Pular para o conteúdo principal

Luta em estádio e torcida contra não intimidam Antônio Pezão para o UFC 193

"Estou habituado a torcida contra", declarou o lutador brasileiro

Imagine reeditar um combate que terminou empatado contra o neozelandês Mark Hunt, agora na cidade de Melbourne, na Austrália, dentro de um estádio com capacidade para 70 mil pessoas. O que pode soar intimidador para alguns lutadores, é encarado com naturalidade pelo brasileiro Antônio Pezão, que garante estar preparado para lidar com toda essa pressão no dia 14 de novembro, no UFC 193.
"A emoção de poder estar lutando nesse estádio é muito grande, fico lisonjeado. É a primeira vez, não sei como vai ser, o que vou sentir. Creio que será bonito, maravilhoso. Claro que nunca lutei com uma torcida dessa proporção, mas dos 20 mil que costumam estar nos eventos, 16 mil são contra (risos). Tenho 11 anos de carreira e só fiz três lutas com torcida a favor. Estou habituado a torcida contra. Sou sempre o azarão, mas estou adaptado a esta situação. Vou esquecer de tudo e de todos lá na hora, esquecer que tem 50 ou 70 mil pessoas no estádio. Estarei focado no Hunt. Depois da luta vou olhar e dizer: "Que maneiro!". Não quero me deixar levar pela emoção para não me prejudicar”, declarou em entrevista ao Combate.com.
UFC 193: Robbie Lawler enfrenta Carlos Condit em um estádio, em Melbourne | Assine o Canal e não perca nenhum detalhe do UFC
A luta entre Hunt e Pezão será a reedição daquela que foi considerada por Dana White a melhor da história do UFC entre pesos pesados. O confronto aconteceu em dezembro de 2013 e terminou com um empate entre os dois lutadores.
"O empate não é muito comum no MMA, mas foi uma grande luta. O Hunt e eu procuramos a vitória, o nocaute, o tempo todo. Um caiu para lá, outro caiu para cá. Foi uma grande batalha. Dessa vez quero sair com a vitória. Lógico que se eu puder vencer nos dois primeiros minutos, ótimo, mas quero estar preparado para o que vier. Não gosto de deixar nas mãos dos árbitros, pois não sabemos o que eles estão vendo ou pensando", relembrou Pezão.

Vindo de uma vitória por nocaute técnico sobre Soa Palelei no UFC 190, no Rio de Janeiro, Pezão também garante que superou alguns problemas do passado e que está pronto para encarar de frente Mark Hunt e a torcida australiana.
"Enfrentei dificuldades na minha carreira, passei por uma fase ruim até voltar a ganhar. A minha parte mental mudou, procurei fazer um trabalho diferente, antes era muito focado na parte física. Corrigi erros, somos falhos, e vou continuar corrigindo. Daquela vez eu cheguei muito cansado ao quinto round. Procuro sempre evoluir e estarei pronto para travar uma boa luta", finalizou.
Visite a UFC Store
Baixe o aplicativo do UFC
Siga o WhatsAPP UFC e fique por dentro das notícias