Pular para o conteúdo principal

Prévia: UFC 175

Acesse o Bolão UFC exclusivo e faça previsão de todas as lutas do card!

Chegou a hora do UFC 175! O evento realizado como uma das 'cerejas do bolo' da semana mais nobre do ano da organização traz esperada disputa do cinturão dos médios, entre o campeão Chris Weidman e o desafiante Lyoto Machida.

Soberana entre as mulheres, a campeã Ronda Rousey entra em ação novamente e tenta manter o riscado de vitórias contra Alexis Davis. Análise das duas lutas principais abaixo.

Chris Weidman x Lyoto Machida

O grande dilema de quem enfrenta Machida é domar a paciência em um cenário em que a adrenalina está a mil por hora e a vontade de enfiar o punho no rosto do adversário é inerente.

As dimensões grandes do octógono aliadas ao poder de entrada/saída sistemático do brasileiro compõem fórmula irritante para qualquer um.

No caso de wrestlers sem tanto cacoetes ou outros recursos em pé para fintar, usar movimentos ou golpes de aproximação (como steps, jabs e chutes com a perna da frente da postura de luta), o cenário pode ser ainda mais agravante.

Neste panorama, o campeão Chris Weidman tem o que ninguém mais tem: duas vitórias sobre Anderson Silva. Mesmo assim, ainda carrega a sina do ‘algo a provar’ nesta jornada como campeão, e confia em vitória sonora sobre o carateca como ponto de partida para isso.

No choque de estilos, o ponteiro bate nos 50/50. Weidman tem a vantagem da envergadura, e a média confiável de 68% de aproveitamento nas quedas que tanto permeiam seu estilo.

Nas duas apresentações entre os médios, Machida tem demonstrado excelente atleticismo e um jogo reciclado dentro das próprias características, com técnicas cada vez mais refinadas e velocidade acima da média. A defesa de quedas do brasileiro - aspecto que provavelmente será colocado para teste em algum momento contra o adversário da vez - beira os 80%.

Invicto no octógono, com sete vitórias, o campeão tem se mostrado um lutador de ímpeto nos momentos iniciais. Machida é o cara que mais dinamiza e cadencia a luta a seu modo na organização. Lutão à vista? Tomara!


Ronda Rousey x Alexis Davis

A campeã Rousey encaixou jogo  tão preciso no grappling que ainda não teve a fórmula decifrada. Mais do que isso, tem se dedicado pesado ao striking para ‘maturar’ a coisa toda. Se o jogo é considerado 'manjado' por muitos, tem carimbado cada vez mais vitórias ao currículo da loira.

No panorama feminino atual do UFC, é difícil vislumbrar alguém com cacife suficiente para vencer Ronda. Davis é uma lutadora que usa e abusa da raça em suas atuações, tem boa experiência e habilidades de solo refinadas, mas ainda peca um pouco em algumas transições.

A canadense ainda não foi finalizada, fato que será grande 'fiel da balança' para esta luta, certamente colocado à prova contra a campeã, uma das maiores 'colecionadora de braços' do esporte. Resta saber até que ponto o cargo de 'apenas mais uma para a campeã' será vigorante na edição 175.

MAIS!

Luta da noite

Weidman x Machida. Tudo para ser mais uma grande obra-prima estilística. Pra quem gosta de técnica, um dos pratos mais cheios da temporada.

Nocaute da noite

Fique esperto em Uriah Hall x Thiago 'Marreta' Santos. Overhands, golpes giratórios e outras coisas que desafiam as leis da gravidade por todos os lados.

Finalização da noite

Quem não crê que Ronda Rousey levará mais um braço para casa? 

Personagem da noite

Stefan Struve. A 'torre' holandesa de 2.11 m passou maus bocados recentes, quebrou a mandíbula, teve sérios problemas cardíacos e foi desenganado por alguns médicos. O combate contra Matt Mitrione terá significado todo especial para o europeu.

Sempre o cara?

Urijah Faber. O Calfornia Kid encara Alex Caceres e segue com a missão de engordar cada vez mais o cartel pela organização e atestar a condição constante de desafiante.