Pular para o conteúdo principal
/themes/custom/ufc/assets/img/default-hero.jpg

Top 10: As melhores lutas do UFC em setembro

Confira o que esperar dos eventos deste mês

Com o inverno se aproximando do fim, as coisas ficam mais quentes do que nunca no UFC, com quatro cards em finais de semanas consecutivos no mês de setembro.
Apesar deste mês não ter um card histórico como o UFC 200, em julho, ou uma aguardada revanche como entre Nate Diaz e Conor McGregor, em agosto, as atrações para os próximos quatro eventos incluem um campeão defendendo o título em casa, nomes familiares retornando à ação, possíveis desafiantes tentando assegurar disputas de título em suas divisões e um cara chamado Punk.
Aqui estão as lutas imperdíveis do próximo mês.
Este é o Top 10.
UFC Hamburgo: Arlovski x Barnett (3 de setembro, Hamburgo, Alemanha)
Alexander Gustafsson x Jan Blachowicz
Competindo pela primeira vez desde a derrota para o campeão Daniel Cormier, Gustafsson volta à ação contra o polonês Jan Blachowicz na penúltima luta do primeiro evento do mês.
Gustafsson está em uma posição estranha no momento - ele perdeu três de suas quatro últimas lutas, mas duas delas foram disputas de título extremamente equilibradas, deixando claro que ele é um dos melhores da divisão meio-pesado.
Para o sueco de 29 anos, o encontro com Blachowicz neste final de semana é a chance de um recomeço, a chance de virar a página nas derrotas pelo cinturão e começar a mostrar que cresceu a partir destas batalhas, e que não está disposto a ficar no quase em uma possível terceira oportunidade. Para Blachowicz, esta é a chance de ouro de furar a fila no ranking dos meio-pesados.
Andrei Arlovski x Josh Barnett
Com 80 lutas somadas entre ambos e incontáveis anos no alto escalão dos pesos-pesados, parece estranho que Arlovski e Barnett nunca tenham se cruzado antes. Melhor para Hamburgo, que ganhou a batalha entre os veteranos para fechar o card deste sábado.
Após uma sequência de quatro vitórias seguidas que quase o levaram a uma disputa de título, Arlovski acabou perdendo as últimas duas, o que não é tão ruim quanto parece, já que as derrotas foram para os dois homens que disputam o título da categoria na próxima semana.
Apesar de Barnett ter alterado vitórias e derrotas, com longos intervalos entre uma luta e outra no UFC, o “Mestre da Guerra” segue sendo uma perigosa ameaça para qualquer um que olhe para ele como um mero nome para adicionar ao currículo.
Esta luta tem um ar de nostalgia e deverá ser uma empolgante maneira de encerrar o primeiro evento do mês.
Leia também: Arlovski mira nocaute em Barnett | Barnett analisa fase de Arlovski | Gustafsson tenta superar ano ruim
UFC 203 (10 de setembro, Cleveland, Estados Unidos)
Jessica Andrade x Joanne Calderwood
Essa vai ser divertida.
Depois de figurar no Top 10 do peso-galo, Jessica Bate-Estaca desceu para o peso-palha e rapidamente se estabeleceu como uma força da divisão quando atropelou a ex-desafiante ao título Jessica Penne em sua estreia na categoria.
A brasileira é uma lutadora agressiva e poderosa que nunca anda para trás e, caso repita a performance anterior, pode se colocar na restrita lista de possíveis desafiantes ao cinturão em 2017.
Calderwood se recuperou da derrota para Maryna Moroz com duas boas performances, conseguindo uma vitória suada sobre Cortney Casey antes de passar por Valerie Letourneau.

Desde que se estabeleceu na equipe Tristar, no Canadá, Calderwood passou a mostrar por que tem sido considerada uma promessa desde sua passagem pelo Invicta FC, e caso passe por Jessica, estará um passo mais perto de se tornar realidade.
Urijah Faber x Jimmie Rivera

É preciso elogiar Faber.
Apenas dois meses após de perder em disputa de cinturão para Dominick Cruz, ele já está de volta no octógono em um confronto perigoso contra o embalado Rivera em uma luta na qual Faber não tem muito a ganhar.
Apesar disso, você sabe que na noite da luta, ele caminhará para o octógono com um sorriso de orelha a orelha e, quando a porta do octógono se fechar, ele irá para frente em busca de mais uma vitória.
Esse é um grande passo para Rivera, mas um que ele mereceu. Aos 27 anos, ele soma 18 vitórias consecutivas, incluindo três desde que chegou ao UFC.
Em janeiro, ele passou pelo brasileiro Iuri Alcantara, e caso consiga fazer o mesmo com Faber, Rivera se colocará no meio da briga por uma disputa de cinturão.
CM Punk x Mickey Gall
Quase dois anos após assinar com o UFC, e após dois atrasos por lesão, CM Punk, a ex-estrela do WWE finalmente fará sua estreia no octógono.
Houve muita especulação sobre como será Punk no octógono, mas toda conversa vai chegar ao fim em menos de duas semanas.
Gall pediu a chance de dar as boas vindas a Punk e ganhou sua chance quando finalizou Mike Jackson no início deste ano. Agora, o atelta de 22 anos ganha uma chance de se promover a outro nível de notoriedade como “O Cara que Venceu CM Punk”, caso, é claro, ele vença. Caso contrário, ele será “O Cara que Perder Para CM Punk”, e este título não seria tão divertido de carregar pelos próximos 20 anos.
Stipe Miocic x Alistair Overeem
Antes de LeBron James e os Cavaliers levarem o título da NBA para Cleveland, Miocic conseguiu o feito, quando nocauteou Fabricio Werdum alguns meses antes de King James e companhia destronarem o Golden State Warriors.
Agora, o campeão peso-pesado defende seu título em sua cidade, recebendo um dos mais condecorados pesos-pesados de sua geração.
Miocic chegou ao topo com um arsenal de golpes e ferramentas que fazem dele um dos atletas mais completos do esporte atualmente. Ele tem um poder devastador de nocaute, mas também têm fôlego para lutar cinco rounds em um ritmo impressionante.
Ele tem um boxe limpo e técnico, mas também lutou wrestling na faculdade, e pode colocá-lo de costas no chão quando você menos espera. Entrar no octógono com Miocic é como escolher seu próprio veneno, e com uma apaixonada torcida o apoiando em sua primeira defesa de título, não fique surpreso se virmos o melhor Miocic de todos nesta luta.
Mas Overeem já esteve neste tipo de situação antes e foi capaz de se reinventar ao longo dos últimos dois anos, achando novas maneiras de usar seus pontos fortes e corrigindo alguns dos pontos fracos que o atrasaram no passado.
Aos 36 anos, ele ainda é um risco iminente de nocautear com um golpe, e mostrou melhora no condicionamento físico e maior paciência durante sua atual sequência de quatro vitórias consecutivas. Além disso, ele tende a brilhar quando está sob os holofotes.
Se manter com o cinturão dos pesados tem sido uma das tarefas mais difíceis da história do UFC. Será que Miocic vai levar seus fãs à loucura, ou será que Overeem vai lembrar os fãs de Cleveland de seu longo histórico de derrotas na hora mais importante?
>> Acesse M.ME/UFCBRASIL e receba as notícias do UFC no Messenger do Facebook
UFC Hidalgo: Poirier x Johnson (17 de setembro, Hidalgo, Estados Unidos)
Uriah Hall x Derek Brunson
Essa é uma daquelas lutas que ninguém presta muita atenção - um duelo entre dois talentosos Top 10 pesos-médios que não tem a atenção que merece porque existem grandes nomes em grandes eventos acontecendo a todo momento. Mas não se enganem: essa é uma grande luta.
Hall retorna pela primeira vez desde a derrota para Robert Whittaker em novembro, após o cancelamento de última hora do seu duelo contra Anderson Silva.
Visto como um dos mais perigosos strikers na divisão, é hora de Hall mostrar que juntou todas as peças e está pronto para subir um degrau em sua carreira.
Considerando a sequência de quatro vitórias seguidas, e seis triunfos em sete lutas no octógono, Brunson não tem a atenção que merece.
Após ter começado sua carreira tardiamente, há apenas seis anos, o ex-wrestler universitário conquistou três vitórias consecutivas por nocaute ou finalização e pode se credenciar a um grande combate caso tenha mais uma boa performance.
Dustin Poirier x Michael Johnson
O que mais pode ser dito sobre Poirier desde que ele migrou para o peso-leve? “O Diamante” está brilhando mais do que nunca, soma quatro vitórias consecutivas e se tornou uma verdadeira ameaça na categoria.
Demonstrando o mesmo poder que possuía como peso-pena, mas com maior velocidade e melhor defesa, Poirier tem sido incrível, e pode se colocar entre os possíveis desafiantes ao título com uma quinta vitórias seguida.
Na intenção de frear a ascensão de Poirier está Johnson, que há pouco tempo estava com uma própria sequência de quatro vitórias e era considerado um possível desafiante.
Mas, depois da derrota por decisão para Beneil Dariush, e de ser batido por Nate Diaz em dezembro, “A Ameaça” agora busca se reestabelecer na busca pelo title-shot dos pesos-leves, e uma vitória sobre Poirier vai acelerar esse processo.
Independentemente de como essa luta termine, não tem como não ser empolgante.
UFC Brasília: Cyborg x Lansberg (24 de setembro, Brasília)
Francisco Trinaldo x Paul Felder
Todo mês tem uma luta da qual não se fala o suficiente, e, em setembro, a luta é esta.
Comendo pelas beiradas, Massaranduba somou seis vitórias consecutivas e está próximo de aterrissar no Top 15 dos pesos-leves.
Depois de nocautear Chad Laprise e passar por Ross Pearson na decisão, o brasileiro de 38 anos venceu Yancy Medeiros em uma verdadeira guerra em sua mais recente apresentação, no UFC 198.
Com vitórias consecutivas sobre Daron Cruickshank e Joshua Burkman, Felder colocou suas duas derrotas seguidas do ano passado para trás e voltou a ser o agressivo atleta que deixou todos intrigados no início de 2015.
“O Dragão Irlandês” oferece um verdadeiro teste a Massaranduba, e os dois batalham para decidir quem entra no ranking da divisão mais repleta de talentos do UFC.
Mais UFC Brasília: Conheça o VIP Experience | Informações completas | A primeira encarada de Cris e Lina
Cris Cyborg x Lina Lansberg
Depois da impressionante estreia no octógono no UFC 198, Cyborg faz agora sua primeira luta principal no Ultimate, e dá as boas vindas à sueca Lina Lansberg na organização, em uma luta em peso-casado (até 63,5kg).
Cyborg não perde há mais de uma década e tem sido absolutamente impecável recentemente, nocauteando no primeiro round cinco de suas últimas seis adversárias. A especialista em muay thai é uma das lutadoras mais agressivas do esporte, independentemente do gênero, e com orgulho vai em busca de mais uma performance brilhante em frente ao público brasileiro.
Lansberg tem a melhor oportunidade possível de construir seu nome com um nocaute sobre Cyborg em sua estreia no UFC. Como sua oponente, Lina não viu mais a derrota após ser superada em sua estreia profissional, e, mais recentemente, conquistou uma vitória por nocaute no segundo round sobre a veterana Maria Hougaard Djursaa em março.
Será que o domínio de Cyborg continuará, ou Lansberg chocará o mundo do MMA?
Assine o Combate | Siga o canal do UFC no YouTube | Visite a UFC Store | Baixe o aplicativo do UFC