Pular para o conteúdo principal

Cormier diz que Jones deveria suportar a dor e lutar em setembro

Combate pelo cinturão dos meio-pesados foi adiado de setembro para janeiro

 
 
Desapontado com o adiamento do combate pelo cinturão dos meio-pesados, que passou de 27 de setembro para 3 de janeiro por causa da lesão na perna do campeão Jon Jones, o desafiante Daniel Cormier foi honesto ao se manifestar sobre o caso.

“Ficaram muitas dúvidas quando soube que ele (Jones) estava fora da luta”, disse Cormier, em entrevista para a FOX Sports norte-americana. “Lembrem-se, fiquei com a vaga do também lesionado Alexander Gustafsson (no UFC 178). Então quando soube que os dois agora estarão aptos novamente para lutar no mesmo período, fiquei confuso com o rumo que a coisa tomaria”, emendou o lutador.
 

Após o imbróglio, briga e rivalidade explícita entre Jones e Cormier, que aconteceram no primeiro evento promocional para a luta que seria em 27 de setembro - e imediatamente a transformou em uma das mais esperadas dos últimos tempos -, o desafiante disse que Jones ainda poderia dar um jeito de reverter a situação.

“Venho de lesão no joelho, então este adiamento pode não ser tão ruim assim. Ignorei diversas partes da recuperação por causa dessa luta, que sem dúvida é a mais importante da minha carreira. Não acho que ele (Jones) está me evitando. Desde o início, disse que Jon Jones não teme ninguém. Mas estou machucado e treinando. Temos de aguentar às vezes. É só entrar lá, suportar a dor e simplesmente lutar”, comentou.

 
Cormier disse também que ficou mais tranquilo quando entrou em contato com Lorenzo Fertitta, um dos donos do UFC. Este, garantiu que o wrestler permaneceria com o posto de ser o próximo homem a pisar no octógono com Jon Jones. “Estava muito preocupado com isso. Não quero perder meu lugar na fila de forma alguma”.