Pular para o conteúdo principal
Entrevistas

Seis perguntas para Cláudio Hannibal

Meio-médio brasileiro volta à ação contra Danny Roberts neste sábado (16), no UFC Londres

As lesões têm perseguido o brasileiro Cláudio Hannibal. Após passar por cirurgias nos dois pés, que o afastaram do Octógono entre 2014 e 2017, o meio-médio voltou à ação em maio de 2018 com vitória redentora sobre Nordine Taleb por finalização no primeiro round.

E quando parecia que tudo havia ficado no passado, um outro problema surgiu no final do ano passado, colocando Hannibal de molho mais uma vez.

Neste sábado (16), ele retorna à ação em duelo contra Danny Roberts no UFC Londres e, a respeito disso, respondeu seis perguntas para a reportagem do UFC Brasil.

Mais UFC Londres: Pedrita: "Vou mostrar quem sou de verdade"Confira o card completo

UFC Brasil: Em sua última luta, você encerrou um hiato de mais de três anos e não demonstrou a famigerada “ferrugem” de que tanto falam. Como foi para você voltar a lutar após tanto tempo?

Hannibal: Foi uma luta muito empolgante. Depois de todo esse tempo parado, minha família pedia para eu parar, os médicos falaram que eu não poderia voltar a lutar, até mesmo um apresentador falou que eu tinha 2% de chance de ganhar a luta - e eu fui lá e ganhei no primeiro round. Fiquei muito feliz, foi tudo que eu sonhava, ter uma volta desse jeito, bem impactante, e ter minha primeira finalização no UFC.

Claudio Silva comemora vitória no UFC Liverpool.

UFC Brasil: Logo a seguir, você assinou o contrato para a próxima luta, mas acabou sofrendo mais uma lesão. O quão frustrante foi isso?

Hannibal: Tive uma lesão na lombar. Fui treinar wrestling, e depois do banho, quando tudo esfriou, não conseguia me mexer. Não conseguia dobrar o joelho, nem me curvar. Foi muito frustrante. Eu estava muito bem preparado, treinei bastante para aquela luta, mas são coisas do esporte. É um esporte de alto impacto, e não existe uma tecnologia para prevenir lesões. Ossos do ofício. Ficou mais um aprendizado: enquanto não me sentir bem, não vou treinar. Hoje, escuto mais o meu corpo.

UFC Brasil: Você vive há muitos anos na Inglaterra e fez a grande maioria das suas lutas no país, mas o fato de enfrentar um inglês faz com que você ainda se sinta o “visitante” no duelo?

Hannibal: Não. Para mim não importa se a torcida está do meu lado ou contra. Não me importo se meu adversário é negro, branco ou oriental. É meu trabalho: vou entrar ali, lutar e não quero nem saber para que lado a torcida está; só quero chegar ali e vencer a luta, esse é meu foco maior. Moro aqui há 12 anos, sempre lutei contra ingleses e, como você disse, a maioria das minhas lutas foram aqui. Isso não vai diferenciar nada para mim.

Ficou mais um aprendizado: enquanto não me sentir bem, não vou treinar. Hoje, escuto mais o meu corpo.

Claudio Silva

UFC Brasil: Falando sobre o Danny Roberts, quais são, na sua opinião, os pontos fortes e fracos do seu adversário?

Hannibal: Ele tem a trocação muito afiada, é um cara atlético e acho que o chão dele não é muito bom, acho que ele perde muitas posições. Me vejo nocauteando ele. Venho treinando muito a parte em pé com o Alex Chadud, que é um treinador muito bom, e estou com total confiança para essa luta. Treinei muito, me preparei bastante e não vejo a hora de bater o peso e lutar no O2 Arena, que é do lado da minha casa. Eu olho o O2 Arena pela janela da minha casa, então estarei lutando no quintal de casa.

UFC Brasil: Considerando que você vem de três vitórias seguidas e já venceu um atual Top 10 da divisão (Leon Edwards), qual imagina que seja seu próximo passo na organização?

Hannibal: Essa é uma pergunta difícil. Hoje eu vejo pessoas com sete, oito vitórias consecutivas e nem no ranking estão. Hoje tem muito a questão do trash talk, das redes sociais, então só espero que depois dessa próxima vitória, me deem algum rankeado; senão, vou continuar lutando, porque o que me resta é treinar, lutar e vencer. Se aparecesse um Top 10, seria uma maravilha, mas eu sei que tenho que pensar em uma luta por vez. Agora, vou focar nessa luta, e depois tomara que a organização me dê alguém mais bem ranqueado.

UFC Brasil: Para finalizar, o que os fãs podem esperar de você neste sábado?

Hannibal: O mesmo Hannibal de sempre. Sempre agressivo, jogando para frente, com determinação. Me dediquei bastante ao camp, aos treinos, e estou feliz e focado. Vai dar Brasil na cabeça.

Assine o combate | Siga o UFC Brasil no Youtube