Pular para o conteúdo principal

TOP 5 nocautes na carreira de Mayweather

Norte-americano encara Manny Pacquiao neste sábado (2), na “Luta de boxe do Século”

Invicto na carreira com 47 vitórias, o norte-americano Floyd Mayweather é considerado um dos maiores pugilistas da história. Neste sábado (2), “Money” irá enfrentar o filipino Manny Pacquiao na “Luta de boxe do Século”, colocando em jogo seus cinturões dos meio-médios do Conselho Mundial de Boxe (COB) e Associação Mundial de Boxe (AMB), contra o cinturão da Organização Mundial de Boxe (OMB), que pertence a seu rival. A luta entre ambos será realizada em Las Vegas e terá transmissão ao vivo e exclusiva do Canal Combate a partir das 22h.

- Assine o Canal Combate e não perca nenhum momento de Mayweather x Pacquiao

A equipe do UFC Brasil separou cinco grandes nocautes de Mayweather, que o ajudaram a ser um dos boxeadores mais temidos do mundo.

- Floyd Mayweather, o atleta milionário: talento no boxe vem de herança familiar

1 – Edgar Ayala – 1997 – Chula Vista
Na época, Mayweather era visto apenas como um ex-pugilista olímpico que tentava sucesso na carreira profissional. Era a quarta luta do boxeador como profissional, que enfrentaria o estreante mexicano Edgar Ayala. Utilizando a experiência passada nos treinamentos pelo tio e bicampeão mundial, Roger “Black Mamba” Mayweather, “Money” pressionou o oponente durante todo o combate, dando um verdadeiro show de movimentação e esquiva, até deixar Ayala desacordado com um belo cruzado de esquerda no segundo round.

2 – Bobby Giepert – 1997 – Las Vegas
A luta contra Bobby Giepert foi especial na carreira de Mayweather. Além de ser o sexto combate em sua carreira profissional, “Money” participava do card preliminar de Pernell Whitaker x Oscar de la Hoya, dois dos maiores pugilistas da história dos meio-médios. Apesar de não estar no duelo mais importante da noite, Mayweather não decepcionou e precisou de menos de dois minutos para levar Giepert à lona com uma belíssima esquerda.

3 – Louie Leija – 1997 – El Paso
Com apenas 20 anos e indo para sua décima luta nos super-penas, Mayweather teve pela frente o talentoso Louis Leija, que possuía 22 lutas a mais na carreira. Nesta época, “Money” já começava a se destacar pelas belas apresentações, sendo visto como uma das maiores promessas do boxe por fãs e especialistas. No primeiro round, Floyd já mostrou todo o seu talento e aplicou dois knockdowns em seu adversário, finalizando o combate no segundo assalto ao derrubar Leija mais duas vezes. 

4 – Ricky Hatton – 2007 – Las Vegas
Já consolidado no cenário do boxe mundial e vindo de uma vitória sobre a lenda Oscar de la Hoya, Mayweather teve pela frente o inglês Ricky Hatton, que não perdeu em 43 combates. Os pugilistas se provocaram durante toda a promoção da luta. Em umas delas, “Money” vestiu uma camiseta do Manchester United durante uma coletiva de imprensa, sabendo que Hatton era torcedor fanático do City. O combate seguiu a mesma premissa dos anteriores: o norte-americano dominou praticamente todos os rounds – de acordo com a pontuação dos juízes – até nocautear o inglês com um belo gancho de esquerda no décimo assalto, levando o público ao delírio. A curiosidade é que seu oponente de sábado, Manny Pacquiao, também já nocauteou o inglês.

5 – Victor Ortiz – 2011 – Las Vegas
Depois de vencer Hatton em 2007, Mayweather teve um hiato em sua carreira, ficando dois anos afastado do boxe. Ele voltou em 2009, vencendo dois combates, até desafiar Victor Ortiz, pelo cinturão dos meio-médios do Conselho Mundial de Boxe. No quarto round, Ortiz aplicou uma boa sequência em “Money”, colocando o pugilista entre as cordas e aplicando uma cabeçada intencional - golpe proibido. Após o árbitro interromper o combate e tirar um ponto do então campeão, Ortiz pediu desculpas e deu um abraço e um beijo no rosto de “Money”. A polêmica, porém, veio no momento em que a luta foi reiniciada. Ortiz, novamente, deu outro abraço em Floyd, que aproveitou o descuido do rival e acertou um cruzado de esquerda e outro de direita, nocauteando o campeão e ficando com o título.