Pular para o conteúdo principal

Ex-campeão, Rich Franklin anuncia aposentadoria do esporte

 


Um dos mais memoráveis campeões do UFC, Rich Franklin anunciou sua aposentadoria nesta segunda-feira (28). Aos 40 anos, o norte-americano deixa o esporte com um cartel de 29 vitórias e sete derrotas, e a função não oficial de embaixador do MMA.

Isso porque Franklin foi parte fundamental para a aceitação em massa do esporte nos Estados Unidos. Ex-professor de matemática para turmas do ensino médio, o atleta quebrou todos os estereótipos que associavam lutadores a imagens de brutalidade, usando seu carisma para se tornar um dos rostos do UFC no início dos anos 2000.

Além de ser um porta-voz do esporte, Franklin enfrentou alguns dos mais respeitados atletas que já pisaram no octógono. Sua lista de adversários inclui nomes como Chuck Liddell, Forrest Griffin, Vitor Belfort e Dan Henderson, alternando entre o peso-médio e o meio-pesado, mas foi na divisão até 84kg que 'Ace' atingiu seu auge.

Em 4 de junho de 2005, Franklin nocauteou Evan Tanner no quarto round de combate e conquistou o cinturão da categoria, que foi defendido em duas ocasiões. O reinado acabou no ano seguinte, quando o norte-americano foi nocauteado por Anderson Silva.

 Sem competir desde 2012, Franklin já havia flertado com a ideia de se aposentar do esporte, mas pretendia realizar a última luta de seu contrato antes de pendurar as luvas definitivamente. Agora, a uma semana de completar 41 anos de idade e firme na posição de vice-presidente de um dos maiores eventos de MMA da Ásia, o veterano decidiu que antecipar o descanso seria melhor.

"Estou muito ocupado, e posso sentir que diminuí o ritmo. Pode parecer insignificante, mas não é preciso muito para fazer a diferença entre vencer e perder no mais alto escalão. Estou em um ponto onde tenho meus machucados, mas estou em boa forma. Quando analiso a minha carreira, a grande motivação para cumprir meu contrato seria financeira, e eu sempre disse a mim mesmo que nunca lutaria por ganhos financeiros, que eu teria outras razões sólidas para aceitar uma luta. Estou em um ponto onde olho e penso que não vou lutar pelo cinturão de novo. É tarde demais. Então vou sair em meus termos, em vez de esperar o esporte me expulsar", disse ao UFC.