Pular para o conteúdo principal

'Vou representar bem a bandeira verde e amarela', diz Thomas Almeida

Único representante do Brasil no UFC 189, ele enfrenta Brad Pickett neste sábado


O brasileiro Thomas Almeida nocauteou Yves Jabouin no UFC 186, em abril, e logo depois foi questionado sobre o que queria como próximo desafio. A resposta foi simples, ele disse que tinha um sonho de lutar em Las Vegas. O Ultimate aceitou seu pedido, o colocou para lutar no UFC 189 contra o inglês Brad Pickett e ele precisou cancelar uma viagem de férias para surfar com os amigos. Mas se engana quem pensa que Thominhas, como é conhecido na academia, ficou triste com a notícia que precisaria voltar aos treinos.
- Assine o Canal Combate e não perca nenhum detalhe do UFC

"Estou honrado por lutar em Las Vegas, que já recebeu tantas lutas importantes. Ainda mais no UFC 189, com duas disputas de cinturões e um dos maiores eventos do ano. São essas coisas que me motivam a treinar cada vez mais e conquistar os meus objetivos", disse Thominhas, entre um round e outro na academia Peralta, em São Paulo.

Assim como a maioria dos fãs de MMA, principalmente os brasileiros, Almeida ficou triste com a saída de José Aldo do card deste sábado, mas não se deixará abater por ser o único representante do Brasil na noite. "É mais um motivo para eu entrar no octógono e representar bem o meu país. Vou chamar a responsabilidade e representar bem a bandeira verde e amarela".

Considerado uma das principais revelações do Ultimate, o jovem de 23 anos disse que contra Pickett continuará com seu instinto agressivo e sempre apostando muito no muay-thai. "Eu e ele gostamos de porrada, um dos dois vai cair antes do terceiro round. Vamos para a trocação e seja o que Deus quiser", disse um confiante Thominhas.
Leia também:
Acompanhe - em fotos - o último sparing de Thomas Almeida antes do UFC 189
'Quero representar o meu país e ser um ídolo', diz o elogiado Thomas Almeida