Pular para o conteúdo principal
Entrevistas

Quem é o verdadeiro Thiago Santos?

Treinadores e filho do desafiante ao cinturão dos meio-pesados falam sobre o que há por trás da figura de Thiago “Marreta”

Thiago “Marreta” Santos de Lima, de 35 anos, é um dos principais nomes do MMA brasileiro na atualidade.

Segundo maior nocauteador da história do UFC (11), o carioca está prestes a fazer a maior luta de sua carreira, quando desafiará Jon Jones pelo cinturão dos meio-pesados na luta principal do UFC 239, neste sábado (6), em Las Vegas.

Mais UFC 239: Marreta: "Se Jones me subestimar, vai pagar" | Treinador de Jones e Holm analisa duelos | Marreta: o 1º do TUF Brasil ao title-shot | Motivos para ver | Diário da International Fight Week | Confira o card completo | Como assistir

Mas sua figura pública e seu lado profissional são apenas uma faceta de um personagem bem mais complexo sobre o qual tentamos descobrir mais conversando com aqueles que melhor o conhecem.

“O Thiago é um cara muito reservado, de poucos amigos e amigos verdadeiros", disse Tatá Duarte, um dos líderes da TFT e treinador de Marreta há nove anos.

“Ele é meio sério, calado, mas quem o conhece a fundo sabe que ele é um cara bem emotivo, é um cara carinhoso com todo mundo”, complementou Phillip Lima, sócio de Tatá e treinador de Marreta durante o mesmo período.

As estrelas das duas lutas principais do UFC 239 Amanda Nunes e Thiago Marreta bateram um papo antes do evento e contaram um pouco de sua trajetória no MMA e história de vida.

Brasil

A parceria entre o trio começou quando Thiago expressou ao seu então treinador de jiu-jítsu Marcelo Broa, o desejo de lutar MMA; Broa o levou, então, à equipe de seu amigo Tatá.

"Ele chegou lá na academia, um menino cheio de vontade, de sonhos, muito disciplinado, e lembro que no primeiro treino que ele fez comigo, ele disse 'Preciso focar, porque tenho que entrar no UFC em, no máximo, três anos'”, lembrou Phillip Lima, “No primeiro treino o cara fala isso, eu respondi meio assim, mas em menos de dois anos ele estava no TUF Brasil e no UFC”.

"O Marreta tem uma grande qualidade, que acho que é imprescindível para o ser humano em geral, ele é extremamente persistente, disciplinado”, continuou, “Ele é aquele cara que não desiste; quando erra, ele se revolta por ter errado, que é o que tem que acontecer, você aprender com aquilo, sentir aquelas dores para que aquilo nunca mais se repita”.

A característica enxergada pelo treinador também é percebida pelo filho de Marreta. Hiago, de 15 anos, que, embora não vá seguir os passos do pai no mundo das lutas, planeja uma carreira no esporte.

“Eu jogo futebol e me inspiro nele. Vendo tudo o que ele passou para chegar onde está agora, me inspiro nele", disse Hiago, "Como pessoa, ele é uma pessoa e tanto, tem caráter. É um pai perfeito, não tenho o que reclamar dele. Como atleta, ele é um exemplo para mim”.

Hiago revelou entretanto que, apesar das aparências, seu pai não é alguém de personalidade impenetrável, e que existe algo que abala seu emocional - o Botafogo: “Ele sofre um pouquinho, como todo torcedor".

Brincadeira à parte, a trajetória da carreira de Thiago é, de fato, admirável. Após ser eliminado nas quartas-de-final do torneio de meio-médios do TUF Brasil 2, Marreta recebeu o convite para estrear no Octógono de última hora e aceitou - perdendo por finalização em menos de um minuto.

Mas o ex-paraquedista militar não abaixou a cabeça, subiu para os 84kgs e construiu uma carreira sólida na divisão, se tornando o atleta com mais nocautes na história da categoria, apesar de falhar nos compromissos que poderiam levá-lo ao próximo patamar.

Conheça a trajetória do brasileiro Thiago "Marreta" Santos, que no dia 6 de julho desafia Jon Jones pelo cinturão dos meio-pesados na luta principal do UFC 239 em Las Vegas.


A escalada mais alta se deu, no entanto, quando Thiago decidiu parar com os abusivos cortes de peso de quase 20kgs para competir e foi aos meio-pesados. Três nocautes em três lutas convenceram Dana White de que ele era digno de uma disputa de título, mas o aumento dos holofotes não deslumbraram o brasileiro.

"O Thiago já esteve no céu e no inferno. Ele sabe como é esse negócio da fama. O UFC é um processo: no começo, você está ganhando, você é o máximo; quando perde, vem uma... O Thiago já passou por esses dois momentos”, disse Tatá.

“O que ele mais gosta de fazer, quando está nos Estados Unidos, é voltar e fazer um churrasco lá na comunidade, com aquela galera de infância dele”, continuou, “Acho isso demais, você não perder as origens, saber de onde veio e quem realmente está contigo".

Ganhando ou perdendo, o garoto que teve origem na Gardênia Azul, se mudou para a Cidade de Deus depois que uma inundação tirou sua família de casa, serviu o exército e conseguiu se tornar um atleta profissional de ponta, chegando ao ponto mais alto de sua modalidade, entra em ação relaxado, sabendo que o resultado do combate não o definirá, nem fará com que todo o processo não tenha valido a pena.

“Se ele só conseguir ser ele dentro da luta com Jon Jones, já vai ser uma grande luta, concluiu Tatá, “Não digo que vai ser uma vitória; estar falando em vitória seria um excesso de confiança. Acho que a gente tem que ter confiança, mas o principal é o Thiago chegar lá e conseguir fazer a luta dele”.

Assine o Combate | Siga o UFC Brasil no Youtube