Pular para o conteúdo principal

Renato Moicano: "Não quero ser famoso; quero ser campeão"

Brasileiro comenta vitória sobre Swanson e os planos para o futuro no Octógono


O ano de 2018 tem sido marcado por renovações em quase todas as divisões do Ultimate, mas nenhuma se dá de forma tão clara e profunda quanto a dos pesos-pena.
Após a consolidação do campeão Max Holloway e a ascensão de Brian Ortega ao posto de desafiante número um da categoria, outro jovem talento acaba de chutar a porta e entrar no Top 5 da categoria: Renato Moicano, de 29 anos, que finalizou Cub Swanson no primeiro round no último final de semana, e saltou para a quarta posição no ranking da divisão.
Esta foi a maior vitória da carreira do brasileiro que já esperava o resultado - só achava que demoraria um pouco mais para consegui-lo.
“A gente teve uma surpresa, que foi ter sido no primeiro round”, disse Moicano sobre o triunfo no UFC 227, em conversa com a reportagem do UFC Brasil, “Eu ia tentar botar ele no chão no segundo round, mas acabei derrubando porque apliquei um bom golpe com a mão esquerda, ele caiu e acabei capitalizando. Ele acabou levantando, mas eu derrubei novamente e finalizei a luta. Eu estava esperando, na verdade, uma vitória por finalização; mas no segundo round”.
Veja também: Moicano sobe nos rankingsRaio-X: Moicano x Swanson
Logo após a vitória, Moicano declarou o desejo de enfrentar Brian Ortega, seu único algoz na carreira, que o finalizou em 2017.
Depois de superar o brasiliense, “T-City” somou triunfos sobre o próprio Swanson e sobre Frankie Edgar, se consolidando como o próximo desafiante ao cinturão dos penas. E apesar de o duelo com Holloway ainda não ter uma previsão para acontecer, devido aos problemas de saúde do havaiano, Renato sabe que será difícil convencer Ortega a lhe dar a revanche.
“Foi uma luta bem disputada, muita gente dizendo que ele estava ganhando, muita gente dizendo que eu estava vencendo. Ali no ringue não dá para saber, então tentei deixar tudo e infelizmente acabei sendo pego em uma guilhotina”, disse, “Mas vejo que para minha maturidade como lutador e como pessoa foi importante essa derrota, eu absorvi bem ela e hoje uso ela de combustível”.
“Os passos que o Ortega fez foram justamente os que eu queria fazer caso vencesse ele: eu queria lutar com o Cub Swanson e depois iria desafiar o Frankie Edgar”, continuou, “Era mais ou menos o que eu queria agora, o problema é que venci o Cub Swanson e o Frankie Edgar está com luta (contra Chan Sung Jung no UFC Denver, em novembro). Queria lutar com o Ortega, mas cada vez mais acho difícil, ele não vai querer lutar. Mas tenho certeza que vou enfrentar um dos três à minha frente e depois terei minha chance pelo título”.
Certamente Renato deu um grande passo nessa direção no último final de semana, quando impressionou até o chefe Dana White, que, após o evento, classificou a performance do brasileiro como “incrível”.
A entrada no Top 5 representa uma mudança de panorama para Moicano. Mas o brasileiro, que em todas suas entrevistas esbanja lucidez, trata isso bem à sua maneira.
“Eu gosto de treinar, gosto de competir. Meu objetivo verdadeiro é um dia ter o cinturão, então vou fazer tudo o que eu puder para isso. É claro que gosto de ter pessoas que gostam do meu trabalho, mas meu objetivo não é ter fãs, ser famoso; meu objetivo é ser campeão”, concluiu.
Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube