Antes do confronto com Namajunas, Jéssica conversou com a reportagem do UFC Brasil a respeito do compromisso. Confira:

UFC: Você vai disputar o cinturão mais uma vez, e a luta vai ser no Brasil. É especial lutar em casa?

JA: Estou muito feliz. É a realização do trabalho. A gente veio galgando e buscando essa chance de lutar novamente pelo cinturão, e graças a Deus aconteceu. Vejo que meu trabalho está valendo a pena, estou conseguindo chamar a atenção dos organizadores do UFC e esse title-shot veio. Agora é se preparar, continuar firme e forte para ganhar esse cinturão. Da outra vez não consegui, mas dessa vez sei que vou estar muito bem preparada, sem lesão nenhuma, bem treinada e vai dar tudo certo.

Comentei com o mestre e a esposa que depois que ganhasse o cinturão eu ia pedir uma luta em casa, e na verdade aconteceu melhor do que eu imaginava.

UFC: O que você conhece sobre a Rose Namajunas?

JA: Nunca conversei pessoalmente, mas pelo o que vejo das entrevistas, ela é uma pessoa que respeita muito a adversária e quando entra para lutar é porque se dedicou de verdade. Isso é muito legal, saber que vai lutar com alguém que respeita todo o esforço que você teve. Na questão técnica, ela mostra a cada luta que evoluiu tanto na parte de chão quanto na trocação. A gente viu ela ganhar duas vezes da Joanna, que era praticamente imbatível, então mostra o quanto ela melhorou na trocação. Acho que é uma das partes mais fortes dela.

Acho que o estilo de luta dela casa muito com o meu. Ela tem momentos que caminha, procura a adversária, mas ela também planta. Ela para e coloca os golpes, e isso para mim é bom porque não sou muito de movimentação. Eu gosto de caçar a adversária, achar o momento e bater. Tem horas que ela para, e acho que no momento em que ela parar vai ser a hora em que a mão vai entrar. Na parte de chão também estou forte, venho competindo em vários torneios de jiu-jítsu, e acho que tenho muitas chances de conquistar esse cinturão. E acho que depois a Joanna vai querer lutar comigo. (risos)

"Eu gosto de caçar a adversária, achar o momento e bater. Tem horas que ela para, e acho que no momento em que ela parar vai ser a hora em que a mão vai entrar"

Jessica Andrade

UFC: O que mudou desde a sua primeira disputa de título, em 2017?

JA: Depois que lutei com a Joanna, coloquei como meta que queria melhorar tanto a trocação quanto a parte de chão. Lá dentro do Octógono eu falei para todos que tinha perdido, mas que teria a chance de disputar o cinturão novamente e voltaria melhor. Busquei muito evoluir a trocação, o meu chão, e acho que para essa luta eu tenho muito mais experiência e estou bem mais habituada com a categoria.

Eu lutei com as melhores, então realmente consegui me testar e mostrar que estou bem, e para essa luta vai ser totalmente diferente. Estou bem mais forte, então todo mundo vai ver uma Jessica mais confiante e sem medo de lutar cinco rounds. Já fiz uma luta de cinco rounds. Sei como é, sei como é o cardio que tenho que usar, sei que aguento. Se for lutar os cinco rounds, sei que estou preparada.

UFC: Acha que essa disputa de cinturão poderia ter acontecido antes?

JA: Acho que todo campeão tem o direito de descansar um pouco. É uma coisa tipo: "Poxa, consegui o que queria, agora posso descansar". Não achei ruim a demora, achei ruim ela ser a campeã e não se oferecer mais vezes. Acho que quando você se torna campeã, tem que descansar, mas não um ano. Dois ou três meses é suficiente, porque um ano é demais.

Quando eu me tornar campeã, quero lutar sempre. É natural a quantidade de lutas diminuir quando se é campeão, mas como a nossa categoria tem se movimentado bem, quem sabe eu não consiga fazer três a quatro lutas no ano? Quero estar pronta para tudo e para todos.

Jessica Andrade

UFC: Enquanto esperava por essa luta, você participou de muitos campeonatos de jiu-jítsu. Como isso te ajuda no MMA?

JA: Tem que se manter ativa, não pode parar nunca. Faço campeonato de jiu-jítsu, daí aparece um submission, no-gi, e vamos fazendo porque ajuda muito. É um teste para ver onde você está falhando, onde está melhor. Os campeonatos me ajudam muito porque não sou uma lutadora finalizadora - nem no jiu-jítsu, nem no MMA - mas gosto de trabalhar o ground and pound. Então ali no campeonato é o momento em que estou testando a minha força na meia guarda, nos 100kg, vou imaginando o que posso fazer em uma luta de MMA, se consigo ter mais força. É um teste. Fora o frio na barriga que a gente sente antes de todas as lutas, acho que isso ajuda bastante. Estar sempre preparada, condicionando o corpo a passar por aquela adrenalina, que aí na hora da luta já está mais calma e tranquila.

UFC: Quais os seus planos para 2019?

JA: Além de ser a campeã do UFC, quero comprar um sítio para a minha mãe, mais perto da cidade. Quero comprar a minha casa e ajudar todo mundo na academia porque quero ver todo mundo bem. As coisas vão acontecendo e a gente vai conquistando, mas de primeira seria isso. Quem sabe até o fim do ano ter um filho, porque acho que aumentar a família é muito legal.

Assine o combate | Siga o UFC Brasil no Youtube