Pular para o conteúdo principal
Notícias

Rose se diz honrada em lutar no RJ, e Jessica afirma ser a "zebra" do combate

Primeiro encontro entre atletas do UFC 237 aconteceu no Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro já está começando a respirar UFC.

Algumas das estrelas do UFC 237, que acontece em 11 de maio, se reuniram pela primeira vez nesta quinta-feira em coletiva de imprensa realizada no Copacabana Palace. Ali, em um dos hotéis mais famosos do Brasil, Rose Namajunas, Jessica Andrade, José Aldo e Rogério Minotouro discutiram a importância de ter o Octógono montado mais uma vez na Cidade Maravilhosa, e os aspectos que cercam suas lutas.

As representantes da luta principal do UFC 237 ficaram frente a frente em Coletiva de Imprensa nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro. Evento acontece em 11 de maio.

Brasil

Garanta seus ingressos para o UFC 237 a partir de 3 de abril. Confira o site oficial para mais informações: www.ufc.com.br/ufc237

Rose no Brasil

Campeã peso-palha, Namajunas fez questão de elogiar o país e explicou a decisão de ir até a cidade da oponente para defender seu título.

“É uma honra estar nessa cidade. Esta é a casa do MMA e do jiu-jítsu, que salvaram a minha vida e melhoraram o que vivo. Então o mínimo que eu posso fazer e dar um show para os fãs aqui e mostrar o quanto sou agradecida”, afirmou.

É uma honra estar nessa cidade. Esta é a casa do MMA e do jiu-jítsu, que salvaram a minha vida

Rose Namajunas

A norte-americana, que vai para a sua segunda defesa de cinturão, ainda falou que não hesitou muito em aceitar o duelo em uma cidade onde o público possivelmente estará torcendo pela adversária.

“Eu sempre penso duas vezes sobre as coisas, mas faço isso para me desafiar. Obviamente, a Jessica conquistou o direito de lutar pelo cinturão e também o direito de lutar em sua cidade. Ela sempre tem que visitar outras cidades para lutar”, declarou, reforçando que não se sente ameaçada com a possibilidade de ter a torcida contra ela.  

“Esse lugar é lindo, e adoraria que as pessoas parassem de dizer que aqui é um ambiente hostil. Coisas acontecem em todos os lugares, mas aqui é muito bonito e amo estar aqui”.

Jessica, a Zebra

Lutando pelo cinturão mais uma vez, Jessica Bate-Estaca vem sendo apontada por muitos como a mulher que conseguirá tirar o cinturão de Rose. Mas com a humildade que é sua característica, a brasileira disse que se considera longe de ser uma favorita do combate.

“Eu me considero sempre a zebra. A Rose é a campeã, ela venceu a Joanna duas vezes e eu não consegui. Acredito que eu evoluí muito daquela luta para hoje. Quando as pessoas falam que meu jogo é melhor que o dela, eu desacredito porque todas somos boas em alguma coisa. A única diferença é que eu tenho muita força, eu tenho a parte de chão boa e a trocação agressiva, mas a Rose tem mostrado muita evolução”, disse.

“Acredito que lá dentro vai ser o momento de se testar. Eu vou entrar como zebra, e luto melhor assim porque acredito que tenho que dar o meu melhor lá dentro. Para mim ela é a favorita, e eu estou indo fazer meu trabalho”.

Depois do susto, Aldo luta no Rio

A notícia de que José Aldo estava internado para tratar de uma infecção e talvez não pudesse atuar no Rio causou um susto nos fãs, mas agora não há por que se preocupar.

“No sábado passei por uma punção e eles conseguiram tirar tudo o que tinha de ruim e domingo voltei para casa. O joelho está um pouco inchado ainda, mas estou fazendo um treino por dia pensando já em voltar a treinar forte”, disse

“Eu pensei que ia sair da luta, mas o Dedé me tranquilizou e eu esperei. Não estou 100%, não tem como estar, mas amanhã converso com o médico para ter a resposta”, afirmou.

Minotouro e o crescimento do esporte

Rogério Minotouro é uma das lendas que estará presente no evento em maio. Perguntado sobre a sensação de lutar em casa mais uma vez, o veterano se lembrou dos tempos que competia no Japão.

“Para mim é emocionante voltar a lutar aqui no Rio de Janeiro. Outro dia achei uma entrevista do Rodrigo garotinho, com uns 20 e poucos anos, falando que queria se aposentar o dia em que o esporte se tornasse tão conhecido no Brasil como era no Japão, e hoje vendo isso acontecendo no Brasil. Lutar aqui perto da minha casa tem um sabor muito especial”, disse.