Pular para o conteúdo principal

Recap do Ep. #5 do TUF Brasil

O resultado da luta do episódio #4 do TUF Brasil ainda reflete na casa. Rodrigo Damm bateu John Macapá em um combate com abertura para vários julgamentos diferentes, porém vale o que foi decidido pelos jurados e a opção foi Damm por decisão dividida.

A escolha da segunda luta dos médios feita por Vítor Belfort, mais uma vez gerou divergências. A visão que os moradores da casa têm sobre Cézar Mutante e sua relação com o capitão da equipe deixa margens para que a palavra "proteção" seja vista de forma incômoda. Alguns dizem que Vítor escolhe o duelo menos complicado para seu pupilo, deixando para atletas como Sergio Moraes - que caiu em lágrimas por se sentir desprezado - a tarefa de bater de frente com oponentes mais duros.
 
No já usual discurso pré-escolha da luta de Vitor, Wanderlei mostrava todo seu desconforto e aproveitou a ausência de Rodrigo Damm, que tirou o dia de folga, para interromper o técnico rival com questionamentos.

Leonardo Macarrão, que teve a luta eliminatória mais dura do TUF Brasil, foi a opção de Vítor para enfrentar Cézar Mutante. Nitidamente a envergadura de Mutante será um problema para Macarrão, que precisará superar também a pressão de vencer a primeira para o Time Wanderlei.

Do CT do TUF Brasil - em meio a preparação para a luta e depoimentos dos escolhidos - para a casa, onde Gasparzinho acampado de mala e cuia no jardim é alertado pela presença de sapos, o restante dos confinados começam a cair na real sobre a bagunça instalada. Alguns dos atletas não possuem hábitos organizacionais, e louça na pia (que atraiu até abelhas), roupas largadas e objetos fora do lugar incomodam bastante. Um mutirão de faxina vai ser necessário, uma dificuldade para lutadores como Macarrão, que aparentemente não tem nenhuma intimidade com os assuntos arrumação e cozinha.

Um dos mais discretos da casa, Vina pondera sobre a rotina de alguns, que parecem não ter o foco para levar a temporada. Segundo o atleta do Time Wanderlei, esses mal podem ver uma câmera, que já começam a fazer algo para se exibir e ficar provocando os outros.
   
Aparecer? Ah, sai dessa, né Gasparzinho? Incorporando um locutor de rádio, o hilário representante do Time Vítor provoca Damm, dizendo que ele é chato, enquanto interage com Serginho e Wolverine. Damm rechaça o divertimento de Gasparzinho e fica claro que os dois não se bicam apesar de integrarem a mesma equipe.

Antes da pesagem, Mutante tenta dar estilo a sua camisa com alguns dizeres e comete uma gafe. Ao escrever "voceis". Mutante vira alvo de piada dos companheiros, que chamam sua atenção sobre o erro que pode ter deixado todos os seus professores de português com vergonha.     
Com sua sutileza tradicional, um dos mais populares que ainda não lutaram, Francisco Massaranduba dá a fórmula de como resolver o problema de sumiço das coisas de Gasparzinho e suas conseqüências.

-A luta- 

Antes de receber um direto de esquerda que o balançou, Macarrão acertou dois bons chutes na perna de Cézar, que poderia ter partido para cima quando seu oponente acusou o golpe. Perdendo a chance logo no início, o representante do Time Vítor pressionou quando Macarrão estava recuperado e recebeu o troco com uma esquerda e uma direita que fizeram Cézar Mutante andar para trás. Mesmo com um sangramento no nariz, Macarrão mostrava melhor muay thai e desequilibrou Cezar com uma sequência de socos. Uma mal sucedida tentativa de queda de Mutante foi defendida por Macarrão, que mesmo indo para baixo em uma segunda queda telegrafada, voltou em pé para terminar o round número #1.

Usando o velho ditado dos lutadores nos primórdios do MMA - se você quer me levar para o chão, eu soco e chuto e se você soca e chuta, eu te levo para o chão - Mutante aplicou uma linda queda, já caindo com a guarda passada. Utilizando seus longos braços, ele foi laçando o pescoço de Macarrão antes de puxar para a guarda e finalizar com uma guilhotina aos 1m:05s do segundo round.

"É, eu tinha consciência que fiz uma grande luta, mas pra mim uma boa luta é com vitória. Se eu perdi não foi boa", declarou Macarrão.

O vencedor do dia, mesmo mostrando deficiências que poderão ser exploradas pelos futuros oponentes, teve sua atitude no Octógono alterada no intervalo dos rounds.

"Felizmente a gente fez a estratégia correta, eu ouvi os treinadores... a estratégia que eles me passaram no intervalo de um round pro outro e consegui a finalização." Disse Mutante que estava ciente do prejuízo que tomou no primeiro assalto.
 
Agora, o placar elástico de 4 à 0 para o Time Vítor força uma ação emergencial de Wanderlei e seus técnicos auxiliares. A escolha ainda é um benefício da equipe verde, e "os blues" precisarão mandar um representante bem afiado para o duelo do episódio seis, para ainda brigarem por algo nesta temporada inaugural do The Ultimate Fighter Brasil.