Pular para o conteúdo principal
/themes/custom/ufc/assets/img/default-hero.jpg

Top 10: as lutas imperdíveis de abril

Serão três eventos e muita ação no octógono neste mês

O mês de abril terá três eventos do UFC recheados de lutas sólidas, as quais merecem a sua atenção. Aqui vai uma lista dos duelos mais importantes para ficar de olho.

Este é o top 10 de abril.

UFC 210 - 8 de abril

Will Brooks x Charles Oliveira

Não há muito espaço para o erro na divisão dos leves, e com a competição sendo muito dura no topo, tanto Brooks quanto Oliveira chegam ao octógono com a necessidade de provar um ponto para manter o destaque em uma das categorias mais profundas.

Brooks vem de derrota no terceiro round para Alex Oliveira em outubro, quando uma costela quebrada limitou suas habilidades no octógono e o brasileiro, que chegou significativamente acima do peso, venceu. Depois de um período no peso-pena no qual não conseguiu bater o peso em quatro ocasiões, Charles volta aos leves na esperança de recomeçar sua promissora carreira.

Ambos precisam se recuperar de fases ruins - Oliveira ainda mais, tendo perdido três de suas últimas quatro - e com o peso-leve sendo uma das categorias mais concorridas, uma simples vitória por pontos não é o suficiente. Ambos são capazes de serem desafiantes no futuro, então Buffalo deve ver o melhor de "Ill Will" e "Do Bronx".

Chris Weidman x Gegard Mousasi

É preciso tirar o chapéu para Chris Weidman. Vindo de derrotas consecutivas - as duas primeiras de sua carreira - o norte-americano poderia ter pedido uma luta mais fácil, algo menos perigoso, na qual a vitória parecia ser mais provável.

Em vez disso, ele enfrentará um dos melhores atletas da divisão. Isso ou é prova de sua raça e determinação, ou é uma má ideia que ainda não se concretizou. De qualquer maneira, o duelo contra Mousasi deverá ser de outro mundo.

Enquanto Weidman vem de derrotas, Mousasi está em ótima fase, vencendo quatro seguidas e liquidando as últimas três. Considerado um dos talentos mais enigmáticos do esporte, o atleta de 31 anos parece ter se encontrado, e está de olho no topo da categoria.

Mais UFC 210: Weidman inspirado por filho | DC-Rumble, Weidman-Mousasi prontos para lutar | Cormier relembra Anderson Silva: "Luta mais fácil" | Melhores disputas de cinturão no meio-pesado | Como é levar um golpe de Anthony Johnson? | Cormier fora de controle | Treinador relata evolução de Rumble | Do Bronx motivado por nascimento da filha | Card completo | Confira o calendário 2017 do UFC

Daniel Cormier x Anthony Johnson – Vale o cinturão meio-pesado

Os ocupantes dos assentos de imprensa quase caíram no chão quando Anthony Johnson derrubou Daniel Cormier com um soco no UFC 187. "DC" se recuperou e colocou Johnson em uma má posição, finalizando no terceiro round. Mas "Rumble" precisou de um pouco mais que sete minutos para despachar seus últimos três oponentes, acertando todos com socos similares ao que deu em Cormier, confirmando a revanche.

Cormier recebe muitas críticas por não ter defendido o título desde que venceu Alex Gustafsson no UFC 192, em outubro de 2015, como se os eventos que aconteceram antes do UFC 200 fossem algo desejado por ele. Mas depois de cuidadosamente vencer Anderson Silva em julho e ser forçado a adiar uma luta em dezembro, o campeão tem algo a provar e sabe disso. Logo, a sequência deverá ser ainda melhor que a primeira luta.


UFC Kansas City: Johnson x Reis - 15 de abril

Patrick Williams x Tom Duquesnoy

Antes que pense que sou louco por incluir uma luta entre dois caras que você provavelmente não conhece, pare um pouco e confie em mim.

Duquesnoy é uma das grandes promessas do esporte. Um talento com nível de campeão e com potencial para ser uma estrela do UFC nos próximos anos.

Campeão em duas categorias no BAMMA e invicto em suas últimas 11 lutas, o francês de 23 anos vem recebendo boas críticas nos últimos anos, e terá a chance de causar um impacto imediato na rica divisão dos galos. Contra Williams, ele terá um duro wrestler em busca de redenção depois de ficar afastado após sua primeira vitória no UFC - uma finalização em 23 segundos sobre Alejandro Perez no UFC 188.

Será que o lutador de 35 anos acabará com o hype de Duquesnoy antes mesmo de começar, ou será que o prospecto chamará atenção em sua estreia?

Ronaldo Souza x Robert Whittaker

Não é preciso dizer muito mais do que "Jacaré vai enfrentar 'The Reaper'", ou que os números três e seis da divisão mais competitiva do UFC medirão forças, mas vamos falar mais só por diversão.

Depois de bater Vitor Belfort com relativa facilidade no ano passado, Jacaré viu escapar a chance de enfrentar Luke Rockhold em novembro, e aceitou se manter em atividade contra Tim Boetsch em fevereiro, quando lembrou a todos o motivo de ser considerado um dos melhores da divisão, finalizando "The Barbarian" em 3m41s.

Tudo o que Whittaker fez desde que mudou para o peso-médio foi vencer cinco seguidas, parando Derek Brunson em um round no card que deveria ter sido liderado por Jacaré e Rockhold. Dono de mãos rápidas e explosivas, e com um queixo de adamântio, o campeão do TUF pode se estabelecer como uma ameaça real ao título caso vença essa.

Rose Namajunas x Michelle Waterson

Essa luta já seria interessante por si só, mas o fato de que ela pode determinar a próxima desafiante peso-palha faz com que a luta entre Rose Namajunas e Michelle Waterson, o segundo duelo principal do UFC Kansas City, seja ainda mais intrigante.

Afastada por 18 meses com várias lesões depois de sua estreia no UFC, Waterson retornou com uma finalização incrível sobre Paige VanZant, estabelecendo-se como uma séria desafiante no ranking até 52kg. Namajunas percebeu, e logo começou a campanha para enfrentar a integrante da Jackson-Winkeljohn, e agora terá o desejo realizado.

A finalista do TUF foi derrotada por Karolina Kowalkiewicz no UFC 210, mas continuou a mostrar evolução mesmo na derrota. Aos 24 anos e prestes a pisar no cage pela décima vez como profissional, Namajunas não teve vida fácil no UFC, e ninguém deve de surpreender quando a norte-americana juntar todas as habilidades e tiver uma performance de abrir os olhos no octógono.

Demetrious Johnson x Wilson Reis – Vale o cinturão peso-mosca

Originalmente marcada para o UFC 201, a luta foi adiada após uma lesão forçar Johnson a ficar de molho, e Wilson para o fundo da fila quando teve que assistir o campeão voltar e defender o título contra o campeão do TUF 24, Tim Elliott, em dezembro.

Mas depois de um par de vitórias, o brasileiro finalmente terá sua chance, enquanto Johnson tentará igualar o recorde de defesas de título consecutivas no UFC, que pertence a Anderson Silva.

Reis teve boas performances sobre Hector Sandoval e Ulka Sasaki enquanto mantia seu lugar. Ora uma promessa, o atleta de 32 anos afiou seu arsenal sob a tutela de Erick Del Fierro na Alliance MMA, e traz uma abundância de experiência para a maior luta de sua carreira.

O que mais pode ser dito sobre Johnson nesse ponto? Ele dominou a categoria dos moscas desde o início, sendo o primeiro e único dono do cinturão, e terá a chance de igualar a marca que parecia intangível quando Anderson ainda reinava no peso-médio.

O "Mighty Mouse" é um dos melhores de todos os tempos, e esse encontro potencialmente histórico será imperdível.


UFC Tennessee: Swanson x Lobov - 22 de abril

Dustin Ortiz x Brandon Moreno

Se na semana anterior teremos uma disputa do título peso-mosca, um dos principais combates do card da Cidade da Música deve ajudar a endireitar a fila de desafiantes da categoria até 55kg.

Natural do Tennessee, Ortiz é parte do Top 15 desde que entrou no UFC, há pouco mais de três anos, com uma vitória no terceiro round sobre Jose Maria Thome. Desde então, o lutador de 28 anos dividiu o octógono com alguns dos melhores da categoria, chegando ao oitavo lugar no ranking.

Moreno usou os últimos três meses de 2016 para se revelar, surpreendendo ao vencer Louis Smolka com pouco tempo de antecedência em outubro, e vencendo Ryan Benoit dois meses depois. A luta contra Ortiz é um degrau acima no nível de competição para o mexicano de 23 anos, e deverá ser uma boa maneira de ver onde ambos estão na categoria.

Al Iaquinta x Diego Sanchez

O campeão original do The Ultimate Fighter (desculpe, Forrest) e último homem ainda em atividade da temporada inaugural do programa, Sanchez tem uma carreira que agora espelha seu estilo de luta: mesmo quando você pensa que não há como ele seguir em frente, ele continua em pé e segue indo para cima.

Em novembro, o peso-leve de 35 anos estragou a estreia de Marcin Held no UFC, escalando a grade do octógono para escapar de uma guilhotina no primeiro round e dando duro nos assaltos seguintes para conquistar sua 29ª vitória. Agora ele recebe Al Iaquinta de volta, e tentará cortar o progresso do rival pela raiz, assim como fez com Held.

"Raging Al" volta em posição interessante, com uma sequência de vitórias que inclui nomes como Ross Pearson, Joe Lauzon e Jorge Masvidal, mas depois de dois anos sem lutar, ele não se encontra perto do topo da categoria. Antes do hiato, o integrante da Serra-Longo mostrou wrestling forte, boas mãos e a intensidade que bate de igual para igual com a de Sanchez.


Cub Swanson x Artem Lobov

Depois de ver sua sequência de seis vitórias ser interrompidas por derrotas consecutivas, Swanson tirou um ano de folga para descansar e redescobrir sua paixão pelo esporte. Retornando em abril do ano passado, "Killer Cub" conquistou três vitórias em 2016, a última sendo uma candidata à Luta do Ano contra Dooho Choi no UFC 206.

Agora o peso-pena, que em breve será pai, tentará conquistar mais um triunfo, desta vez sobre o durável e perigoso Lobov, em luta que fala muito sobre o espírito competitivo de Swanson.

A combinação de duas vitórias deu a Lobov uma grande oportunidade: a chance de de estabelecer instantaneamente como um desafiante na divisão dos penas, uma categoria tão profunda e competitiva. Mas timing é tudo, e seu estilo de ir com tudo promete criar uma mistura explosiva quando combinado com o arsenal de Swanson.

Marque minhas palavras: esta luta terá fogos de artifício, e será um ótimo jeito de terminar um mês de muita ação no octógono.

Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube | Visite a UFC Store | Baixe o aplicativo do UFC