Pular para o conteúdo principal
Notícias

Treinadores analisam: Cyborg x Amanda

Superluta entre campeãs acontece no UFC 232, neste sábado (29)

Quando duas campeãs dominantes em suas categorias se encontrarem no UFC 232, neste sábado (29), os fãs vão presenciar aquela que pode ser considerada a maior luta feminina da história do MMA.

A campeã peso-galo Amanda Nunes sobe ao peso-pena para desafiar Cris Cyborg pelo cinturão da divisão até 66 kg. E para aquecer para o evento, pedimos que alguns dos principais treinadores de respeitadas academias analisassem o combate. Confira o que eles disseram!

Mark Henry – treinador de Frankie Edgar, Marlon Moraes, entre outros

“Elas são, provavelmente, duas das três melhores mulheres que já lutaram MMA. Acho que a Cyborg é a melhor lutadora que já passou pelo UFC, sempre achei que ela fosse melhor que a Ronda (Rousey). Acho que vai ser uma grande luta e que a Cyborg vencerá em uma decisão apertada. Acho que o mais importante nessa luta é que o condicionamento físico da Cyborg é muito bom, ela pode lutar em um ritmo forte por cinco rounds, e às vezes a Amanda desacelera um pouco. Acho que é aí que fica a vantagem da Cyborg. O quanto antes ela começar a ditar o ritmo, mais isso vai beneficiá-la no fim. Mas se ela não ditar o ritmo, Amanda pode tirar a vitória dela. Amanda precisa usar todas suas armas. Ela tem um chute muito forte, tem muito poder. Mas acho que a Cyborg vence, por decisão dividida”.

Gilliard Paraná – PRVT

“Dessa última Amanda, que lutou com a Raquel Pennington, eu não gostei muito. (...) Se essa Amanda, que lutou com a Raquel, for lutar com a Cyborg, acho que vai ser um atropelo. Se a Amanda botar a cabeça no lugar, vier como veio contra a Valentina, aí acho que pode ser uma luta mais dura. Mas não vejo ela ganhando da Cyborg em nenhuma das duas situações. Acho que, nessa luta, deve sair um nocaute para a Cyborg, que só precisa fazer o de sempre: usar o muay thai, a agressividade dela e evitar ser colocada para baixo. Para a Amanda (vencer), só tem um cenário, que é colocar para baixo e finalizar”.

Javier Mendez – American Kickboxing Academy (AKA)

“Para mim, vejo algo como uma luta entre um urso e um leão, ou pantera, ou tigre. O urso é a Cyborg porque ela é forte, e essa força será sua vantagem, e Nunes é o leão, por conta da velocidade. A Amanda precisa ser rápida e usar seus ângulos, e a Cyborg precisa cercá-la, diminuir a distância e encurralar. (...)  

Eu não conheço a Cyborg, mas já encontrei a Amanda alguma vezes. Eu sempre escolho as pessoas que gosto porque as conheço, e eu conheço a Amanda, então vou com ela. Ela vence com rapidez e ângulos e precisão. Não posso dizer técnica, porque a Cyborg é muito técnica também. Além disso, a Cyborg tem uma boa velocidade. Não é como se a Amanda fosse rápida e a Cyborg não, porque a Cyborg é bem rápida. Mas essa é a melhor maneira de vencer alguém tão maior e mais forte, não pode ir com tudo para cima dela”.

Eduardo Alonso – Treinador de Demian Maia e Mauricio Shogun, entre outros 

“É uma luta de difícil prognóstico, porque são duas atletas duríssimas, duas campeãs, duas atletas com grande história dentro do esporte, a Cris nem se fala… é muito difícil mesmo apontar uma vencedora, as duas têm chances grandes e merecem respeito. (...) Tendo isso dito, na minha opinião a Cris leva uma vantagem, porque tem uma pressão, um poder de nocaute muito grande. Ela está acostumada a enfrentar atletas mais pesadas, maiores, enquanto a Amanda está acostumada ao peso de baixo. Por essa capacidade física, força, agressividade, uma experiência um pouco maior, e por ter uma característica de golpear junto com a adversária, contragolpear, acho que a Cris é favorita para vencer o combate.

Porém, acho que a Amanda tem condição de surpreender. Também é experiente, vencedora, bate duro, tem uma trocação que evoluiu muito nos últimos tempos, tem golpes retos bons, caminha bem no cage; tem um jogo completo. Pode parecer surpreendente, mas acho que o caminho da Amanda para a vitória é tentar surpreender a Cris com quedas. O ponto menos forte da Cris talvez seja o grappling. Talvez seja onde a Amanda saia de um perigo maior e consiga controlar um pouco a luta, controlar os braços, tirar a pressão da Cris. Mas, para isso, ela vai ter que se expor um pouco. Já a Cris tem o plano claro de tentar abafar a Amanda e deixar a Amanda desconfortável, mantê-la de costas na grade quando necessário e sempre conectar as mãos, fintar e bater junto com a Amanda. É uma luta de cinco rounds, a Amanda normalmente tem um rendimento melhor no início, então acho que ganhar os primeiros rounds é essencial para ela”. 

Relembre grandes momentos no octógono das duas campeãs. Cris Cyborg e Amanda Nunes fazem uma Superluta no dia 29 de dezembro, na co-main evento do UFC 232.

Brasil