Pular para o conteúdo principal

Marcelo Golm diz que aprendeu com derrota e quer nocaute no UFC Moncton

Brasileiro busca recuperação contra Arjan Bhullar, neste sábado (27)


A derrota nunca é o resultado esperado por qualquer lutador, mas alguns conseguem absolver melhor e até tirar proveito de um momento tão deliciado. Escalado para enfrentar Arjan Bhullar no UFC Moncton neste sábado (27), no Canadá, Marcelo Golm, 26 anos, garante que soube aproveitar o gosto da derrota – ele perdeu para Timothy Johnson por decisão dos juízes, em fevereiro.
Mais UFC Moncton: Os brasileirosMotivos para assistirCard completo | Siga o canal do UFC no YouTube

“Os primeiros dias foram terríveis, muito duro mesmo, mas precisar ser assim. Se não fosse ruim, não teria vontade de voltar e melhorar. Quis olhar belo lado bom, me fez mudar a minha cabeça”, disse Golm, que conheceu a sua primeira derrota.

E mostrando que as mudanças não ficariam da boca para fora, o brasileiro antecipou um movimento que gostaria de fazer na sua carreira apenas alguns anos mais para frente: treinar nos Estados Unidos. Conversou com conhecidos e acertou a ida para a American Top Team, na Flórida, para sair da zona de conforto e treinar com nomes conhecidos como Junior Cigano e Andrei Arlovski, ex-campeões do Ultimate.

“Eu já pensava em treinar nos Estados Unidos, mas a vitória me fez ter mais vontade e realmente acelerou esse processo. Essa mudança foi a melhor parte da minha derrota, tive vontade no coração de buscar algo melhor. Perder nunca é bom, mas me fez ainda melhor”

Neste sábado, Marcelo Golm enfrentará um lutador que também tem apenas uma derrota na carreira: Bhullar venceu Luis Henrique ‘KLB’ na estreia e depois perdeu para Adam Wieczorek. Aos 32 anos, ele é conhecido pelo seu jogo agarrado e excelente base de wrestling dentro do octógono. Mas isso não preocupa o brasileiro, que assume que uma vitória sensacional seria com um nocaute rápido.

"Já deveria ter enfrentando o Arjan Bhullar, mas a luta não aconteceu. Já tinha estudado o seu jeito de lutar, com um nível muito alto de wrestler. Estou treinando contra lutadores bons de grappling nos Estados Unidos, me acostumando a lutar desse jeito. Vou dar o meu melhor no octógono”.