Pular para o conteúdo principal

Vithai volta às origens para vencer no UFC Hamburgo: 'nocaute é prioridade'

Brasileiro vem de duas derrotas, mas está confiante para nocautear neste domingo (12)


Quando o catarinense Vitor Miranda entrou no The Ultimate Fighter 3, em 2014, muitos no Brasil já o conheciam como um dos melhores atletas de muay thai do Brasil. O título do TUF não veio, acabou perdendo na final para Antônio 'Cara de Sapato', mas ele foi contratado pelo o Ultimate e neste domingo enfrenta Abu Azaitar na terceira luta mais importante do UFC Hamburgo.
Mais UFC Hamburgo: Dois brasileiros na rota pelo cinturãoTrio desembarca na AlemanhaMotivos para verOs brasileiros do eventoConfira o card completoTOP 5: Shogun

Aos 39 anos, Miranda já coleciona três nocautes no Ultimate, mas vem de duas derrotas e explica que precisou voltar às origens no muay thai e kickboxing para se sentir confiante em voltar a vencer neste domingo. A estratégia para quando pisar no octógono é sempre andar para frente e não ter medo de ser derrubado. Para isso, os treinos de wrestling e jiu-jitsu na academia Team Nogueira, no Rio de Janeiro, foram importantes

"A estratégia que tracei com meus treinadores está me resgatando como lutador, voltei a ser aquele striker agressivo. Nas lutas de kickboxing eu sempre andava para frente, mas migrei para o MMA e fiquei com medo de ser derrubado. Estou confiante para domingo e meu estilo de luta vai ser do meio do octógono para frente, com o adversário de costas na grade".

O brasileiro lembra que uma vez um lutador norte-americano de wrestling o elogiou bastante em pé, mas disse que ele só estaria preparado para o MMA quando conseguisse disputar posições no o rival no centro do octógono sem o medo de ser derrubado. Depois de muitos anos de experiência, e treinos de luta agarrada, Miranda acredita que este dia e ele está pronto para mostrar que é um dos melhores strikes da divisão.

Confiante em seu poder de nocaute, o ex-atleta do TUF afirmou que não encontrou muitas lutas de Azaitar na internet para analisar o seu jogo, mas tem certeza que pode nocauteá-lo e sair com a vitória.

"Achei pouca coisa sobre ele. Vi que é um adversário muito explosivo e forte, especialista na luta em pé, mas isso é bom porque vou conseguir mostrar o meu trabalho e o nocaute é prioridade. É uma luta perigosa, vai ser habilidade contra habilidade".