Pular para o conteúdo principal

Ronda Rousey manda mais um recado a Bethe Correia antes do UFC 190

Em entrevista, atual campeã dos galos se colocou em outro patamar em relação a brasileira
 


A atual campeã dos pesos-galo Ronda Rousey mandou mais um recado para Bethe Correia, adversária na luta principal do UFC 190, que acontece no próximo sábado, no Rio de Janeiro. Em solo brasileiro desde a última sexta-feira, Ronda avaliou as capacidades de sua oponente, mas garantiu estar melhor preparada e ser melhor que a brasileira em todos os quesitos.
"Não acho que a Bethe seja melhor do que eu em nenhuma área, mas como atleta eu a respeito muito. Bethe não está invicta à toa, ela é uma grande competidora e é por isso que levo essa luta muito a sério. Treinei o mais duro possível para ela, porque sei que ela virá mais preparada do que nunca. Eu sacrifiquei mais coisas do que ela, suei mais, dei mais sangue e chorei mais na minha vida do que ela já imaginou. Cresci tanto ao longo dessa preparação, mais até do que eu achei que pudesse um dia. Não há nenhuma possibilidade de Bethe chegar ao meu nível um dia. Mas isso não significa que eu a desrespeite como atleta. Ela está lutando pelo título porque é uma das melhores. O problema é que vai descobrir que eu estou muito acima dela", declarou em entrevista exclusiva ao Canal Combate.
Confira a entrevista completa com Ronda Rousey:

Quem é a mais odiada: Miesha ou Bethe?

"Odiar é uma palavra muito forte, que eu não gosto de usar, mas definitivamente minha antipatia por Bethe é maior do que a que eu tenho pela Miesha. Isso é verdade. Ela desrespeitou as pessoas com as quais me importo muito mais do que a Miesha. E sim, tudo é possível, eu já pensei que poderia não gostar de alguém tanto ou mais do que não gosto da Miesha. E eu não me arrependo, porque essas garotas fazem muito dinheiro quando me irritam (risos)".

Se considera sempre a favorita?
"Na minha cabeça, eu sou sempre a zebra, sou sempre a lutadora que tem algo a provar. Sempre sinto que estou lutando contra o mundo quando piso no octógono. Não entro lá pensando que tenho uma vantagem só porque já fui campeã antes. Essa é uma característica minha. Desde que comecei a lutar MMA, eu não gosto de segurar o cinturão antes de uma luta, porque se eu tivesse que entrar em um campeonato de judô ostentando as minhas medalhas conquistadas no ano anterior, acho que me sentiria estúpida. Por que fazer isso? O que você fez antes não tem nada a ver com o que você está fazendo naquele momento, é um capítulo completamente novo. Eu sempre penso que tenho muito mais a perder e a provar. Acredito que sempre há muito mais pressão sobre os meus ombros e me saio melhor assim. Eu quero ser uma daquelas atletas únicas que se aposentam no topo e a razão pela qual as pessoas não acreditam que isso seja possível, é porque ainda é algo muito incomum, mas vou provar ao mundo que é possível".
Pode revelar a sua estratégia para a luta de sábado?
"Eu acho que vocês terão que ver a luta para conferir o meu plano, mas, como exemplo, se você assistir de novo a minha segunda luta contra a Miesha, tiveram algumas possibilidades de eu levá-la para o chão, mas eu insisti em manter a luta em pé para castigá-la mais".
O que pensa sobre o brasileiro José Aldo?
"O tipo de domínio que José Aldo é capaz de manter por tanto tempo tem sido uma grande inspiração para mim. Ele está invicto há tantos anos! Outra coisa que me inspira é que a sua única derrota foi bem no começo de sua carreira. É incrível que ele tenha mais de 10 anos de domínio absoluto. Essa jornada tão sensacional, com ele no topo de sua divisão por tanto tempo, é algo realmente inspirador".
E a torcida brasileira?
"Se a torcida estiver dividida, vai ser uma experiência maravilhosa! Eu sempre quis ter uma experiência à la Rocky Balboa. Se  realmente puder trazer a torcida para o meu lado no final, vai ser um sonho se tornando realidade. Toda vez que venho competir no Brasil, mesmo que a torcida não goste de mim ou torça contra mim, ainda tenho uma experiência super incrível. Há tanta energia aqui, que ela toma conta do ambiente. É uma atmosfera única e é um privilégio lutar em frente ao público brasileiro. Eu já lutei em vários lugares no mundo, e os ginásios muitas vezes estavam vazios, ninguém dando a mínima para o combate e isso era algo que eu não gostava. Lutei aqui no Mundial de 2007 e os fãs brasileiros estavam enlouquecidos. Me lembro de ver os brasileiros fazendo tanto barulho que foi como se estivessem colocando o teto da arena abaixo e aquilo foi uma das coisas mais legais que vi na vida".
Como será dividir o card com Minotauro e Shogun?
"É uma honra muito grande fazer parte de um card ao lado de lendas como o Maurício Shogun e o Rodrigo Minotauro no país deles. A única coisa ruim é que eles estão lutando antes de mim. Seria muito bom se eu pudesse lutar e assisti-los lutar em seguida (risos). É uma honra estar na mesma arena e lutando na mesma noite que eles. Eu espero que eles façam lutas muito empolgantes e que os dois saiam com saúde e comemorando uma performance memorável em seus duelos".
As diferenças entre o Mundial de Judô no Rio e o UFC?
"Quando eu vim competir no Mundial de Judô, em 2007, aqui no Rio, fiquei chateada com o tratamento dado aos atletas. Foi injusto porque nós ficamos em um hotel bem inferior, enquanto os árbitros e juízes estavam em hotéis bem mais luxuosos. Na verdade, eu poderia ter ficado em uma caixa de papelão na praia, no Brasil que estaria feliz, porque aqui é lindo. Mas fiquei frustrada pela diferença de tratamento, foi injusto eles gastarem tanto dinheiro com os árbitros e não com os atletas. Eu sempre tenho uma estada maravilhosa aqui. Onde estou ficando agora me faz apreciar ainda mais essa jornada e o momento, o quão longe cheguei na minha carreira. É absolutamente lindo! A minha janela está aberta agora mesmo e estou vendo a praia tão pertinho. Estou amando esse lugar!".
A passagem pelo Brasil será mais longa?
"Eu trouxe a minha família inteira para o Rio e vamos tirar férias aqui logo após a luta. Faz muito tempo que não tiro férias, então achei que se tivesse que viajar para qualquer lugar teria que ser no Brasil, porque eu amo tanto esse país. Vamos passar um tempo aqui, vou tomar aquele famoso drink brasileiro, a caipirinha. Vou celebrar a vitória sobre a Bethe tomando muita caipirinha com a minha família".
Assine o Canal Combate e assista ao vivo ao UFC 190, no sábado, a partir das 20hs. Na sexta-feira, confira a pesagem dos atletas a partir das 18hs.
Confira o card completo do UFC 190:
CARD PRINCIPAL - a partir de 23h (horário de Brasília)
Peso-galo: Ronda Rousey x Bethe Correia
Peso-meio-pesado: Mauricio Shogun x Rogério Minotouro
Final do TUF Brasil 4 peso-leve: Fernando Acougueiro x Glaico França
Final do TUF Brasil 4 peso-galo: Dileno Lopes x Reginaldo Vieira
Peso-pesado: Stefan StruveRodrigo Minotauro
Peso-pesado: Antonio Silva Pezão x Soa Palelei
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Jessica Aguilar

CARD PRELIMINAR - a partir de 20h (horário de Brasília)
Peso-meio-médio: Demian Maia x Neil Magny
Peso-meio-pesado: Rafael Cavalcante Feijão x Patrick Cummins
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Nordine Taleb
Peso-galo: Iuri Alcântara Marajó x Leandro Issa
Peso-médio: Vitor Miranda x Clint Hester
Peso-galo: Hugo Wolverine x Guido Cannetti