Pular para o conteúdo principal
Entrevistas

“Sonhadora e ambiciosa”, Jéssica Andrade busca 2º cinturão no UFC 261

Brasileira desafia a campeã peso-mosca Valentina Shevchenko no dia 24 de abril

Em reta final de preparação para a disputa pelo título dos pesos-mosca contra Valentina Shevchenko no UFC 261, Jéssica Andrade está de olho em um lugar na história.

Ex-campeã peso-palha, ela poderá se tornar apenas a 2ª atleta nos oito anos de MMA feminino no Ultimate a conquistar cinturões em mais de uma categoria, se juntando à sua compatriota Amanda Nunes, atual detentora das coroas dos galos e dos penas.

E isso poderá acontecer já em sua 2ª luta nos 56 Kg, já que a paranaense estreou em sua atual divisão no último mês de outubro, quando nocauteou a então 1ª colocada no ranking Katlyn Chookagian no 1º round.

Inscreva-se para receber a Newsletter do UFC

Jessica Andrade of Brazil punches Katlyn Chookagian in their women's flyweight bout during the UFC Fight Night event inside Flash Forum on UFC Fight Island on October 18, 2020 in Abu Dhabi, United Arab Emirates. (Photo by Josh Hedges/Zuffa LLC)
Flyweight debut vs Chookagian October 18, 2020 on Fight Island (Photo by Josh Hedges/Zuffa LLC)

“Eu não gosto de ficar parada no mesmo lugar. Acho que a gente tem que ter sonhos e ambições para querer melhorar e evoluir a cada dia", disse Jéssica em entrevista ao UFC.com.br, “É muito bom parar e pensar: olha onde eu cheguei, estou indo para uma segunda disputa de cinturão em outra categoria, posso me tornar campeã de outra categoria”.

Essa natureza ambiciosa faz com que Jéssica não se contente em se imaginar como campeã peso-mosca. Para se manter motivada e faminta no UFC, ela mantém abertas as possibilidades de tentar reconquistar o cinturão peso-palha - que será disputado na mesma noite por Zhang Weili e Rose Namajunas -, ou até mesmo buscar o título dos galos, divisão pela qual competiu entre 2013 e 2015.

“É uma coisa que quero fazer mais para frente”, disse, sobre a possibilidade de tentar se tornar multi-campeã, “E acho que pode acontecer. Tudo depende muito do meu trabalho, de tudo o que eu faço dentro da organização”.

Mas o fato de pensar adiante não significa que a brasileira não esteja plenamente satisfeita com seu momento nos 56 Kg, ou absolutamente focada no enorme desafio que tem pela frente.

Valentina Shevchenko tentará, no dia 24 de abril, defender pela 5ª vez sua soberania na categoria, e está invicta em seis combates na divisão, com duas vitórias por nocaute e uma finalização. Sua vítima mais recente foi justamente outra brasileira: Jennifer Maia, quem superou por decisão unânime no último mês de novembro.

LAS VEGAS, NEVADA - NOVEMBER 21: Valentina Shevchenko of Kyrgyzstan celebrates her victory over Jennifer Maia of Brazil i

“Acho que essa categoria nova mudou bastante meu ânimo de treinar, me preparar”, disse, “Quando lutava nos 52 Kg, tinha que me preocupar mais com a alimentação e não ficar com o psicológico abalado, pensando, ‘Estou ficando muito fraca, não está dando certo’”.

“Nessa categoria, não tenho essa preocupação. Consigo treinar bem, forte e com gás para fazer os cinco rounds da mesma forma”.

E apesar de enfatizar a capacidade de lutar 25 minutos com o mesmo ritmo, a brasileira não espera precisar levar a disputa para a decisão dos jurados. Perguntada sobre como seria a luta ideal, caso tudo saísse conforme o planejado, ela respondeu:

“A forma mais perfeita seria nocautear no 2º ou 3º round. A estratégia é colocar a luta para baixo, cansar os braços da Valentina para ela perder um pouco da velocidade, do gás, da energia, da força que ela tem muita. Perfeito mesmo seria um nocaute no 2º ou no 3º round".

Assine o Combate | Siga o UFC Brasil no Youtube