Pular para o conteúdo principal

Parceiros de time, Marreta e KLB discutem prós e contras em mudança de peso

Atletas estreiam em nova categoria no UFC São Paulo


Mesmas decisões, processos diferentes. Thiago Marreta e Luis Henrique KLB, parceiros de treinos na TFT, no Rio de Janeiro, ambos estrearão em uma nova categoria no UFC São Paulo, mas por motivos distintos.
Enquanto o ex-peso-médio, que enfrenta Eryk Anders na luta principal do evento, estará subindo para os meio-pesados, o ex-peso-pesado, que medirá forças com Ryan Spann, estará descendo para a divisão até 93kg.
"Não tive uma alimentação tão restrita e o humor fica bom. Tudo fica bom quando você não tem que passar fome”, contou Marreta sobre as diferenças em se preparar para competir com um limite de peso cerca de 9kg acima do que está acostumado, “Outra diferença é nos treinos. Nos médios, eu vinha nas últimas semanas bem debilitado, não conseguia mais treinar direito, fazer um sparring duro e dessa vez eu consegui".
Mais UFC SP: Luta a LutaIngressos à venda | Card completo | Playlist de vídeos no YouTube
“Eu acabava ficando um pouco sobrepeso no peso-pesado, e tem uns caras que são pesos-pesados naturalmente. A estrutura óssea deles é maior. Isso acabou me prejudicando um pouco”, explicou KLB sobre a descida para uma categoria mais leve, “Fiquei uns três anos como peso-pesado, tentei me tornar um peso-pesado, e acabaram acontecendo algumas lesões, acho que até por conta disso. Agora, desci para a minha categoria”.
As diferenças se estendem não somente ao que cada um dos atletas passou para chegar até o duelo, mas ainda às vantagens e desvantagens que eles esperam encontrar dentro do Octógono neste final de semana.
"Na categoria dos médios, a desvantagem é esse corte de peso que me debilita bastante. Por mais que a gente tenha 24 horas para se recuperar, a gente não consegue estar 100% para lutar. A vantagem é que estou no tamanho dos caras ou até um pouco maior”, disse Marreta, “Já nos meio-pesados, a desvantagem é estar menor do que um meio-pesado real, e a vantagem é que vou estar bem mais rápido e batendo mais forte do que costumo bater nos médios".
“Vou estar muito mais forte que eles”, garantiu KLB, “Se você treinou com um peso-pesado, você sabe a força que ele tem. A pancada que você recebe de um peso-pesado não é a mesma que na categoria de baixo”.
E enquanto Luis Henrique, que após somar 2-3 como pesado no Octógono, garante que chegou para ficar na nova categoria e quer trazer de volta os anos de glória do Brasil na divisão, quando teve campeões como seu ídolo pessoal Mauricio Shogun, Marreta deixou as opções em aberto.
Entretanto, após ver a chance de encarar o quinto colocado da divisão, Jimi Manuwa, cair por água abaixo com uma lesão do inglês a seis dias do evento, ele garante que, independentemente do resultado deste final de semana, voltará pelo menos mais uma vez como meio-pesado.
"Não vai ser um teste como eu queria. Apesar de eu bater 93kg num dia e lutar no outro, o que é novidade para mim, queria me testar realmente contra um adversário meio-pesado, maior, como o Manuwa, com outra estrutura física, que bate mais forte, é mais lento. Esse seria o teste para mim nos meio-pesados”, explicou, “Na verdade, agora vou lutar com um cara médio como eu, então não vai ser um teste real como eu queria. Ainda quero fazer esse teste contra um meio-pesado mesmo".
Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube